back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Mulher negra ganha 60% menos que homem branco no Brasil

Diferença da média salarial caiu em 20 anos, mas ainda é grande no país. Segundo o Ipea, as mulheres trabalham 7 horas e meia a mais que os homens por semana.

publicado

A média salarial da mulher negra no Brasil quase dobrou nos últimos 20 anos (de R$ 570 em 1995 para R$ 1.027 em 2015) e, ainda assim, é 59% inferior à dos homens (de R$ 2.262 para R$ 2.509).

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), as mulheres ainda desempenham mais trabalho doméstico que os homens e, com isso, aumentam em 7,5 horas a jornada semanal feminina.

A média dos homens é de 46 horas semanais (um pouco acima da jornada oficial de 44 horas semanais). Já as mulheres trabalham mais 53 horas: a jornada de trabalho fora e as tarefas domésticas não-remuneradas.

O Ipea divulgou nesta segunda (6) o "Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça 1995-2015", que apontou as diferenças na remuneração.

A mulher branca ganha menos que o homem branco. O salário delas, contudo, ultrapassa o dos homens e mulheres negros.

A pesquisa fala ainda do emprego doméstico remunerado. Ele é a ocupação principal de 18% das mulheres negras e de 10% das mulheres brancas. Esse tipo de atividade, no entanto, vem caindo entre as mulheres mais jovens.

Em 1995, 51,5% das trabalhadoras domésticas tinham até 29 anos. Em 2015, esse percentual caiu para 16%.

Ainda sobre trabalho doméstico, o IPEA identificou outras duas tendências: o aumento das mulheres com carteira assinada (de 17,8% para 30,4%).

A outra tendência é quanto ao modelo de trabalho doméstico. Cresceu o número de mulheres que atuam como diaristas. Elas representavam 18,3% em 1995 e, 20 anos depois, 31,7%.

Apesar de um crescimento de 64% ao longo de 20 anos, a renda média das trabalhadoras domésticas ainda não atingiu o salário mínimo: R$ 733 contra R$ 788 (valor do mínimo em 2015).

Educação:

Entre 1995 e 2015, a população adulta branca com 12 ou mais anos de estudo saltou de 12,5% para 25,9%.

A população negra com essa escolaridade passou de 3,3% para 12%. Ou seja, só agora a escolaridade da população negra atinge o nível da branca de 20 anos atrás.

Em 2015, 10,2% das trabalhadoras negras eram analfabetas, enquanto entre a população de mulheres brancas esse número é de 4,9%.

Mercado de trabalho:

Segundo o Ipea, o índice de ocupação das mulheres entre 16 a 59 anos é de 55%, ou seja, quase metade das mulheres está fora do mercado de trabalho. Esse índice de ocupação entre os homens é de 78% em 2015.


Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.