back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Lula ataca a "desfaçatez do companheiro Palocci" e nega ter acertado valores com Odebrecht

Para Lula, Palocci mentiu para conseguir uma delação e disse não ter raiva do ex-ministro. A palavra, segundo o ex-presidente, é pena.

publicado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou Antonio Palocci e disse que o seu ex-ministro, e agora algoz, mentiu à Justiça Federal ao afirmar que ele, Lula, acertou o recebimento de vantagens indevidas da Odebrecht.

No depoimento ao juiz Sergio Moro na ação penal em que apura a suspeita que a empreiteira comprou um terreno para o Instituto Lula, a procuradora Isabel Cristina Vieira indagou sobre uma reunião entre Lula e Emílio Odebrecht em 30 de dezembro, dois dias antes do petista passar a faixa presidencial para Dilma Rousseff.

Lula confirmou o encontro com Emílio Odebrecht, mas desancou a versão de Palocci segundo a qual havia sido o repasse de recursos do conglomerado ao Instituto Lula.

"Eu vi o Palocci atentamente contar essa história. A-ten-ta-men-te", disse Lula escandindo as sílabas para enfatizar.

Prosseguiu: "A desfaçatez do companheiro Palocci foi de tal magnitude que ele inventou uma história que o Emílio foi lá, foi discutir um fundo que tinha sido criado, manutenção desse fundo."

Segundo Lula, ele recebeu um pedido de encontro de Emílio Odebrecht, que estava passando o comando do grupo ao filho Marcelo, e consultou Dilma, que estava envolvida com a composição do futuro ministério. Com o sinal verde de Dilma, o presidente que deixava o cargo receberam os empresários baianos.

O encontro durou menos de 10 minutos, segundo Lula, e tratou de amenidades, não de recursos, ao contrário do que afirmou Palocci.

"Jamais o Emílio Odebrecht tratou comigo de qualquer dinheiro ao PT", disse Lula. E subiu o tom: "Eu desafio vocês do Ministério Público, da Lava Jato, desafio a Polícia Federal a encontrar algum empresário que tratou comigo de um real."

A procuradora insistiu, perguntando se o ex-presidente designou Palocci como interlocutor junto à Odebrecht para a obtenção de recursos para o Instituto Lula.

"Palocci não era da direção do PT e não era tesoureiro de campanha. Portanto, não devia lidar com finanças. Se alguém se apresentava para algum empresário utilizando meu nome, são outros quinhentos. É outra ação que vocês vão ter que mover contra quem se aproveitou do meu nome."

"Nunca foi autorizado ao Palocci e a quem quer que seja negociar recurso com qualquer empresário [em seu nome]", declarou Lula.

Palocci ainda não fechou delação, mas na semana passada acusou Lula de não apenas conhecer o esquema de corrupção da Petrobras como de ordenar uma operação para arrecadar recursos para a campanha de Dilma em 2010 com fornecedores de sondas para a estatal.

"Calculista e frio"

O ex-presidente afirmou que as acusações de Palocci são uma farsa para conseguir diminuir a pena.

O depoimento foi uma coisa quase cinematográfica, como um roteirista da globo. preparam alguns lides para ele dizer. Conheço bem o Palocci. Se não fosse um ser humano, seria um simulador. Ele é tão esperto que é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade. É médico, calculista, frio. Nada daquilo é verdadeiro. A única verdade ali é que ele quer os benefícios da delação.
O ex-presidente ainda aproveitou para alfinetar o Ministério Público.
“Ele termina o depoimento da forma magistral que o Ministério Público queria que ele fizesse: o Lula conversou comigo sobre obstrução de Justiça. Se tem um cidadão que tem coragem de olhar no seu olho e dos meus acusadores, se tem um cidadão que tirou o tapete da sala para que a podridão aparecesse, esse cidadão se chama Luiz Inácio Lula da Silva. Não admito que ninguém diga que tento obstruir a Justiça. Ele inventou a expressão pacto de sangue. Ele fez um pacto de sangue com os advogados e Ministério Público. Ele disse exatamente o que o powerpoint queria que ele dissesse."

Lula diz ter pena, não raiva de Palocci

Mais tarde, no final do depoimento, Lula disse que não tem raiva de Palocci. A palavra, segundo o ex-presidente, é pena.

Para Lula, Palocci mentiu para conseguir uma delação. O ex-presidente citou, ainda, a mãe de Palocci.“Foi um ministro da Fazenda muito competente, que ajudou o país. Eu não conhecia essa simulação que ele fez semana passada. Ele veio cumprir um ritual. Foi um conjunto de simulações que o Palocci fez com o objetivo de diminuir a pena e, quem sabe, ficar com um pouco dos recursos bloqueados que ele ganhou como consultor.

Lula ainda elogiou o ex-ministro. “Eu lamento porque sou um cara que gostei muito do Palocci. O Brasil deve ao Palocci. Lamentavelmente o Palocci se prestou a um serviço pequeno porque inventar inverdades para tentar criminalizar uma pessoa que ele sabe que não cometeu os crimes que ele alegou. É muito desagradável. Eu fico pensando como está a mãe do Palocci, que é militante do PT e fundadora. Não tenho raiva do Palocci. Tenho pena dele ter terminado uma carreira tão brilhante da forma que ele terminou”, disse o ex-presidente.

"Palhaçada do Miller com o Joesley"

O ex-presidente Lula usou a crise na Procuradoria-Geral da República, com a suspeita contra o ex-procurador da PGR Marcelo Miller, para atacar o Ministério Público.

“O Ministério Público é muito engraçado. Graças a Deus, como Deus escreve certo por linhas tortas, as coisas estão virando verdadeiras, nós estamos vendo o que está acontecendo com o [procurador-geral da república] Janot, estamos vendo o que está acontecendo com o Miller, a força-tarefa da Lava Jato aqui em Brasilia [na verdade, em Curitiba], está tratando de forma a destruir o Ministério Público contando inverdades. Eles inventaram que o tríplex era meu porque o Globo disse, e não é. E o senhor sabe disso. Inventaram que o apartamento [alugado em São Bernardo] era meu e não é. E o senhor sabe disso. Como inventaram que o sítio é meu e não é. Ou seja, três denúncias do Ministério Público por ilação”, disse o petista.

Ele completou: “Eu só espero que eles tenham a grandeza de pedir desculpa. Eu não sei se o senhor Miller vai pedir desculpa com a palhaçada que foi feita em Brasília com o Joesley, que agora está sendo desmontada”. E disse que um dos delatores, o ex-senador e ex-petista Delcídio Amaral era “mentiroso e descarado”, “que foi solto em um pacto entre o Miller e a Globo para fazer denuncia contra mim”.

Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.