Taylor Swift está se defendendo e nós devemos apoiá-la.

    #IStandWithTaylor

    Na quinta-feira, Taylor Swift emitiu uma nota para seus fãs nas redes sociais (leia tradução abaixo) explicando que Scooter Braun e Scott Borchetta estão mantendo sua obra musical como refém até ela atender a certas exigências.

    Você pode ler a tradução da íntegra do comunicado de Taylor no site TSBR.

    Taylor foi informada por sua antiga dupla de produtores/empresários que não tem permissão para tocar suas músicas no American Music Awards, onde será homenageada, e nem em um futuro documentário da Netflix que narra sua vida.

    Agora vou explicar por que todos nós devemos apoiar Taylor:

    1. Em primeiro lugar, segundo informações, eles devem dinheiro a ela. Muito dinheiro. Sua publicitária, Tree Paine, emitiu um comunicado dizendo que um auditor profissional constatou que a gravadora Big Machine deve a Taylor quase US$ 8 milhões em royalties não pagos

    "Declaração sobre a Big Machine:

    A verdade é que em 28 de outubro de 2019 às 5:15 PM o Vice-Presidente, Gerente Legal e de Negócios do The Big Machine Label Group enviou para Taylor o seguinte comunicado:

    'Por favor esteja ciente de que BMLG não vai concordar com a emissão de licenças para gravações anteriores em conexão com os projetos do documentário da Netflix e com o evento Double Eleven da Alibaba.''

    Para evitar uma discussão sobre direitos, Taylor cantou três musicas de seu novo álbum, 'Lover', no evento Double Eleven, uma vez que estava claro que a Big Machine consideraria a emissão televisiva de outras canções como uma violação de seu acordo. Além do mais, ontem, Scott Borchetta, CEO e fundador do Big Machine Label Group negou o pedido tanto para o documentário da Netflix quanto para o American Music Awards. Por favor note que em seu comunicado a Big Machine não nega o que Taylor disse em seu post.

    Por fim, a Big Machine está tentando fazer parecer que é sobre dinheiro ao dizer que ela deve pagamentos ao estúdio, mas uma auditoria independente determinou que a Big Machine deve a Taylor 7,9 milhões de dólares em pagamentos de royalties."

    2. Taylor Swift, desde o início dos serviços de streaming de música, defendeu os direitos e remunerações dos artistas. Ela enfrentou as principais plataformas de streaming, como Apple e Spotify, e agora está enfrentando homens poderosos que estão tentando controlá-la.

    3. Taylor sempre usou sua plataforma, sua base de fãs, seus shows e seu alcance para promover novos artistas e músicos.

    4. Quer fosse levando-os ao palco, adicionando suas músicas a uma playlist, fazendo cover de suas músicas, ou mencionando-os em uma entrevista, Taylor Swift ajudou muito as carreiras de outros artistas.

    Veja este vídeo no YouTube

    youtube.com

    5. Ela também começou a usar sua plataforma para falar sobre problemas e criar mudanças. Este ano, ela criou a petição da Lei da Igualdade, que defendia os direitos LGBTQ.

    youtube.com

    Seu vídeo "You Need To Calm Down" promoveu a petição da Lei da Igualdade de Taylor, que defende a igualdade e denuncia todas as coisas anti-LGBTI+. A petição — que condena a atual administração dos EUA — obteve centenas de milhares de assinaturas.

    6. Não há como negar o bem que Taylor fez para o mundo. Ela doou para organizações que apoiam a comunidade LGBTI+:

    buzzfeed.com

    "Taylor Swift doou U$113,000 para uma organização a favor de direitos LGBTI+ no Tennessee."

    7. E ela ajudou a pagar contas médicas, faculdades de fãs e muito mais.

    8. Essa situação com Scooter/Scott nunca foi uma questão de Taylor ganhar mais dinheiro. Trata-se do comportamento abusivo e controlador dos homens na indústria da música. Taylor merece ter controle total de sua obra e acesso à música que escreveu em seus momentos mais sombrios e vulneráveis.

    9. A ativista e deputada americana Alexandria Ocasio-Cortez salientou que esta situação é indicativa de "práticas predatórias" por grupos de capital privado que "prejudicam milhões de americanos".

    Private equity groups’ predatory practices actively hurt millions of Americans. Their leveraged buyouts have destroyed the lives of retail workers across the country, scrapping 1+ million jobs. Now they’re holding @taylorswift13’s own music hostage. They need to be reigned in. https://t.co/mSVeH718Hn

    "As práticas predatórias de grupos de capital privado prejudicam milhões de norte-americanos. Suas políticas de aquisições destruíram a vida de trabalhadores do comércio em todo o EUA, encerrando mais de um milhão de empregos. Agora eles estão fazendo de Taylor Swift uma refém. Eles precisam parar."

    10. Agora, vamos entrar no aspecto da sensatez. Como eu disse, Taylor escreveu essas músicas. Ela escreveu sobre sofrimento, amor, família, amigos, solidão e muito mais. Ela escreveu em quartos quando era criança, em ônibus durante turnês e em sua cama de hotel no meio da noite. Essas músicas pertencem a ela e não podem ser roubadas.

    11. Todo mundo deveria apoiar Taylor, porque o público nem sempre esteve ao seu lado. Quando ela foi a garota-propaganda do slut-shaming e o bode expiatório de todos os problemas da indústria da música, quase ninguém a defendeu.

    NBC

    12. Quando Kanye West a gravou ilegalmente, retratou seu corpo nu em um videoclipe sem o seu consentimento e depois levou o crédito por sua fama, quase ninguém a defendeu.

    13. Quando Taylor estava na casa dos 20 anos e namorou algumas pessoas, as pessoas desqualificaram sua arte, a rotularam com coisas sexistas e depreciativas, e ela quase não teve nenhum apoio (além de seus fãs).

    ABC

    "Quando um homem escreve sobre suas experiências, ele é corajoso. Quando uma mulher escreve sobre suas experiências ela está exagerando, é emocional demais ou deve ser louca."

    Eu apoio a Taylor, e você?

    Este post foi traduzido do inglês.

    14.

    Utilizamos cookies, próprios e de terceiros, que o reconhecem e identificam como um usuário único, para garantir a melhor experiência de navegação, personalizar conteúdo e anúncios, e melhorar o desempenho do nosso site e serviços. Esses Cookies nos permitem coletar alguns dados pessoais sobre você, como sua ID exclusiva atribuída ao seu dispositivo, endereço de IP, tipo de dispositivo e navegador, conteúdos visualizados ou outras ações realizadas usando nossos serviços, país e idioma selecionados, entre outros. Para saber mais sobre nossa política de cookies, acesse link.

    Caso não concorde com o uso cookies dessa forma, você deverá ajustar as configurações de seu navegador ou deixar de acessar o nosso site e serviços. Ao continuar com a navegação em nosso site, você aceita o uso de cookies.