back to top

Um psicólogo fez um ensaio fotográfico tocante para ajudar a falar sobre doenças mentais e suicídio

"Quis mostrar visualmente essa angústia para quem nunca a sofreu", disse Douglas Amorim.

publicado

AVISO: este post contém imagens sensíveis sobre suicídio.

O ensaio fotográfico “Intimidade Depressiva” foi a forma que o psicólogo Douglas Amorim, de Cuiabá (MT), encontrou para chamar a atenção para o tema das doenças mentais e do suicídio.

Leomax Lester

Cada foto do ensaio representa uma manifestação emocional. Esta acima é sobre o sentimento de embotamento emocional ou afetivo, que reflete aquela fase da depressão em que a pessoa se sente incapaz de fazer as coisas mais triviais, como levantar da cama e escovar os dentes.

Publicidade

O objetivo foi criar empatia e informar sobre doenças mentais que podem levar ao suicídio. "Quis fazer as pessoas que sofrem se sentirem traduzidas e impelidas a buscar ajuda", explicou Douglas em entrevista ao BuzzFeed Brasil.

Douglas conta que a maior queixa de seus pacientes é que amigos e familiares não entendem o que eles estão passando. “Quis mostrar visualmente essa angústia para quem nunca a sofreu”, explicou.

Leomax Lester

Esta foto representa a sensação de ter virado um objeto e a perda de significado de si próprio.

A desinformação sobre a doença pode ser fatal. Sem saber que existe ajuda, as pessoas que sofrem com o problema se sentem sem saída.

Douglas conta que também já sofreu de depressão e foi o modelo das próprias fotos.

Leomax Lester

Esta foto representa a Síndrome do Pânico, uma sensação física de perigo mortal iminente.

"As pessoas não sabem que tem tratamento, entendem como fraqueza. Os números só aumentam e isso não é tratado como caso de saúde pública".

Leomax Lester

Esta foto representa fobia social e timidez patológica, outro aspecto comum da depressão, entre outras doenças.

Publicidade

O suicídio é a segunda causa de mortes de jovens no mundo, perdendo apenas para mortes em acidentes de trânsito, segundo uma série de estudos de 2012 publicados na "Lancet", um periódico médico.

A inspiração para a estética das fotos veio do trabalho da fotógrafa americana Brooke Shaden e o ensaio foi realizado com o fotógrafo Leomax Lester.

A ideia de fazer o ensaio veio de uma vivência também na arte. "Sou psicólogo clínico há sete anos e sempre fiz teatro. Queria me manifestar de forma artística sobre a importância de cuidar da saúde mental", disse.

Leomax Lester

Esta foto traduz a despersonificação, definida por Douglas como um "transformar-se em 'outra pessoa'", de forma que qualquer coisa pareça insuportável, intransponível".

Douglas também usa seu Instagram para tentar aproximar a psicologia das pessoas. "Tento desmistificar a ideia de que psicólogos só são necessários em casos extremos. A psicologia pode ajudar as pessoas em tudo. O ciumento, o inseguro, o ríspido, o que posterga, também podem se beneficiar", diz.

Leomax Lester

Esta foto representa a sensação de ser sempre perseguido pela condição, não importando onde se vá. "Os morcegos representam a doença mental", diz.

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss