back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Governo usa brechas para conseguir primeira vitória na votação da denúncia contra Temer

A base aliada conseguiu maioria na Comissão de Constituição e Justiça, mas para isso teve de convencer partidos a trocar pelo menos 10 deputados.

publicado

Depois de uma maratona de três dias de discussões, a maioria dos deputados da Comissão de Constituição e Justiça votou em favor do presidente Michel Temer para arquivar a denúncia de corrupção contra o presidente. Foram 40 votos a 25.

O resultado, contudo, é meramente simbólico e palavra final é do plenário, onde os 513 deputados podem votar.

Para vencer, Temer teve de jogar com o regulamento embaixo do braço e fazer manobras para, de última hora, conseguir trocar pelo menos 10 dos 66 deputados da Comissão.

Essa manobra, vale dizer, é permitida pelo regimento interno da Câmara, mas mostra o empenho do governo de conseguir uma espécie de resultado "artificial".

Ao longo dos dias de discussão, a oposição afinou o seguinte discurso: o governo pode até trocar os deputados na CCJ, mas isso é irrelevante porque todos votarão no plenário.

A decisão final só deverá acontecer em agosto. Se a Câmara autorizar o prosseguimento do processo, os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal vão analisar o pedido de abertura de ação penal da Procuradoria-Geral da República.

Se o STF abrir a ação, Temer é automaticamente afastado por 180 dias. Daí a importância para o governo de matar a discussão logo na Câmara.

Temer foi acusado pela PGR de receber R$ 500 mil de propina da JBS, no já consagrado episódio no qual um ex-assessor do presidente foi filmado com uma mala de propina. Ele nega.

O relatório inicial foi do deputado Sergio Zveiter. Apesar de ser do mesmo partido de Temer, ele votou contra o presidente.

Diz o relator: o que temos são indícios de autoria, o que enseja o deferimento (da abertura do processo). São indícios sérios o suficiente

Foi escolhido o deputado Paulo Abi-Ackel, do PSDB de Minas Gerais, para fazer o relatório final, pró-Temer. Curiosamente, a maioria dos tucanos da CCJ votaram contra o presidente.


Veja também:

Governo toma drible da oposição e votação de denúncia contra Temer deve ficar para agosto

Deputado do mesmo partido de Temer vota a favor da denúncia e presidente sofre primeira derrota






Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.