go to content

Os venezuelanos estão abandonando seus cachorros por conta da crise

Carlos Garcia Rawlins fotografou animais deixados em um abrigo de Los Teques.

publicado

Diversas pessoas abandonaram seus animais de estimação na Venezuela devido à crise econômica que assola o país. Elas dizem que não têm mais condições financeiras para sustentar os bichos.

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

A inflação no país já chegou a três dígitos e faltam produtos básicos nas prateleiras dos supermercados. Muitos venezuelanos comuns não conseguem mais alimentar seus animais.

O salário mínimo no país é de US$ 23 (R$ 75) por mês. Um pacote de 20 kg de ração de cachorro custa US$ 50 (R$ 164) no mercado negro.

A fundadora do local, Maria Arteaga, 53, disse aos repórteres que houve um aumento notável no número de cães do abrigo nos últimos meses. Nove poddles foram abandonados ali só nas duas últimas semanas.

"A crise bateu com força", disse. "As pessoas estão abandonando seus cães porque não podem arcar com a comida e porque estão deixando o país".

Durante a visita ao abrigo, Rawlings tirou retratos dos animais, enquanto uma das funcionárias do centro, Maria Silva, contava as histórias de cada um deles.

Celo (Cio)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Celo recebeu esse nome porque foi deixada do lado de fora do abrigo enquanto estava no meio de seu período fértil. "Quando os voluntários chegaram, o lugar estava uma bagunça", disse Silva. "Todos os machos, embora fossem castrados, estavam enlouquecidos."

Enfermera (Enfermeira)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ela sofreu um derrame e, embora nunca tenha se recuperado completamente, é uma ótima cadela de guarda. Ela vive do lado de fora do abrigo e, quando alguém se aproxima, ela começa a latir."

Gusaniao (Verminoso)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ele estava cheio de vermes, literalmente. Mas, depois de uma semana de medicação e cuidados, ele finalmente começou a comer bem e está se recuperando."

La China

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Amorosa, mas muito medrosa, La China não gosta[va] de sair do espaço onde dormia, mesmo para comer." Ela morreu uma semana depois que a foto foi tirada.

El Mocho (Mutilado)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

El Mocho ganhou este nome por ter perdido a pata em uma acidente na estrada.

"Ele morava em um canil dentro do abrigo, mas, alguns meses depois, escapou e agora gosta de viver na rua em frente ao abrigo. Ele tem um temperamento muito ruim – ele sempre corre atrás de bicicletas, late para os carros e morde as pessoas que andam perto dele."

Pastora

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ela é muito calma e nunca briga com ninguém, mas ela tem medo das pessoas. Quando alguém chega perto dela, ela imediatamente reage como se fossem bater nela."

Alvaro

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ele foi trazido para o abrigo por um homem que o viu ser atropelado. Ele estava em péssimas condições e quase morreu, mas, em vez de sacrificá-lo, decidiram dar a ele alguns dias para ver se ele se recuperava."

Ojitos (Olhos)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Ojitos ganhou este nome por causa de seus olhos azuis.

"Ela chegou no abrigo dois anos atrás e, desde o primeiro momento, sempre foi muito amorosa. Ela nunca briga com os outros. Ela foi oferecida para adoção em várias ocasiões, mas ninguém quis ficar com ela."

Bolibomba

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ela chegou no abrigo dois anos atrás e é muito brincalhona. Ela adora água. Sempre que pode, ela entra em um balde ou bacia de água. Se morasse em uma casa com piscina, ela nunca sairia de lá."

Carita

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ela chegou no abrigo quase morta e completamente coberta de sarna, ao ponto de o rosto sangrar. Carita é muito agressiva, ataca qualquer cachorro que estiver por perto e, durante as brigas, pode até matar outros cães. Então agora ela tem que viver trancada no canil."

Pichurra

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Pichurra é uma cadela mais velha e moradora de longa data do abrigo. "Ela é extremamente calma, nunca briga com ninguém nem late. Na verdade, na hora de comer, os voluntários têm que ficar alerta porque, se os outros cães roubarem a comida dela, ela não reclama."

Cucurucha

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Ela nunca foi adotada porque é muito desconfiada. Quando alguém chega perto dela, ela começa a choramingar e reage imediatamente. Ela nunca briga com ninguém, mas gosta de roubar comida dos outros cachorros."

Mama

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Mama foi deixada do lado de fora do abrigo com seus filhotinhos. "Todos eles foram adotados, mas ninguém quis ficar com ela. A Mama é velha e quase cega, então ela não sai do lugar onde dorme e não divide o lugar com nenhum outro cão."

Paton (Patão)

Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Todo mundo que vem ao abrigo se apaixona por ele, porque ele é extremamente amoroso, sempre feliz e brincalhão. Ele quer estar sempre perto das pessoas."

Francis Whittaker is a homepage editor for BuzzFeed News and is based in London.

Contact Francis Whittaker at francis.whittaker@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.