back to top

"Se você nunca ficou com mulher, como pode saber que é gay?"

Quando contou à família que era homossexual, o músico Peo Tavares foi levado a uma psicóloga. No começo, parecia tudo bem até o paciente perceber que profissional estava tentando "curá-lo" de ser gay.

publicado

O músico Peo Tavares, 25, tinha 18 anos quando contou para os pais sobre sua homossexualidade. A mãe logo o orientou a ir a uma psicóloga.

Foram dois anos de tratamento. No começo, segundo ele, parecia uma terapia convencional, mas a psicóloga, evangélica, passou a enxertar textos e passagens bíblicas e a questionar a orientação do músico.

A história de Peo indica que a prática da "cura gay" pode vir de forma sutil.

"Você já transou com uma mulher? Se você nunca ficou com mulher, como pode saber que é gay?"

"Eu fiquei muito mexido. Eu me senti ofendido, invadido. Como se viessem todas as minhas lembranças de infância, da religião, da culpa. Foi um tsunami", contou Peo ao BuzzFeed News.

O músico ainda conseguiu responder para ela: "A senhora já transou com uma mulher? Não? Então como sabe que é hétero?" Mas saiu do consultório desconcertado. "Fiquei uma semana arrasado, me sentindo muito mal".

O que mais pesou para o músico foi a relação de confiança que ele já havia estabelecido com a psicóloga. Ele conta que sequer pensou em se queixar ao Conselho de Psicologia ou fazer qualquer denúncia.

"Fiquei tão traumatizado na época que não passou pela minha cabeça fazer isso [denunciar]. Hoje, com a minha bagagem, eu faria diferente."

Ele diz que nunca a psicóloga falou que se tratava de uma terapia de "cura". "Aos poucos, a abordagem foi por esse caminho de Bíblia."

Ele afirma que a mãe também não disse que ele estava doente. "Ela não falou com essas palavras, mas tinha essa intenção".

Peo diz que sabia que a intenção de sua família não era apenas ajuda-lo e que havia uma expectativa de "reorientar" sua sexualidade. Por isso, foi escolhida a psicóloga evangélica.

A relação com os pais é boa, embora o tema da sexualidade seja sensível.

Hoje ativista dos direitos LGBTQ, Peo avalia que a decisão de um juiz federal de Brasília de permitir tratamento e pesquisa sobre reorientação sexual é fruto de um período de retrocesso no país.

"O remédio para a culpa que todo gay cristão carrega, que toda pessoa LGBT carrega, é o orgulho. Quando a gente se empodera, quando a gente tem orgulho de ser quem a gente é, a gente está medicando a culpa que querem colocar na gente. E é exatamente isso que eles não querem".

Veja também:

Juiz da “cura gay” está tentando virar desembargador

Um vídeo do Drauzio de 2014 voltou a viralizar após a decisão que libera o “tratamento” da homossexualidade



Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Em parceria com