• newsbr badge

Teve até líder do governo dizendo que pobres vão pagar mais na reforma

Trapalhadas da base atrasaram votação da reforma na Previdência em sua etapa mais fácil; após aprovação na CCJ, centrão mostra força e ditará rumos no Congresso.

Sergio Lima / AFP / Getty Images

Após atrasos e adiamentos, o governo conseguiu aprovar na noite desta terça-feira o parecer favorável à reforma da previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

O que era para ser um passeio na comissão em que o governo tem ampla maioria teve diversos momentos de circo e pelo menos três semanas de atraso considerando o calendário inicial que previa a validação do texto no início do mês.

A reforma só foi mesmo aprovada ontem após um acordo com o centrão, um grupo informal que reúne partidos como PR, PP, DEM, PSD, Solidariedade e PRB, entre outras siglas de pequeno e médio porte.

Apesar de a comissão de Constituição e Justiça ter de simplesmente de dizer se o texto é ou não constitucional e pode tramitar, após pressão do centrão o relator retirou alguns pontos da proposta, como o que tratava do recolhimento mensal e da multa de 40% do (FGTS) para aposentados que continuam trabalhando.

O movimento mostrou que quem determina o que anda ou não na Câmara é o bloco informal, uma vez que nem a oposição e nem a base governista possuem votos suficientes para aprovar ou rejeitar uma matéria.

Nas últimas semanas o centrão deixou seu claro seu poder de fogo ao fazer corpo mole para a votação da reforma e ao atacar líderes da base do governo, em especial da deputada Joice Hasselmann.

Líder do governo, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) se exaltou ao defender rapidez na votação da reforma da Previdência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. A oposição não achou ruim.

Ontem, ela chegou a ser aplaudida por integrantes da oposição após ela resolver discursar e criar ainda mais tumulto numa comissão em que tudo o que interessava para a base governista era a celeridade.

Relator da reforma da previdência no governo Temer, o deputado Arthur Maia (DEM-BA) chegou a dizer que seu partido iria se retirar da comissão caso Joice seguisse obstruindo os trabalhos no colegiado.

Atitude semelhante foi vista em outras sessões da CCJ durante a discussão da previdência, quando o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) fez movimento idêntico ao de Maia.

Em meio à inabilidade dos líderes novatos, mesmo o experiente Darcísio Perondi (MDB-RS), que foi da tropa de choque de Temer e é hoje vice-líder do governo na Câmara, foi alvo de chacota ao tentar, como ele disse, acabar com a história de que a reforma atingiria os mais pobres.

Ao discursar, acabou dizendo que, em números gerais, era “óbvio” que os mais pobres arcariam com a maior fatia do R$ 1 trilhão imaginado de economia para o governo.

Antes de concluir o raciocínio, recebeu uma salva de palmas da oposição. Veja aqui:

O deputado Darcísio Perondi (MDB-RS) se embananou ao defender a reforma da Previdência e acabou admitindo que os pobres vão pagar mais. A oposição o aplaudiu.

Encerrada a fase na CCJ, a reforma vai agora para uma comissão especial que será criada pelo presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) na semana que vem.

Se a comissão era considerada a mais fácil das etapas para a aprovação do texto, o mesmo não pode ser dito da nova fase, em que cada ponto da proposta será debatido.

Sem uma base organizada e com traquejo para enfrentar a oposição, o governo terá dificuldades nesta etapa da tramitação e verá sua reforma ser desidratada antes mesmo de chegar em plenário.

Além de questões como a idade mínima para certas categorias, como policiais, professores e trabalhadores do campo, é previsto um embate sobre o privilégio concedido aos militares das Forças Armadas, que ficarão de fora do regime geral da previdência e poderão se aposentar como salário integral.

Para fazer o texto andar, o governo terá que negociar de forma incisiva com o centrão, que nunca se moveu sem o combustível de cargos e emendas.

No atual cenário pelo menos cinco líderes de partidos ouvidos pelo BuzzFeed News dizem que a reforma será aprovada pela Câmara ainda no primeiro semestre deste ano.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Severino Motta at severino.motta@BuzzFeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here

Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.