back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Ainda balançando no cargo, Temer promete a investidores que fica até 2018 e entrega reformas

O presidente tentou passar a mensagem que a sua permanência no governo não vai acabar com as chances de aprovação da reforma da Previdência nem que a economia do país vai ficar parada.

publicado

Falando a investidores em um evento em São Paulo, o presidente Michel Temer tentou passar a mensagem que a sua permanência no governo não vai implicar no fim das chances de aprovação da reforma da Previdência nem que a economia do país vai ficar parada.

"Nós chegaremos em 2018 com a casa em ordem", prometeu o presidente ao discursar no Fórum de Investimentos Brasil 2017.

Sem citar os governos petistas, Temer disse que "houve momento de medidas simplesmente populistas” e falou que não cairia na mesma “tentação."

“Quero transmitir uma mensagem clara: nosso governo devolveu ao Brasil o caminho do desenvolvimento, e desse caminho não nos afastaremos", declarou.

No discurso, o presidente se referiu ao protesto pela sua renúncia (e contra as reformas) sacudiu Brasília com cenas de depredação da Esplanada dos Ministérios e repressão da polícia – inclusive, com cenas de policiais disparando armas de fogo contra manifestantes.

Temer disse que existe um clima de "brasileiro contra brasileiro" e defendeu a sua decisão de convocar as Forças Armadas para garantir a segurança de Brasília – da qual recuou no dia seguinte: "Quando for físico, não titubearemos".

Michel Temer ganhou fôlego durante o final de semana, mas a sua sobrevivência no governo deve-se mais à incapacidade de seus aliados decidirem um nome para o dia seguinte do fim do seu governo (para conduzir o país até a posse do sucessor eleito em 2018) do que à confiança de que o peemedebista ainda tenha força suficiente para ficar e aprovar as mudanças com que se comprometeu.

A aprovação da reforma da Previdência torna-se cada dia mais incerta desde a divulgação da delação do empresário Joesley Batista, dono da JBS.

Antes de vir à tona o áudio em que respondeu "certo, certo" ao ser informado por Joesley sobre a compra de juízes e de um procurador, Temer estava constituindo, com dificuldades e muitas concessões, uma base que lhe garantisse os 308 votos necessários para a reforma sair na Câmara.

Para passar a impressão de que conta com apoio parlamentar para implementar as reformas, Temer chegou ao fórum acompanhado dos presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A fragilidade política do governo, contudo, está mais na base do Congresso e nos partidos aliados. Principal fiador do governo, o PSDB está à espera do julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE para decidir se fica ou se sai do governo.

Na noite de ontem, o ministro Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo), que é tucano, articulou um encontro entre Temer e Moreira Franco com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).

Segundo o G1, o fragilizado Temer pediu aos tucanos "responsabilidade com o país." Leia aqui.

Imbassahy disse que a posição do PSDB em relação a Temer segue "inalterada".

Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.