Mortes sobem para 95 e cenário pode piorar com possível greve da Polícia Civil

    Governador Paulo Hartung (PMDB), que está de licença médica, chamou o movimento de "chantagem" e disse que não negocia com os PMs. Enquanto isso, a Polícia Civil fará uma assembleia para decidir se também para.

    Mais dez pessoas foram assassinadas na madrugada desta quarta (8), e o número de mortos durante a crise de segurança no Espírito Santo chegou a 95, diz o Sindicato da Polícia Civil.

    O governo do Estado se recusa a divulgar dados oficiais.

    BuzzFeed

    Departamento Médico Legal de Vitória.

    Funcionários do Departamento Médico Legal relataram que até mesmo procedimentos de praxe, como a espera obrigatória de 6 horas entre a morte e o início da necropsia, não estão sendo seguidos a fim de agilizar a liberação dos corpos. Durante o dia, parentes de vítimas lotaram a sala de espera.

    O impasse entre a Polícia Militar e o governo se mantém. Pela manhã, o governador licenciado, Paulo Hartung (PMDB), disse que os policiais fazem "chantagem" com a paralisação.

    O secretário de Segurança Pública, André Garcia, já declarou que não vai negociar uma reposição salarial enquanto a polícia não voltar a trabalhar. "Coloco essas ocorrências e mortes na conta do movimento", ele afirmou, ao lado de Hartung.

    Divulgação

    Da esq.: o secretário de Segurança Pública, André Garcia; o governador em exercício, César Colnago; e o governador licenciado, Paulo Hartung, durante entrevista coletiva na manhã desta quarta.

    No início da tarde, membros da Polícia Civil foram ao Quartel do Comando Geral da PM manifestar apoio à paralisação.

    Paulo Whitaker / Reuters

    Policiais civis em frente ao Quartel do Comando Geral da PM.

    Boa parte dos policiais civis não trabalhou nesta quarta-feira, e uma entidade de classe chegou a anunciar uma greve, que depois foi desmentida pelo Sindicato da Polícia Civil (Sindipol).

    O movimento foi motivado pela morte do investigador Mário Marcelo de Albuquerque, que levou um tiro na barriga nesta terça-feira (7) ao tentar impedir um assalto a moto.

    O corpo de Marcelinho, como era conhecido, foi enterrado hoje sob aplausos e chuva de pétalas, jogadas de um helicóptero.

    Nesta quinta (9), o Sindipol fará uma assembleia geral para decidir se os policiais civis também farão uma paralisação.

    Paulo Whitaker / Reuters

    Alexandre Aragão é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ele pelo email alexandre.aragao@buzzfeed.com

    Contact Alexandre Aragão at alexandre.aragao@buzzfeed.com.

    Got a confidential tip? Submit it here

    Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

    Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.