back to top

Conselheiro de Trump admitiu reunião com um espião russo em 2013

Carter Page confirmou ao BuzzFeed News que se encontrou com ao menos o agente de inteligência da Rússia, Victor Podobnyy, que atuava disfarçado na representação do país na ONU, em Nova York.

publicado
Carter Page
Photo Illustration BuzzFeed News; Page: Getty Images (2)

Carter Page

NOVA YORK — Um conselheiro da campanha eleitoral de Donald Trump se encontrou com um agente da inteligência russa e forneceu documentos a ele em janeiro de 2013, em Nova York.

O assessor, Carter Page, se encontrou com um agente russo chamado Victor Podobnyy, que dois anos depois foi acusado pelo governo dos Estados Unidos, junto com outros dois homens, de atuar como espião.

A acusação, registrada em janeiro de 2015, ocorreu após uma investigação federal revelar que espiões russos tentavam juntar informações sobre as sanções econômicas que o governo americano impôs à Rússia e sobre os esforços do país para desenvolver fontes alternativas de energia.

Page atua como consultor da área de energia.

Um documento judicial registrado pelo governo americano possui a transcrição de uma conversa grampeada em que Podobnyy fala com outro homem identificado como agente russo, Igor Sporyshev, sobre a tentativa de recrutar uma pessoa identificada como "Homem-1".

O BuzzFeed News confirmou que "Homem-1" é Craig Page.

A revelação do contato entre Page e a inteligência russa — que ocorreu mais de três anos antes de ele atuar na campanha eleitoral de Trump — é a mais bem documentada ligação entre a inteligência russa e alguém na órbita do presidente.

Esta revelação ocorre no momento em que uma investigação federal apura se assessores de Trump — incluíndo Page — tiveram qualquer contato inapropriado com agentes de inteligência russos durante a eleição. Page ofereceu ajuda aos investigadores do Senado na apuração.

Carter Page, então conselheiro da campanha de Trump, dá palestra na cerimônia de graduação da New Economic School, em Moscou, em julho do ano passado.
Pavel Golovkin / AP

Carter Page, então conselheiro da campanha de Trump, dá palestra na cerimônia de graduação da New Economic School, em Moscou, em julho do ano passado.

Não se sabe ao certo qual era o papel de Page na campanha de Trump. Ele ganhou proeminência aparentemente do nada, anunciado pelo então candidato Trump como um de seus conselheiros de política internacional.

No entanto, Page foi rapidamente alijado pela equipe de Trump após notícias de que investigadores federais apuravam suas ligações com a Rússia. O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, declarou no mês passado que a campanha enviou notificações judiciais a Page, requisitando que ele parasse de se associar à campanha de Trump.

Um funcionário da inteligência americana disse, em anonimato, que investigadores pretendem questionar Page, mas que ele não é considerado uma prioridade. "Há muita gente mais relevante", afirmou.

O documento judicial inclui a transcrição de uma conversa reveladora entre Podobnyy e Sporyshev sobre recrutar Page para atuar com a inteligência russa.

"[Homem-1] escreveu para mim dizendo que está arrependido, que esteve em Moscou mas esqueceu de checar as mensagens, mas ele quer se encontrar quando voltar. Eu acho que ele é um idiota que esqueceu quem eu sou (...). Ele ficou obcecado pela [estatal russa de petróleo] Gazprom, imaginando que se eles tiverem um projeto, ele pode crescer", disse Podobnyy.

"Eu também prometi bastante coisa pra ele (...). Esse é um método de inteligência para trapacear, de que outra maneira trabalhar com estrangeiros? Você promete um favor em troca de um favor. Você consegue os documentos dele e depois manda ele se fuder."

Page confirmou ao BuzzFeed News, na segunda-feira (3), que ele é o "Homem-1" identificado no documento judicial, e disse ter tido contato com Podobnyy, que à época trabalhava no escritório da Rússia na Organização das Nações Unidas em Nova York, sob proteção diplomática, apesar de na verdade ser um espião.

Questionado sobre detalhes de seu contato com Podobnyy, Page disse que a interação não incluiu informações sensíveis.

Segundo a ação na Justiça, Page encontrou-se com Podobnyy em janeiro de 2013 numa conferência sobre energia, em Nova York. Entre janeiro e junho daquele ano, Page se encontrou, trocou emails e "forneceu documentos [a Podobnyy] sobre os negócios de energia".

Evgeny Buryakov, left, during sentencing on espionage charges last May.
Elizabeth Williams / AP

Evgeny Buryakov, left, during sentencing on espionage charges last May.

Após investigadores federais apurarem a ação de recrutamento da espionagem russa — com foco em Podobnyy, Sporyshev e um terceiro homem, Evgeny Buryakov —, Page foi entrevistado pelo agente de contrainteligência do FBI Gregory Monaghan, acompanhado de outro agente do FBI que não foi identificado, de acordo com documentos judiciais.

Podobnyy e Sporyshev foram acusados in absentia — atuando disfarçados de diplomatas, eles tinham imunidade diplomática e foram retirados do país.

Buryakov, cujo emprego-disfarce era como funcionário da estatal russa Vnesheconombank em Nova York, declarou-se culpado da acusação de conspiração para atuar como agente estrangeiro. Ele foi condenado a 30 meses na prisão, pena que durou até o último sábado (1º), quando ele foi liberado de uma prisão em Elkton (Ohio) e retornou a Moscou.

Em entrevista ao BuzzFeed News, Page sugeriu que a ação judicial foi redigida de tal maneira que era óbvio que ele era o homem ligado à Gazprom sobre quem Podobnyy falava.

"Nesta cidade? Dá um tempo", disse Page. "É óbvio demais."

Durante uma conversa anterior, questionado se ele havia tido qualquer contato com agentes de inteligência da Rússia, Page disse ao BuzzFeed News por mensagem no Telegram: "EU SOU MUITO CUIDADOSO QUANDO DIGO 'NUNCA' MAS MESMO QUE EU TENHA TIDO 'CONTATO' INADVERTIDO COMO CUMPRIMENTAR RAPIDAMENTE A ALGUÉM QUE POSSA SER CLASSIFICADO DESSA MANEIRA NADA QUE EU TENHA DITO A ESSA PESSOA OU A QUALQUER OUTRA QUEBROU QUALQUER LEI".

Um dossiê produzido pelo ex-agente do MI-6 (agência de inteligência britânica) Christopher Steele — cujo conteúdo foi informado ao então presidente Barack Obama, ao então presidente-eleito Trump e a líderes do Congresso em janeiro — cita um agente do Kremlin como fonte de que a Rússia construiu relações com certas pessoas nos Estados Unidos, incluindo Page, e financiou indiretamente algumas das visitas dessas pessoas à Rússia.

Page negou ter desempenhado qualquer papel na tentativa russa de desestabilizar a eleição dos Estados Unidos, em conversas com o BuzzFeed News.

"Eu não fiz nada de errado... Inclusive me encontrar com qualquer das pessoas a quem sou falsamente acusado naquele dossiê falso", Page afirmou ao BuzzFeed News em uma mensagem no mês passado.

Leia a íntegra dos documentos judiciais (em inglês):

Este post foi traduzido do inglês.

Ali Watkins is a national security correspondent for BuzzFeed News and is based in Washington, DC.

Contact Ali Watkins at ali.watkins@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.