back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Embora nova denúncia seja mais forte, Temer tem mais chance de sobreviver no cargo

Não há uma alternativa de poder que faça a base abandonar o presidente agora. Erros na condução da delação da JBS também deram discurso a quem quer que Temer fique.

publicado

Michel Temer escapou da primeira denúncia –aquela em que Rodrigo Janot afirmava que a mala com R$ 500 mil da JBS se destinava ao presidente– com a base dividida e suscitando questionamentos de como ele se sairia no momento em que enfrentasse a acusação de obstruir a Justiça.

A sobrevivência se deu após uma forte operação de liberação de emendas para a base e de enquadrar dissidentes. Agora, a segunda acusação chegou na reta final do mandato de Rodrigo Janot com um ambiente político muito mais propício para que Temer consiga se manter no Planalto.

O paradoxo é que a segunda denúncia é bem mais forte juridicamente do que a primeira. Além dos irmãos Batista, a base da denúncia tem a contribuição de Lúcio Funaro, que admitiu ter feito pagamentos de propina a Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima – aliados próximos de Temer que estão na cadeia.

No todo, a denúncia acusa Temer e o PMDB da Câmara (Eliseu Padilha, Moreira Franco, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha e Rocha Loures) de serem uma quadrilha que sangrou os cofres públicos por onde passou na última décadas. Valor da propina, segundo Janot: R$ 587 milhões.

É uma soma onze vezes a dinheirama encontrada no apartamento usado por Geddel e que precisaria de 1.187 malas iguais à que Rocha Loures carregava quando foi filmado pela Polícia Federal. Temer classificou a peça, que segundo ele está "recheada de absurdos", como "realismo fantástico em estado puro."

O primeiro fator que favorece a permanência de Temer é a inexistência de uma alternativa concreta, capaz de convencer a classe política e o empresariado a defenestrar o presidente. Na primeira denúncia, estes setores flertaram com a alternativa Rodrigo Maia (DEM-RJ), que permaneceu com o presidente.

O segundo elemento foram os erros na condução da delação de Joesley Batista e dos executivos da J&F, que fragilizaram Janot.

O surgimento do áudio em que Joesley e o executivo Ricardo Saud tramam foi considerado "gravíssimo" pelo procurador-geral da República e jogou um grande ponto de interrogação no futuro dos benefícios obtidos pelos delatores.

Embora tenha sido repisado por procuradores e até por ministros do Supremo que o virtual cancelamento da delação não invalida as provas entregues, o percalço de Janot deu munição política para os aliados de Temer atirarem na Procuradoria e defenderem Temer.

O caso fica mais complicado com o avanço das suspeitas de que Marcelo Miller, um dos principais negociadores da PGR, agiu para beneficiar Joesley enquanto ainda estava no cargo.

Em abril, ele deixou a Procuradoria para se juntar ao escritório Trench, Rossi e Watanabe, responsável pelo acordo de leniência (uma espécie de delação premiada de empresas) da... J&F.

Veja também:

Janot denuncia Temer por obstrução da Justiça e organização criminosa


Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.