• newsbr badge

Bolsonaro indica uso de Medida Provisória para se vingar do jornal Valor Econômico

"Eu espero que o Valor Econômico sobreviva à Medida Provisória de ontem", disse o presidente sobre ato que cancela obrigação de publicação de balanços de empresas em jornais. A plateia riu e ele voltou à carga: "Espero."

by ,
Marcos Corrêa/PR

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Jair Bolsonaro no congresso da Fenabrave

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje que assinou Medida Provisória desobrigando empresas de capital aberto a publicarem seus balanços em jornais impressos, uma das maiores fontes de receita publicitária de grandes veículos.

Embora a obrigação de publicar informações em papel seja alvo de críticas por ser um anacronismo na era da internet, o presidente fez questão de sugerir que sua decisão é uma vingança contra o jornal Valor Econômico, que pertence ao Grupo Globo.

"O que eu quero, o que eu preciso da imprensa, é verdade. Eu quero que a imprensa venda a verdade para o povo brasileiro e não faça política partidária como vem fazendo alguns órgãos de imprensa", disse. E emendou:

"Eu espero que o Valor Econômico sobreviva à Medida Provisória de ontem." A plateia riu. "Espero."

Bolsonaro disse que o Valor o entrevistou mais de uma vez durante a campanha eleitoral do ano passado.

"A segunda [vez], a manchete era 'Bolsonaro tem a política econômica idêntica à de [ex-presidente] Dilma Rousseff'. Pelo amor de Deus. Eu não sou o Dilmo de calça comprida", disse o presidente.

Fundado em 2000, o jornal tem seu foco em noticiário econômico e, baseado em São Paulo, é um dos principais destinos da publicação de balanços de grandes grupos empresariais do país. A difusão das informações contábeis das empresas concentra-se no primeiro semestre.

Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro no congresso da Fenabrave

À tarde, em viagem a Itapira (SP), Bolsonaro voltou ao assunto — e mais uma vez sugeriu que a Medida Provisória 892 é uma espécie de vingança contra a imprensa. Bolsonaro disse que durante a campanha eleitoral foi "esculachado" pela mídia.

"No dia de ontem eu retribuí parte daquilo que grande parte da mídia me atacou", disse. "Assinei uma Medida Provisória fazendo com que os empresários, que gastavam milhões de reais para publicar obrigatoriamente, por força de lei, seus balancetes nos jornais, agora podem fazer no Diário Oficial da União, a custo zero".


Bolsonaro não deu entrevista ao Valor em 2018, diz jornal

Por volta das 16h, o Valor Econômico de pronunciou sobre o caso, negando as afirmações de Bolsonaro.

"Ao contrário do que disse o presidente, ele não concedeu entrevista ao Valor durante a campanha eleitoral, embora tenha sido procurado diversas vezes. Em 2017, antes, portanto, da campanha, Bolsonaro deu duas entrevistas ao jornal, sem ter designado ainda um coordenador econômico, função que depois seria exercida pelo atual ministro da Economia, Paulo Guedes", informou o jornal.


"Na primeira delas foi questionado sobre economia. Em nenhum momento era feita a afirmação de que a política econômica de Bolsonaro era idêntica à de Dilma Rousseff. A matéria lembrava que durante o governo FHC Bolsonaro votou da mesma forma que o PT em temas econômicos, como a reforma da Previdência, por exemplo", continua a publicação.

"Posteriormente, em textos de opinião, articulistas traçaram paralelos entre Bolsonaro e Dilma em relação a episódios pontuais. Um deles foi a decisão de Bolsonaro de interferir na política de preços da Petrobras para desarmar uma possível greve dos caminhoneiros, já neste ano", concluiu o jornal na sua manifestação sobre as alegações de Bolsonaro.

O Valor Econômico não se manifestou sobre o conteúdo da Medida Provisória 892, que extinguiu a obrigação dos balanços de empresas serem publicados em jornais impressos.


Bolsonaro anulou lei que ele próprio sancionou

Na verdade, o presidente decidiu anular uma lei que ele próprio havia sancionado que mantinha a obrigação das empresas de publicar em atos oficiais.

Proposta por projeto do ex-senador Ronaldo Caiado (DEM-GP), a lei nº 13.818 foi sancionada por Bolsonaro em 24 de abril deste ano e previa que empresas com menos de 20 acionistas e faturamento de até 10 milhões deixariam de ser obrigadas até publicar informações financeiras em jornais.

Pelo dispositivo sancionado por Bolsonaro, o fim gradativo da obrigação de as empresas mandarem publicar seus balanços em jornais deveria ocorrer até 2022, mas a Medida Provisória 892 levantou a obrigação.

"A nossa medida provisória faz com quem o empresário possa publicar o seu balanço a custo zero em sites da CVM [Comissão de Valores Mobiliários] ou no Diário Oficial da União", discursou Bolsonaro, em congresso da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores),

"As grandes empresas gastavam com os jornais em média R$ 900 mil por ano, [agora] vão deixar de gastar isso aí", disse o presidente. E aproveitou para fustigar a imprensa, a quem ele costuma retratar como sua adversária. "Eu tenho certeza que a imprensa vai apoiar essa medida", tirando risos da plateia.


Carlos Bolsonaro não gostou de reportagem


Nesta terça, o Valor Econômico publicou uma reportagem em que afirma que o vereador do Rio Carlos Bolsonaro, o filho zero-dois, estava despachando no Palácio do Planalto e cobrando ministros a defenderem mais o governo de seu pai nas redes sociais. A reportagem pode ser lida aqui.

A Medida Provisória foi assinada ontem (antes da publicação da reportagem), mas não está claro se o ataque de Bolsonaro ao jornal nesta terça tem relação com o relato sobre o filho, que não tem cargo no governo, atuar como consultor informal no palácio.

Pouco depois do pai citar o jornal, o filho zero-dois foi ao Twitter para insultar o jornal por causa da reportagem.


@valoreconomico VTNC, seus mentirosos de araque!


Contact Mauro Albano at mauro.albano@buzzfeed.com.

Graciliano Rocha é Editor de Notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Contact Graciliano Rocha at graciliano.rocha@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here

Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.