A República vai abaixo: o que sabemos até aqui da operação que pede a prisão de Aécio e de aliado de Temer

Presidente do PSDB, Aécio já foi afastado do Senado por ordem do Supremo e sua irmã foi presa.

publicado

Esse texto foi corrigido às 12h47: diferentemente das primeiras informações que foram divulgadas, a Procuradoria pediu a prisão de Aécio Neves (PSDB) e o ministro Edson Facchin negou. O pedido de prisão, portanto, não será julgado pelo plenário do STF.

Menos de 12 horas depois de O Globo revelar que o empresário Joesley Batista, dono da Friboi, gravou o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves em conversas escandalosas, a Polícia Federal foi às ruas para prender parte dos envolvidos no caso.

Em resumo, Temer foi flagrado tratando do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, ambos presos pela Lava Jato. E sugeriu ainda o deputado Rocha Loures (PMDB-PR) para receber dinheiro. A PF filmou a entrega. Aécio, por sua vez, pede R$ 2 milhões e fala em "matar" um possível delator.

Nesta quinta-feira (18), a Polícia Federal cumpriu diversos mandados de busca e apreensão, além de prisões. O pedido partiu da Procuradoria-Geral da República e foram autorizados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

O que sabemos até aqui:

Aécio afastado e com risco de prisão

O senador já foi afastado do cargo, por ordem do Supremo, em razão das graves acusações. A PGR pediu, ainda, sua prisão. Mas Edson Fachin negou. O pedido pode ir a plenário ou para a segunda turma do Supremo, caso a PGR recorra.

Sua irmã, Andrea Neves, já está presa pela PF. Assim como seu primo, Fred Medeiros. Ele é citado como o destinatário do dinheiro discutido por Aécio. Ele é, também, o protagonista da seguinte frase de Aécio:

“Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu".

A Folha informa que Aécio deve admitir que pediu o dinheiro. Nessa versão, ele diria que o pedido foi fruto de uma "relação privada" entre o senador e o empresário.

Rocha Loures, outro afastado

Desconhecido por muitos, Rodrigo Rocha Loures é deputado pelo PMDB do Paraná e figura próxima de Temer, sobretudo nos bastidores. Ele foi filmado recebendo dinheiro.

Por ordem do Supremo, já foi afastado do cargo e também deve ser alvo do plenário do tribunal, numa possível prisão.

Ele está em Nova York. Havia participado do mesmo evento que o prefeito de São Paulo, João Dória.

A irmã de Lúcio Funaro, Roberta, foi presa. Ela é acusada de receber dinheiro para garantir o silêncio do irmão, preso pela Lava Jato como operador do PMDB.

Há ainda diversas ordens de busca e apreensão, em endereços dos citados. Um dos alvos é um imóvel do coronel João Batista Lima Filho, amigo de Temer.

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Severino Motta at severino.motta@BuzzFeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.