back to top

Vítima indiana de estupro processa Uber após empresa obter e divulgar ilegalmente seus registros médicos

Mulher foi estuprada por motorista em Nova Délhi, em 2014.

publicado
O escritório da Uber em Nova Délhi.
Anindito Mukherjee / Reuters

O escritório da Uber em Nova Délhi.

Uma mulher indiana que foi estuprada por um motorista da Uber em Nova Délhi, em 2014, está processando a empresa e seus executivos pela segunda vez. Ela já havia entrado com uma ação em 2015 e fechou um acordo judicial.

A vítima, que permanece anônima e atualmente vive no Texas, entrou com a ação contra a Uber, o recém-afastado CEO Travis Kalanick, além de dois ex-executivos que trabalhavam na empresa à época do crime.

Na ação, a mulher afirma que a Uber obteve ilegalmente seus registros médicos e os usou para difamá-la entre os funcionários da empresa.

Travis Kalanick, CEO da Uber afastado após denúncias de assédio na empresa.
Joshua Roberts / Reuters

Travis Kalanick, CEO da Uber afastado após denúncias de assédio na empresa.

O primeiro documento do processo diz que dias após ela ter sido vítima do estupro, em dezembro de 2014, um dos principais executivos da Uber na Ásia à época, Eric Alexander, encontrou-se com policiais de Nova Délhi que repassaram a ele os registros médicos confidenciais.

Advogados indianos consultados pelo BuzzFeed News afirmam que não há como a Uber ter conseguido esses documentos médicos por vias legais.

"A negação de um estupro é apenas mais uma face da tóxica discriminação de gênero que é endêmica na Uber e está arraigada na cultura da empresa", disse o advogado Douglas Wigdor, que representa a vítima, em nota à imprensa.

"É chocante que [o CEO] Travis Kalanick pudesse dizer publicamente que a Uber faria tudo para apoiar minha cliente e sua família, durante a recuperação, enquanto ele e outros executivos revisavam registros médicos obtidos ilegalmente e alimentavam teorias conspiratórias espúrias e ofensivas sobre o brutal estupro que ela tragicamente sofreu."

Por email, Wigdor disse ao BuzzFeed News que não pode comentar sobre o acordo judicial que sua cliente fechou com a Uber em 2015. Não está claro se havia termos no acordo que impedissem a vítima de processar a empresa novamente.

Um porta-voz da Uber, escalado para comentar o caso, disse ao BuzzFeed News: "Ninguém deveria sofrer uma experiência horrível como essa, e nós estamos verdadeiramente tristes que ela foi obrigada a revivê-la nas últimas semanas."

Leia as alegações na ação (em inglês):

Este post foi traduzido do inglês.

Pranav Dixit is a tech reporter for BuzzFeed News and is based in Delhi.

Contact Pranav Dixit at pranav.dixit@buzzfeed.com.

Caroline O'Donovan is a senior technology reporter for BuzzFeed News and is based in San Francisco.

Contact Caroline O'Donovan at caroline.odonovan@buzzfeed.com.

Ryan Mac is a senior tech reporter for BuzzFeed News and is based in San Francisco.

Contact Ryan Mac at ryan.mac@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.