back to top

Aqui está porque se fantasiar de “negão do WhatsApp” é racista

Mesmo que ter um "pau grande" seja visto como algo positivo para muitos homens, historicamente esse é um estereótipo utilizado por brancos para dominar negros.

publicado

A Folha de S.Paulo divulgou nesta sexta, dia 5, esta notícia, confirmando uma história que estava circulando no Twitter.

O personagem de humor nasceu no Whatsapp, circula há mais de ano na internet, já gerou polêmica antes e reforça o estereótipo racista do homem negro sexualizado e animalizado.
Reprodução / Facebook

O personagem de humor nasceu no Whatsapp, circula há mais de ano na internet, já gerou polêmica antes e reforça o estereótipo racista do homem negro sexualizado e animalizado.

A decisão dividiu opiniões, mas muitas pessoas consideraram justa a demissão por não se tratar de uma brincadeira, mas sim de uma manifestação de racismo.

Reprodução / Facebook

Mesmo que ter um "pau grande" seja visto como algo positivo para muitos homens, esse é um estereótipo utilizado por brancos para dominar negros durante a história.

Nos Estados Unidos, os proprietários de escravos chamavam os homens negros que se encaixavam neste estereótipo de "The Black Bucks" (O Mandingo, em tradução livre para o Português).A historiadora Suzane Jardim explica que eram chamados de "mandigos" os negros escravos considerados perigosos e indomáveis. Havia também a ideia de que esses homens deveriam ser contidos por terem instintos sexuais que poderiam perverter filhas e esposas dos senhores brancos. Mas esse tipo de pensamento sobre homens negros não era exclusividade dos Estados Unidos. Apesar de não termos criado um personagem especificamente dentro desse estereótipo no período da escravidão, a ideia se manteve e se adaptou com o tempo.
Reprodução / Medium

Nos Estados Unidos, os proprietários de escravos chamavam os homens negros que se encaixavam neste estereótipo de "The Black Bucks" (O Mandingo, em tradução livre para o Português).

A historiadora Suzane Jardim explica que eram chamados de "mandigos" os negros escravos considerados perigosos e indomáveis. Havia também a ideia de que esses homens deveriam ser contidos por terem instintos sexuais que poderiam perverter filhas e esposas dos senhores brancos.

Mas esse tipo de pensamento sobre homens negros não era exclusividade dos Estados Unidos. Apesar de não termos criado um personagem especificamente dentro desse estereótipo no período da escravidão, a ideia se manteve e se adaptou com o tempo.

E se engana quem pensa que isso ficou num passado distante. Até os anos 90, o programa de humor "TV Pirata", da TV Globo, exibia esquetes que reforçavam esse estereótipo racista.

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com

Nesta esquete em que um homem branco fantasiado de negro leva chibatadas de uma mulher branca. Ela explica que trouxe o tronco de Miami e que os "escravos hoje em dia estão se liberando e curtindo um sadomasoquismo na boa". E então ele sorri, como se estivesse gostando.

O homem negro sexualizado aparece diversas vezes na teledramaturgia brasileira.

Na série "Retrato de Mulher" (1993), o ator Norton Nascimento deu vida ao Josemar, um conquistador que tinha até freiras como suas vítimas. Na novela "Em Família" (2014), o ator Marcello Melo Jr. interpretou o pilantra e maníaco sexual Jairo.
Reprodução / Globo Play

Na série "Retrato de Mulher" (1993), o ator Norton Nascimento deu vida ao Josemar, um conquistador que tinha até freiras como suas vítimas. Na novela "Em Família" (2014), o ator Marcello Melo Jr. interpretou o pilantra e maníaco sexual Jairo.

E mais recentemente, na novela "Liberdade Liberdade" (2016), o ator David Junior interpretou um escravo sexualizado.

Que como ele mesmo disse, "não tinha nem roupa".
Reprodução / Rede Globo

Que como ele mesmo disse, "não tinha nem roupa".

O "negão do Whatsapp" é a prova disso tudo. O pênis exagerado do personagem reforça a imagem animalizada e hipersexualizada do negro.

Reprodução / Via divadepressao.com.br

Veja também:

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil no seu celular? Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.