back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Não, a condenação de Moro ainda não tira Lula da disputa pela Presidência em 2018

Para ser considerado ficha-suja, petista deve ser condenado também pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que demora de 10 a 12 meses, em média, para rever as sentenças de Moro.

publicado

O ex-presidente Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz federal Sergio Moro, nesta quarta-feira (12).

Mas isso não significa que o petista, líder nas pesquisas de intenção para 2018, seja carta fora do baralho na eleição.

A Lei da Ficha Limpa estabelece que políticos só se tornem ficha-suja — e, portanto, fiquem inelegíveis — após uma eventual condenação em segunda instância.

Um recurso de Lula contra a sentença de Moro, que foi dada no âmbito da Justiça Federal do Paraná, será julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), sediado em Porto Alegre.

No fim de junho, por exemplo, o TRF-4 inocentou o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que havia sido condenado por Moro a 15 anos e 4 meses de prisão.

Em média, o tribunal demora entre 10 e 12 meses para julgar recursos a sentenças de Moro na Lava Jato. Se o TRF condenar Lula novamente até o dia 15 de agosto de 2018, data limite para registro de candidatos segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o petista não poderá concorrer.

Desde o início do governo de Michel Temer (PMDB), em março do ano passado, Lula cresceu de 17% para 30% nas pesquisas de intenção de voto do Datafolha. A ascensão do petista coincide com o derretimento da avaliação de Temer, que hoje conta com apenas 7% de aprovação.

A repercussão da condenação de Lula foi dura no Senado entre os petistas, que tacharam como política a condenação do ex-presidente por Sergio Moro. "Uma eleição sem Lula é farsa", discursou da tribuna Lindbergh Farias (PT-RJ).

Num tom mais apocalíptico, Tião Viana (PT-AC) acusou as "elites" do país de tramarem contra a participação de Lula na eleição de 2018: "A elite brasileira está colhendo vento e vai colher tempestade."

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi ao Facebook logo que a condenação tornou-se pública. Buscando se colocar como antagonista direto de Lula, o tucano o chamou de "o maior cara de pau do Brasil".

No cenário em que foi testado pelo Datafolha na corrida presidencial, Doria aparece com 10% das intenções, em quarto lugar, atrás de Lula (30%), Marina Silva (15%) e Jair Bolsonaro (15%).

Porém, ao contrário dos outros concorrentes, o tucano tem uma taxa de rejeição baixa — e, portanto, possui espaço para crescer no eleitorado.

No cenário de segundo turno contra Lula, Doria vai melhor que seu padrinho político — o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) — e que Bolsonaro, mas mesmo assim aparece atrás do petista. Contra o prefeito paulistano, Lula tem 45% das intenções contra 34%.

Veja também:

Lula é condenado a 9 anos e 6 meses de prisão no processo do tríplex

Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.