Skip To Content
    This post has not been vetted or endorsed by BuzzFeed's editorial staff. BuzzFeed Community is a place where anyone can create a post or quiz. Try making your own!
    Updated on Jun 19, 2019. Posted on May 16, 2019

    Dicas De Acessibilidade Digital Para Produtores De Conteúdo

    O que é #PraCegoVer? Por que existem avatares digitais interpretando Libras? Closed caption e audiodescrição são a mesma coisa?

    Fundraiser Grrl / Via Giphy

    GIf animado de uma mão segurando um disquete com as palavras World Wide Web

    Parece que foi ontem, mas a internet completou 30 anos no dia 12 de março de 2019.

    Há três décadas, Tim Berners-Lee apresentou a proposta do que viria a se tornar as três letras mais utilizadas no meio digital: www (do inglês World Wide Web).

    Graças à facilidade da internet, a troca de diferentes tipos de documentos e, desta forma, de informação, atingiu patamares nunca antes vistos desde que o mundo é mundo.

    As possibilidades oferecidas pela internet superam avanços tecnológicos atingidos ao longo dos últimos séculos.

    Beeld en Geluid Labs / Via Giphy

    Gif animado em preto e branco com uma pessoa usando um computador pessoal antigo

    Nem todos os restaurantes têm rampas adequadas para cadeirantes. Poucas escolas e universidades possuem intérpretes de Libras. Os estabelecimentos públicos dificilmente oferecem materiais impressos em braile, e por aí vai… a lista é longa.

    A internet é, sim, um meio assegurar os direitos de todas as pessoas - com ou sem deficiência.

    Por isso, falar de acessibilidade digital é falar sobre inclusão. E, mais que um direito dessa população, a acessibilidade é também um dever de todos.

    Desde janeiro de 2016, está em vigor a Lei Brasileira de Inclusão (LBI).

    O texto aprovado defende que todos os sites brasileiros e de empresas com atividades no Brasil sejam acessíveis, segundo os padrões estabelecidos pelas Diretrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web (WCAG, sigla para Web Content Accessibility Guidelines).

    Para ajudar na missão inclusiva de acessibilizar conteúdo digital para pessoas com diferentes deficiências, listamos algumas dicas.

    Vale lembrar que a acessibilidade digital é um conjunto de práticas, não apenas de conteúdo, mas também de desenvolvimento e design / UX (User Experience - Experiência do Usuário).

    Nada pode ser 100% acessível, porque as deficiências são particulares a cada indivíduo, e a própria natureza não é totalmente livre de barreiras.

    South Park / Via Giphy giphy.com

    Gif animado do desenho South Park, com a fala de um personagem cadeirante. Há o texto: "Why? Are you uncomfortable around people with disabilities? That´s ok. Lots of people are"
    -----------------------

    "Por quê? Você fica desconfortável ao redor de pessoas com deficiência? Tudo bem. Um monte de pessoas fica."

    Mas, com um esforcinho conjunto, dá sim para construir sites, aplicativos e conteúdos digitais cada vez mais inclusivos.

    Para facilitar, as boas práticas para conteúdo digital acessível foram divididas por deficiência: visual (cegueira, baixa visão); auditiva (surdez) e intelectual / cognitiva (Síndrome de Down, Autismo, Asperger, Dislexia etc).

    Antes de mais nada, destacamos que o termo correto para se referir ao público com algum tipo de deficiência é pessoa com deficiência (ou PCD).

    O termo foi adotado pela ONU (Organização das Nações Unidas), durante a Convenção do Direito das Pessoas com Deficiência e é amplamente utilizado.

    MIC / Via Giphy

    Gif animado de uma pessoa com uma prótese robótica da mão direita

    “Pessoa com necessidades especiais”, “portadora de deficiência” ou “deficiente” não são corretos. Na dúvida, utilize a terminologia para aquela deficiência: surdo, cego, cadeirante, autista etc.

    Em países como a Espanha e Portugal, o termo “pessoa com diversidade funcional” já tem ganhado espaço, considerando que uma pessoa não tem uma deficiência, mas sim, uma diversidade.

    Por enquanto, vale seguir com as diretrizes da ONU, mas é importante lembrar que o mundo muda rápido, e nós devemos mudar com ele. De preferência, para melhor.

    Vale lembrar que a acessibilidade digital é um conjunto de práticas, não apenas de conteúdo, mas também de desenvolvimento e design / UX (User Experience - Experiência do Usuário).

    Nada pode ser 100% acessível, porque as deficiências são particulares a cada indivíduo, e a própria natureza não é totalmente livre de barreiras.

    Mas, com um esforcinho conjunto, dá sim para construir sites, aplicativos e conteúdos digitais cada vez mais inclusivos.

    Para facilitar, as boas práticas para conteúdo digital acessível foram divididas por deficiência: visual (cegueira, baixa visão); auditiva (surdez) e intelectual / cognitiva (Síndrome de Down, Autismo, Asperger, Dislexia etc).

    Para cegos

    MANGOTEETH / Via Giphy

    Gif animado com Ray Charles de smoking e óculos escuros em uma coletiva, com diversos microfones ao seu redor

    - Muitos cegos e pessoas com baixa visão utilizam softwares para leitura de tela. Por isso, todo conteúdo digital que não estiver em texto (ou com código-fonte preparado) deve incluir descrição (fotos, ilustrações, gifs, tabelas, gráficos etc);

    - Existem muitas formas de descrever imagens e, com a prática, isso só se aprimora. Pense na seguinte fórmula: o que/quem + onde + como + faz o quê + como + quando + de onde. Ou, ainda, a versão simplificada: formato + sujeito + paisagem + contexto + ação;

    - Evite a redundância na descrição. “A foto ilustra” é um pleonasmo. Seja simples, direto;

    - Utilize apenas adjetivos para descrever, e não qualificar a imagem. Termos como “bonito”, “feio”, “bom”, “mau” são exemplos de juízo de valor e não agregam ao usuário;

    - Vídeos devem ter audiodescrição, contextualizando o conteúdo das imagens para cegos, sem atrapalhar o áudio original do conteúdo. Aqui, vale destacar: não é a mesma coisa que o closed caption (que é voltado para surdos);

    - Hiperlinks nos textos devem indicar o destino do link. Termos como “Clique aqui”, “Saiba mais”, ou “Via” não indicam o destino do clique. Prefira: “Acesse o site (nome do site)”, “Saiba mais no portal (nome do portal)”. Isso porque muitos cegos navegam somente pelos links, utilizando atalhos do teclado.

    Para surdos

    Nyle DiMarco / Via Giphy

    Gif animado do model Niyle DiMarco traduzindo a frase "Are you deaf?" para a American Sign Language (Língua Americana de Sinais).

    - Os conteúdos em áudio e vídeo devem ser transcritos em texto e legendados, para acesso de surdos oralizados (alfabetizados em português);

    - Para surdos sinalizados (que se comunicam apenas por Libras), é importante ter janela de Libras, com tradutor-intérprete ou avatar digital.

    Para pessoas com deficiência intelectual e cognitiva

    Thought Catalog / Via Giphy

    Gif animado de um jovem com síndrome de Down checando um papel ao lado de um homem dulto. Ele olha na direção da câmera, coloca a mão na testa com expressão de surpresa e sorri

    - Os textos precisam ter uma estrutura mais simples e enxuta, considerando a acessibilidade para pessoas com dislexia ou descalculia;

    - Frases e parágrafos mais curtos, ordem direta, voz ativa, textos sem figuras de linguagem (metáforas, hipérboles etc) e termos mais usuais também são recomendados para pessoas com diferentes graus de Autismo e Síndrome de Down;

    - A repetição de palavras também pode dificultar a leitura. Busque sinônimos sempre que possível.

    IMPORTANTE

    A acessibilidade é viva e está sempre em evolução. Práticas e termos considerados acessíveis no momento podem se tornar obsoletos.

    Por isso, é importante adotar o compromisso com a inclusão diariamente, sempre em busca das melhores práticas e, se possível, convivendo com o público-alvo dessas diretrizes: as pessoas com deficiência.

    Para conhecer mais boas práticas, analisar sites e conferir novidades sobre acessibilidade digital, acesse o site do Movimento Web para Todos.

    Create your own post!

    This post was created by a member of the BuzzFeed Community.You can join and make your own posts and quizzes.

    Sign up to create your first post!