back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Esta jovem criou um curso de defesa pessoal para mulheres muçulmanas

"Com o aumento dos crimes de ódio depois da eleição norte-americana, a autodefesa tornou-se mais importante do que nunca."

publicado

No último sábado, Abdulla entrou em contato com Misho Ceko, o instrutor chefe da Chicago Mixed Martial Arts, para desenvolver o que ela chama de "Seminário de Sobrevivência a Crimes de Ódio".

Ela disse que foi motivada pelo recente aumento nos incidentes de racismo e violência contra muçulmanos e outros grupos.

A dupla trabalhou criando dois movimentos conjuntos que uma pessoa que está sendo atacada pode usar para se livrar. Os movimentos têm como base o Jiu-jitsu brasileiro e foram projetados especificamente para ajudar pessoas pequenas a superar adversários maiores.

"Eu tentei esses movimentos com homens bem maiores e me dei bem todas as vezes", disse ela, completando que "não é uma lutadora qualificada ou conhecida em qualquer lugar".

Publicidade

Abdula detalha as instruções em inglês e linguagem de sinais. Aqui eles ensinam a como se defender de um ataque frontal:

E de um ataque pelas costas.

Abdulla postou vídeos dos movimentos no Facebook. "Com o aumento dos crimes de ódio depois da eleição norte-americana, a autodefesa tornou-se mais importante do que nunca", ela escreveu.

Em seus posts, ela incentiva que as pessoas espalhem os vídeos: "Por favor, compartilhem amplamente, especialmente com nossas irmãs nos estados mais conservadores."

Desde que ela compartilhou as filmagens na terça-feira, Abdulla recebeu solicitações de centros comunitários, casas de cultos, grupos escolares e mais para ensinar os dois novos seminários: um curso de autodefesa com duração de uma hora e uma versão de duas horas que trata mais a fundo dos crimes de ódio.

Ambos os cursos incluem as técnicas de autodefesa, disse ela.

"No momento estamos trabalhando para atender os pedidos e começar a agendar as datas", disse Abdulla.

A professora deu aula para apenas uma turma, mas foi um grande sucesso.

"Todos os participantes envolvidos demonstraram aumento nos níveis de autoconfiança, autoestima e sensação de segurança", disse ela.

Veja os vídeos completos daquilo que Abdulla chamou de "escapando de alguém agarrando o hijab".

Este post foi traduzido do inglês.