back to top

Tudo o que sabemos até agora sobre os dois meninos fotografados mortos em uma praia turca

A família síria teve seu pedido de asilo no Canadá rejeitado em junho, de acordo com a tia deles. Aviso: Este artigo contém imagens fortes.

publicado
Publicidade

Em entrevista ao National Post, Teema Kurdi, a irmã de Abdullah que já mora em Vancouver, Canadá, há mais de 20 anos, disse que recebeu a notícia por telefone da esposa de outro irmão, Mohammad.

"Ela havia recebido uma ligação de Abdullah, e tudo que ele disse foi: 'Minha esposa e dois meninos estão mortos'", disse ela.

De acordo com outro relatório canadense local, a família Kurdi estava tentando ir para o Canadá, mas teve seu pedido de visto rejeitado em junho. Teema e seus amigos tinham tentado ajudá-los, mas não haviam conseguido permissão "devido às complexidades" dos pedidos turcos.

Acredita-se que os meninos tenham tentando atravessar o Mediterrâneo em dois barcos com outros refugiados sírio-curdos.

Os refugiados estavam tentando chegar à ilha grega de Cós na quarta-feira de manhã, de acordo com a guarda costeira turca.

Eles estavam viajando em dois barcos quando um deles, que transportava seis pessoas, virou, de acordo com um relatório turco local. A BBC relatou que, das 23 pessoas a bordo dos dois barcos, apenas 9 devem ter sobrevivido. Várias pessoas usando coletes salva-vidas conseguiram nadar até a costa.

Kurdi disse à AP: "Eu tentei salvar meus filhos e minha esposa, mas não houve esperanças. Eles morreram um por um. Meus filhos eram os mais bonitos do mundo, maravilhosos, eles me acordavam todos os dias para brincar com eles. Agora, todos eles se foram".

O pai dos dois disse à AP que o barco, que seguia em direção à ilha grega de Cós, perdeu o controle após o capitão ter entrado em pânico em virtude das ondas altas e pular no mar. Restou a Abdullah assumir o controle do barco. Ele disse que o barco estava no mar apenas por 4 minutos antes do capitão ter abandonado a embarcação.

"Eu assumi e comecei a pilotar. As ondas estavam muito altas e o barco virou. Eu peguei minha esposa e filhos em meus braços e percebi que estavam todos mortos", disse ele.

"Eu só queria ver meus filhos pela última vez e ficar para sempre com eles", disse ele.

Em parceria com