back to top

Cortesia de Daniel Avila

publicado

“…não consigo acreditar quão gostoso está isso aqui! Sério, é melhor do que ver TV de pijama”. Pode me chamar de cético, mas enquanto eu assistia horas e horas daqueles programas culinários da TV a cabo eu sempre me perguntava, Será que aquilo está tão gostoso quanto está bonito? Bom, depois desse dia que eu passei, posso afirmar que pelo menos a do Jamie Oliver sim. Que comida. Que homem. Que dia.

Jamie Oliver, caso você não saiba, é um chef de cozinha britânico que possui uma série de livros e programas de TV. Sua carreira começou com o programa The Naked Chef lá em 1999 e desde então ele só acumulou feitos que tem uma cara deliciosa. Ele já fez livros sobre culinária italiana, receitas que você pode fazer em 15 minutos, 30 minutos e foi até condecorado com a mais alta honra da família real inglesa.

Sua lista de programas e aparições na TV tem pelos menos quatro scrolladas, e seu último projeto é seu canal no YouTube onde ele faz coisas como isso:

Isso:

E muito mais disso...

Mas não é só de receitas práticas e pratos bem instagramáveis que vive Jamie Oliver. Além de uma lista gigante de outras iniciativas, em 2005 começou um projeto na Inglaterra chamado FeedMeBetter, questionando que tipo de comida estava sendo servida nas escolas inglesas. Não era um roubo de merenda, mas as crianças lá estavam comendo bem mal. Esse foi apenas o começo de seu trabalho ativista. Desde então, ele atacou grandes corporações, ajudou várias escolas a oferecerem um cardápio mais saudável e até ganhou um prêmio no TED por sua palestra sobre alimentação. Sua última campanha, FoodRevolutionDay possui questionamentos e objetivos bem relevantes.

Aí você pode pensar, Poxa, então o que ele está fazendo aqui no Brasil se relacionando com uma grande corporação? Nas palavras do Jamie, "Para promover grandes mudanças são necessárias grandes empresas. Três anos atrás eu não toparia essa parceria, mas se você não fizer nada. Nada acontece". Para se adequar aos padrões Jamie Oliver, a Sadia já está investindo para mudar todo seu processo de produção. E foi por causa desse acordo, que eu acabei conhecendo o cara.

Jamie veio para o Brasil anunciar sua parceria e gravar alguns programas culinários, daqueles que eu sempre fui desconfiado se tinham um bom resultado mesmo. Eu nunca acreditei nesse tipo de programa por uma simples razão; sempre que eu tentava em casa ficava uma merda. Eu sujava a cozinha inteira, demorava 50 minutos e não ficava bonito. E eu gosto de cozinhar. Até fiz seis meses de faculdade de gastronomia e consigo me virar bem, mas nunca meus pratos ficam tão bonitos quanto os da TV. Então eu precisava saber... O problema sou eu?

Resumindo: sim, o problema sou eu. Sou sempre eu. Depois de ver o cara em ação eu percebi que a falta de temperrô, textura, cor e sabor foi tudo erro meu.

Apesar de estar com o cara o dia inteiro, eu tive pouco tempo para ficar conversando com ele. Mas foi o suficiente para falarmos um bom tempo sobre abraços. Foi assim que nossa amizade começou. Ele me disse que seu abraço é mais gostoso que seu sexo. E pensa só: o cara tem cinco filhos, esse abraço deve ser bom demais.

Realmente, é um belo abraço.

Quase engravidei, mas precisava continuar a entrevista. Conversamos também sobre algumas outras coisas.

Jamie, qual seu prato favorito para assistir suas séries em casa?

Jamie Oliver: Eu não assisto muita TV, mas se eu vou assistir um filminho com minha mulher e meus filhos, um penne arrabiata com pimentas frescas cai muito bem. É minha comfort food.

E para acompanhar uma cerveja bem gelada?

JO: Um delicioso hamburger feito em casa, usando carne de primeira e ingredientes frescos, com uma cerveja, é imbatível.

Quando você está encarando uma ressaca brava?

JO: Depende do nível da ressaca. As minhas estão piorando agora que eu já passei dos 40. Se é uma ressaquinha leve, faça um Huevos Rancheros de café da manhã. É super fácil de fazer e sempre resolve. Se for uma ressaca bem forte, você vai precisar de um English Breakfast completo com todos os acompanhamentos.

Para aliviar aquela lariquinha da tarde?

JO: Uma quesadilla com certeza. Ou algumas nozes se eu estiver na correria.

E enquanto você ouve Marvin Gaye (se é que você me entende).

JO: Primeiramente, sim. Eu entendo o que você quis dizer. Em segundo lugar, se você tem tempo pra comer nessas horas, você está fazendo algo errado.

O que você acha de colocar purê de batata no cachorro quente? Uma prática comum em São Paulo.

JO: Hummm… Bom, eu nunca pensei em fazer isso. Mas eu amo cachorro quente e amo purê de batata, então porque não? Lembra um pouco um prato inglês chamado Bangers and Mash, mas em um pão.

O que você acha de colocar Ketchup na pizza? Uma prática comum no Rio de Janeiro.

JO: Eu tenho fortes opiniões que isso não deveria acontecer. Principalmente se a pizza acabou de sair do forno com um molho de tomate maravilhoso.

E cara, você comeu brigadeiro de novo depois daquele vídeo?

Claro que eu não podia deixar de perguntar do nosso querido brigadeiro. Até a nossa editora aqui no BuzzFeed já escreveu uma carta aberta em repúdio a seus comentários sobre brigadeiro. Ele então me explicou a história.

Ele disse que no dia da gravação eles tiveram que refazer a mesma tomada várias vezes (quem trabalha com produção sabe que é assim mesmo: não ficou bom, refaz. Não ficou bom de novo, refaz. Iii o cachorro passou ali atrás e cagou no tapete, refaz de novo). Deveria ser a sexta vez que ele estava ali gravando a mesma cena e comendo brigadeiro. Isso tudo 8h da manhã. Eu amo brigadeiro, mas se eu comer 20 na sequência sem nem tomar café da manhã pode ser que eu também não fique muito feliz. Até a jornalista que estava com ele no dia postou a explicação em seu Facebook.

Mas claro, cético que sou, queria uma prova concreta disso. Ofereci então a Jamie um brigadeiro para que eles fizessem as pazes de vez.

E isso aconteceu...

Eu diria que eles não só fizeram as pazes, como meu dedo acabou de vez essa polêmica. Foi um momento tão lindo que fizemos até um faceswap depois para comemorar e eternizar essa amizade.

Ele então tinha que voltar a trabalhar e eu também. No meu caso, meu trabalho era experimentar esses pratos feitos por Jamie e sua equipe:

Salada de batatas, espinafre e vagem, frango ao molho de tomate, frango parmesão com salada de quinoa e abóbora assada e frango à milanesa com legumes tostadinhos. Se você acha que isso está bonito, é porque não sentiu o cheiro na hora. Meu lado pessimista começou a se calar. Eu finalmente entendi uma coisa que todos esses apresentadores sempre falam: "Você primeiro degusta com todos os outros sentidos, até chegar ao paladar". Parece frase da Clarice Lispector, mas fez muito sentido na hora. Estava na hora de provar tudo e essa não seria uma tarefa fácil. Imagine só, ter que provar tudo isso? Foi um dia cansativo, mas eu dei conta.


Que fique bem claro que não possuo bagagem nenhuma para ser crítico culinário. Eu estava ali apenas para testar se sua famosa, e recorrente, técnica de colocar limão e azeite para finalizar todos os pratos funcionava. E sim, funciona. Estava tudo muito gostoso. Esse prato da foto era um frango à milanesa bem suculento com legumes tostados e bem temperadinhos. Lembrei de um restaurante self-service que tem aqui do lado do BuzzFeed por uma razão: eu nunca mais quero comer naquele lugar. Queria ser adotado pela família Oliver, ser o sexto mini Jamie e comer esse tipo de coisa todo dia. É pedir demais?

Os outros pratos também estavam todos absurdamente gostosos. Se eu fosse resumir, diria que são pratos que minha nona faria, se minha nona fizesse Crossfit. Pratos bem familiares, com o tempero na medida e ingredientes leves. Eu sei que não podemos acreditar em tudo o que a TV fala, mas depois desse dia posso dizer: a comida do Jamie é tão gostosa quanto é bonita.

Jamie saiu correndo e não pude me despedir com mais um daqueles abraços fenomenais. Então aqui fica meu recado para ele: Please, Jamie, come to Brazil again. I need more hugs.

Fotos por Daniel Avila


Em parceria com