back to top

Eduardo Cunha diz que tem aneurisma "igual ao de Marisa Letícia" e pede liberdade

Cara a cara com Sergio Moro, o ex-presidente da Câmara leu carta política e criticou as "punições seletivas", em tom professoral, invocando “a autoridade de quem foi responsável pelo impeachment para defender a legalidade”.

publicado

Durou cerca de três horas o depoimento do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diante do juiz Sergio Moro, em Curitiba.

No final, Cunha leu uma carta manuscrita em que elencou as razões pelas quais, segundo ele, sua prisão preventiva não tem mais justificativa e ele, portanto, deveria ser solto.

Num dos trechos da carta, Eduardo Cunha afirmou que sofre de um aneurisma cerebral, idêntico, segundo ele, ao da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, que morreu na semana passada, em São Paulo.

"Eu sofro do mesmo mal que acometeu a ex-primeira-dama Marisa Letícia, aneurisma cerebral. Aproveito até para prestar a minha solidariedade pelo passamento", disse Cunha, lendo.

Ele disse que o Complexo Médico-Penal, onde está preso desde outubro na região metropolitana de Curitiba, não tem a "menor condição de atendimento" e que é comum ouvir presos doentes gritando durante as madrugadas pedindo atenção de um médico.

A alegação da doença foi apenas um dos motivos apresentados por Cunha para pedir a libertação. Os outros foram: 1. fim da fase de instrução do processo penal a que responde; 2. inadequação de permanecer num estabelecimento penal junto com outros presos condenados por crimes violentos e; 3. a prisão preventiva não pode antecipar o cumprimento de uma eventual condenação.

O teor da carta lida por Eduardo Cunha foi fortemente político. Ele criticou o fato de empresas internacionais mencionadas por envolvimento no pagamento de propinas em troca de contratos com a Petrobras, como a Keppel Fels (de Cingapura) e a sul-coreana Samsung, não terem, segundo ele, sido penalizadas pelas práticas citadas pelos delatores.

Neste momento, Cunha adotou o tom de voz professoral do tempo em que era um dos políticos mais importantes do país para criticar o que, segundo ele, seriam "punições seletivas".

"Faço com a autoridade de quem foi responsável pelo impeachment da ex-presidente da República para defender a legalidade do nosso país", disse.

E emendou, alternando olhares para a carta que lia e na direção do juiz que o ouvia: "Não é a minha prisão que vai me impedir de expressar as minhas opiniões".

No final, Moro lembrou-o de que o então relator da Lava Jato, Teori Zavascki, manteve a prisão.

Cunha cortou o juiz, dizendo que Teori não o libertou por uma questão processual e não analisou o mérito de sua reclamação pela soltura.

Sem alterar o tom de voz, Moro atalhou o réu que o enfrentava: "Se ele [Teori] entendesse que deveria ter libertado o sr, ele teria lhe concedido a liberdade".

A defesa de Cunha afirma que não foi previamente informada da alegação do aneurisma que o ex-deputado diz sofrer.

Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.