back to top

Dinheiro para calar Cunha era “única interpretação possível” de conversa, diz PF

Relatório sobre gravação que Joesley Batista fez do presidente diz que não houve manipulação na gravação e que indica que Temer tinha ciência de pagamentos a Cunha e Lúcio Funaro.

publicado

O relatório da Polícia Federal com o laudo da gravação feita por Joesley Batista, da J&F (dono da JBS), com Michel Temer diz a única interpretação possível de trecho do diálogo em que o empresário fala que está mantendo bom relacionamento com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha tem uma “única explicação”: a de apoio financeiro ao ex-deputado.

De acordo com a PF, o uso da expressão "tem que manter isso, viu?" ao tratar do bom relacionamento entre Joesley e Cunha, acrescida da expressão "todo o mês", não deixa margem para dúvidas.

O relatório ainda diz que não houve edição para adulterar o conteúdo da gravação, em que, na visão do Ministério Público, outros crimes também foram discutidos.

De acordo com o relatório, a conversa entre Joesley e Temer indica que não só Eduardo Cunha, mas também o doleiro Lúcio Funaro estariam recebendo recursos do empresário.

Para a PGR, a intenção dos pagamentos era manter Cunha e Funaro em silêncio, sem que fizessem acordos de delação premiada.

De acordo com o relatório da PF, o silêncio de Funaro interessava justamente ao grupo político de Temer e o PMDB, que tinham se utilizado dos serviços do operador. Os investigadores colocam Temer e o ex-ministro Geddel Vieira Lima como os principais beneficiados pelo silêncio da dupla Cunha e Funaro.

Sobre Geddel, a PF mostra como prova as inúmeras tentativas de contato com a mulher de Funaro.

Os investigadores afirmam ainda que Geddel servia de interlocutor de Temer. Para isso, apontam seu vasto histórico de proximidade com Temer. A PF usa também um trecho da conversa de Temer com Joesley, no qual o presidente admite que havia conversado com Geddel horas antes.

A PF lembra ainda que o próprio Lúcio Funaro, em depoimento, disse que deu R$ 20 milhões em propina para Geddel.

Leia a íntegra da denúncia contra Temer.

Reprodução

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Severino Motta at severino.motta@BuzzFeed.com.

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.