back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

"Recado foi para a favela, não para esquerda branca e macho do Rio", diz líder comunitário da Maré

"Não se deram nem ao trabalho de fingir um crime comum. A ideia foi falar para o favelado: se cuida, vocês não têm espaço, não saiam, não gritem, não denunciem. Concordem!"

publicado

Amigo de Marielle Franco há 20 anos, o diretor do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré, Lorenço da Silva, ainda estava muito abalado com o assassinato da vereadora carioca do PSOL quando falou por telefone com o BuzzFeed News.

Repetindo que, num segundo, acabaram com um grande projeto de vida e político de sua comunidade, fez um desabafo sobre o que pode ter motivado a execução.

"O recado foi para favela, não foi para esquerda branca e macho do Rio. Não se deram nem ao trabalho de fingir um crime comum. A ideia foi falar para o favelado: se cuida, vocês não têm espaço, não saiam, não gritem, não denunciem. Concordem!"

Para justificar o ponto de vista, lembrou que o deputado estadual Marcelo Freixo, também do PSOL, já fez muitas denúncias no Rio, seja contra policiais ou políticos, recebeu ameaças "mas nunca foi alvo de tiros".

O líder comunitário ainda descartou que a morte possa estar ligada à intervenção no Rio de Janeiro ou a milícias, e insistiu que, na opinião dele, o crime foi uma reação de setores armados do Estado à ascensão de uma favelada que podia levar a voz do morro — e denúncias — para espaços nobres de debate.

"A gente pensava que ela estava protegida e, de repente, matam ela. Ela morreu por ser esse canal [capaz de externar denúncias das favelas]", disse.

Lembrando do período em que fez faculdade com Marielle, Silva se emocionou ao dizer que foi um dos primeiros a lhe dar a ideia de concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores.

"Meu sentimento de culpa é maior ainda, pois eu botei na cabeça dela essa coisa de ser vereadora", disse.

Sem a parlamentar, Silva diz que a Maré fica órfã. Segundo ele, a comunidade recorria a ela quando casos de violência ou abusos aconteciam na favela.

"E agora, ligaremos para quem? Apostamos nela, conseguimos, e eles acabam com nosso sonho e nossos projetos assim", lamentou.

Segundo Silva, a morte de Marielle também deve servir para se mudar o debate público sobre casos de violência em favelas do Rio.

"Os estudiosos que estudam a favela, políticos de esquerda, veem a favela como alguém a ser tutelado. A esquerda não vê a favela como igual, e a Marielle rompia com isso, furava o bloqueio", afirmou.

Junto de colegas ele está organizando um evento no sábado de manhã. A ideia é realizar uma grande passeata na avenida Brasil, junto ao complexo da Maré.

Antes de desligar o telefone. Silva fez um último desabafo.

"Não saiam da favela, esse foi o recado. Vocês são um lixo. É grande a sensação de impotência. De que é carne barata."

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Got a confidential tip? Submit it here.