back to top

Por dentro do mundo estranho e paranoico de Julian Assange

O fundador do WikiLeaks quer dar o troco em Hillary Clinton e reafirmar seu papel no cenário mundial, segundo o correspondente especial do BuzzFeed News, James Ball, que trabalhou para Assange no WikiLeaks.

publicado

Em 29 de novembro de 2010, a então secretária de Estado, Hillary Clinton, deu uma declaração à imprensa para condenar a divulgação de documentos secretos, na véspera, pelo WikiLeaks e por cinco grandes empresas de jornalismo.

A divulgação do WikiLeaks, segundo ela: "coloca a vida das pessoas em perigo", "ameaça nossa segurança nacional" e "enfraquece nossos esforços para trabalhar com outros países".

"A divulgação traz riscos reais para pessoas reais", observou, acrescentando: "Tomaremos medidas firmes para responsabilizar quem roubou essa informação."

Julian Assange assistiu à fala de Hillary de uma televisão no canto de uma sala em Ellingham Hall, mansão na área rural de Norfolk, há cerca de 190 quilômetros de Londres.

Eu estava sentado a cerca de 2,5 metros dele na ocasião, o mobiliário e os tapetes antigos do aposento cheios de notebooks e da bagunça de uma organização minúscula orquestrando a maior notícia do momento.

Minutos depois, soou o barulho de um jato militar. Olhei em volta da sala e pude ver todos pensando na mesma coisa, mas ninguém querendo dizer. Com certeza não. Com certeza? Claro, o jato passou de forma inofensiva — Ellingham Hall não fica muito longe de uma base da Força Aérea Real —, mas a pressão, a adrenalina e a paranoia eram tão grandes no ambiente ao redor de Assange naquele momento que nada parecia impossível.

Passar aqueles poucos meses tão próximo de Assange e seus confidentes, e vivenciar em primeira mão as pressões exercidas em quem estava lá, me deu uma visão especial sobre como o WikiLeaks se tornou o que é hoje.

Para um estranho, o WikiLeaks de 2016 parece não ter nenhuma relação com o WikiLeaks de 2010. Naquela época, eles eram os queridinhos de muitos da esquerda liberal, trabalhando com alguns dos jornais mais respeitados do mundo e expondo a verdade por trás de assassinatos com drones, de mortes de civis no Afeganistão e no Iraque e da espionagem americana de altos funcionários da ONU.

Agora, eles são os queridinhos da direita alternativa, revelando e-mails hackeados aparentemente para influenciar a disputa presidencial nos Estados Unidos, alegando que a eleição no país é uma "fraude" envolta em conspiração. Recentemente, no Twitter, eles descreveram as mortes por causas naturais de dois de seus apoiadores como um “ano sangrento para o WikiLeaks” e alertaram para os meios de comunicação “controlados por” membros da família Rothschild — um tropo antissemita comum.

As perguntas feitas sobre a organização e seu líder muitas vezes são erradas: Como o WikiLeaks mudou tanto? Julian Assange é o fantoche de Vladimir Putin? O WikiLeaks está endossando nos EUA um candidato à Presidência que foi descrito como racista, misógino, xenófobo e muito mais?

Essas perguntas esquecem de uma verdade mais abrangente: nem Assange nem o WikiLeaks (e os dois são praticamente a mesma coisa) mudaram — o mundo em que eles atuam mudou. O WikiLeaks é, em muitos aspectos, a mesma criação ousada, imprudente e paranoica que já foi. No entanto, como isso se manifesta e quem o apoia mudaram.

A divulgação das mensagens diplomáticas confidenciais

A condenação de Clinton à divulgação das mensagens diplomáticas confidenciais pelo WikiLeaks foi uma mera obrigação de seu posto. Mesmo que ela fosse uma grande admiradora do site — o que parece improvável —, fazer outra coisa além de condenar firmemente o vazamento nunca foi uma opção.

Não foi o que pareceu dentro do WikiLeaks naquele momento, no entanto. Foi um momento que causou ansiedade. O WikiLeaks foi alvo de diversas reportagens televisivas e de jornais, e comentaristas pediam a prisão, a deportação, a rendição ou até mesmo o assassinato de Assange e seus colaboradores.

Ao mesmo tempo, o WikiLeaks estava tendo suas contas bancárias congeladas pela Visa e pela Mastercard. A Amazon Web Services retirou seu suporte de hospedagem ao site e Assange ficou preso por uma semana no Reino Unido (antes de ter sua fiança paga) sob acusações relacionadas com supostos crimes sexuais na Suécia.

Dentro do WikiLeaks, uma organização minúscula com apenas algumas centenas de milhares de dólares no banco, essa pressão foi enorme. A maior parte das poucas pessoas dentro da instituição tinha experiência como ativista de esquerda. Muitos eram jovens e inexperientes, e poucos confiavam no governo dos EUA — especialmente após meses lendo mensagens que revelavam erros e reações exageradas dos EUA nos registros de guerra do Afeganistão e do Iraque, muitas vezes com consequências trágicas.

Como os EUA iriam reagir desta vez? O WikiLeaks tinha medo de consequências jurídicas e extrajudiciais contra Assange ou outros funcionários. Membros do WikiLeaks estavam irritados com empresas norte-americanas que criaram bloqueios financeiros contra a organização sem nenhuma decisão judicial ou julgamentos — apenas após uma declaração à imprensa de um senador dos EUA.

E a figura principal dessa reação não era ninguém menos do que Hillary Clinton. Para Assange, até certo ponto, era pessoal.

Publicidade

Na sala

É injusto, ou no mínimo uma simplificação exagerada, dizer que Assange é antiamericano. Ele diria que apoia o povo americano, mas acredita que seu governo, sua política e suas empresas são corruptas.

Um resultado disso é que ele não vê o mundo da mesma forma que muitos americanos veem e não tem aversão intrínseca a Putin ou a outros homens fortes com credenciais democráticas questionáveis no cenário mundial.

Isso se mostra em alguns de seus apoiadores. Poucos dias depois de Assange chegar comigo e outros em Ellingham Hall, um homem mais velho, apresentado a nós como "Adam", apareceu. Assange tinha convidado jornalistas freelancers independentes de todo o mundo para a casa de campo para ver as mensagens relativas aos seus países — geralmente não mais do que alguns milhares de documentos.

"Adam" era diferente: Ele imediatamente pediu tudo relacionado à Rússia, ao Leste Europeu e a Israel — e conseguiu, mais de 100 mil documentos. Alguns comentários dispersos dele sobre "judeus" levantaram algumas preocupações da minha parte, descartadas rapidamente por outro membro do WikiLeaks — "não seja bobo...ele mesmo é judeu, não é?".

Um pouco depois, eu descobri a verdadeira identidade de "Adam", ou pelo menos o nome que ele usa com mais frequência: Israel Shamir, um conhecido escritor pró-Kremlin e antissemita. Ele foi mais tarde fotografado deixando o Ministério do Interior de Belarus, e uma instituição pró-liberdade de expressão demonstrou sua preocupação de que isso pudesse significar que o ditador do país havia tido acesso às mensagens e a informações sobre os grupos de oposição no país.

Assange não se preocupou com essas alegações, descartando-as e ignorando-as até que a mídia exigisse uma resposta. Então Assange simplesmente negou que Shamir tenha tido acesso a quaisquer documentos.

Isso era mentira, Assange sabia que era mentira e eu sabia que era mentira — fui eu, seguindo ordens de Assange, que entreguei os documentos. Poucos dias depois, um repórter de uma publicação russa escreveu para o WikiLeaks.

"Eu realmente não consigo entender por que o Wikileaks está colaborando com um repórter russo que nunca fez nenhuma crítica, nem mesmo pequena, ao governo de Moscou", escreveu. "Entrei em contato com a pessoa responsável pelos contatos com o Wikileaks na Rússia (Israel Shamir), mas ele me disse que não poderíamos olhar as mensagens por conta própria e pediu dinheiro, o que não é muito conveniente para nós (não por causa do dinheiro, mas porque gostaríamos de verificar os arquivos também)."

O antissemitismo nunca pareceu uma parte importante da agenda de Assange — eu nunca o ouvi dizer uma observação que eu tenha achado problemática nesse sentido —, mas era algo que ele gostava de convenientemente ignorar nos outros. O apoio à Rússia ou aos seus homens fortes aliados do Leste Europeu era muito semelhante: tolerável para os que poderiam ser aliados do WikiLeaks e que faziam o que Assange queria.

O WikiLeaks nunca teve problema com a Rússia: nem naquela época, nem agora.

Certa semelhança

Assange costuma ser tão celebrado por partidários e tão demonizado por detratores que seu caráter real fica completamente perdido.

Longe de um autista obcecado, como ele muitas vezes é visto, ele é um orador carismático capaz de dominar um ambiente ou uma conversa. Ele pode ter pouco interesse em ouvir as pessoas ao seu redor, mas sabe determinar se ele tem ou não sua atenção e mudar seu comportamento para capturá-la. Ele tem provado, frequentemente, ser um experiente manipulador da imprensa, levando a grande mídia para cima e para baixo em conferências de imprensa que não correspondem às expectativas. Não há dúvida sobre suas habilidades técnicas.

O que muitas vezes é subestimado é seu dom para falar besteiras. Assange pode, e conta, regularmente, mentiras óbvias: O WikiLeaks segue procedimentos profundos e cuidadosos; o WikiLeaks foi fundado por um grupo de 12 ativistas, principalmente da China; Israel Shamir nunca recebeu as mensagens confidenciais; recebemos informações de que [coloque o nome de um crítico do WikiLeaks] tem laços com a inteligência dos EUA.

Às vezes, essas mentiras são inofensivas e brilhantes. No dia em que as mensagens confidenciais foram postadas, o site do WikiLeaks ainda não estava pronto (ainda não tínhamos escrito nem o texto de introdução). Então, o site foi mantido off-line após um curto ataque DDoS. Assange aproveitou a oportunidade para tuitar que o Wikileaks estava sob um grande ataque, o que nos deu tempo para finalizar o site.

Seis horas depois, quando tínhamos terminado, todos estavam perguntando: O que tinha de tão ruim nos mensagens confidenciais que alguém estava trabalhando tanto para manter o site off-line? O gesto dramático funcionou, mas outras mentiras foram idiotas e prejudiciais — e rapidamente corroeram qualquer tipo de confiança daqueles que tentavam trabalhar com Assange.

A redação de releases — possivelmente, uma das mais claras mudanças no WikiLeaks de 2010 e 2016 — tornou-se um desses problemas. Para Assange, redigir releases sobre o que estava sendo divulgado no Wikileaks era uma questão de conveniência: isso removeria uma linha de ataque do governo americano e manteria parceiros de mídia ao lado. Para os meios de comunicação, era a única maneira responsável de divulgar informações confidenciais.

Hoje, o WikiLeaks publica regularmente informações sem redigir releases e aparentemente com o mínimo de análise prévia. Essa é uma mudança de conveniência: não há mais parceiros na imprensa para manter ao lado. Os resultados são uma justificativa parcial para ambos os lados — embora seja difícil contestar que algumas das publicação de dados privados do WikiLeaks tenham sido desnecessariamente imprudentes e invasivas, ainda não existe nenhuma evidência de qualquer dano direto a alguém como resultado de uma divulgação do WikiLeaks.

Por outro lado, Assange, muitas vezes, confia mais em estranhos do que naqueles que conhece bem: Ele não gosta de receber conselhos, ele não gosta de ninguém mais tendo poder e ele não gosta de ser desafiado — especialmente por mulheres. Ele dirige seu próprio show de sua própria maneira e não delega. Ele gosta de brincar com os anseios conspiratórias dos outros, dando poucos sinais se ele mesmo acredita ou não neles.

Existem poucos limites para até onde Assange pode ir para tentar controlar as pessoas ao seu redor. As pessoas que trabalham no WikiLeaks — uma organização de transparência radical baseada na ideia de que todo o poder deve prestar contas — tiveram que assinar um extenso acordo de confidencialidade com Assange. A pena para o descumprimento era de 12 milhões de libras esterlinas.

Eu me recusei a assinar o documento, que chegou a mim no que deveria ser uma viagem curta para uma casa de campo usada pelo WikiLeaks. Os demais presentes — todos os quais tinham assinado sem ler — me pressionaram e insistiram para que eu assinasse, sozinhos e em grupos, até bem depois das 4 horas da manhã.

Como a casa era remota, não havia perspectiva de ir embora. Eu passei a noite e fui acordado muito cedo por Assange, sentado na minha cama, me cutucando no rosto com uma girafa de pelúcia, mais uma vez me pressionando para assinar. Foram mais duas horas até que eu conseguisse tirar Assange da cama para que eu pudesse (finalmente) colocar as calças, e muitas horas mais até que eu conseguisse sair da casa sem assinar o contrato ridículo. Um funcionário arrependido presente na farsa mais tarde admitiu que eles tinham recebido ordens para me "pressionar psicologicamente" até que eu assinasse.

E, depois que você cai em desgraça com Assange — desafiando-o muito abertamente, criticando-o em público e não fazendo o que ele espera —, você está acabado. Não existe algo como discordância honesta, não existe algo como oposição leal divergente sobre uma política ou posição política.

Criticar Assange é ser um carreirista, vender sua alma para o poder ou vantagem, ser um espião ou um informante. Para salvar os leitores de algumas pesquisas no Google, ele dirá que eu estava no WikiLeaks como "estagiário" por um período de "semanas", e durante esse tempo agi como um espião para o jornal britânico "The Guardian", roubei documentos e potencialmente tive laços com o MI5. Comparado a alguns que já criticaram Assange, eu não fui muito castigado.

As pessoas que têm enfrentado os maiores tormentos são, é claro, as duas mulheres que acusaram Assange de crimes sexuais na Suécia no verão de 2010. Os detalhes do que aconteceu durante aqueles poucos dias permanecem uma questão para o sistema de Justiça da Suécia, não para especulação. No entanto, tendo visto e ouvido Assange e as pessoas ao seu redor discutir o caso, tendo lido os documentos judiciais e tendo seguido o caso de extradição no Reino Unido até a Suprema Corte, eu sei que é um caso real e complicado de agressão sexual e estupro. Não é nenhuma difamação da CIA.

A decisão de Assange — e foi uma decisão — de ligar seu caso sueco com qualquer possível processo dos EUA foi cínica. Isso levou muita gente a apoiar sua causa junto àquelas de Chelsea Manning ou Edward Snowden. E ainda assim é mais difícil, e não mais fácil, extraditar Assange para os EUA da Suécia do que do Reino Unido, se Washington quisesse fazê-lo.

Assange passou a acreditar que sua própria versão pode ser o que está por trás de seis anos de prisão efetiva para ele. Ninguém o está mantendo na embaixada do Equador — onde ele já brigou com seus anfitriões — além de si mesmo. As mulheres que fizeram a denúncia também perderam muito, tornando-se por meses e anos duas das figuras mais odiadas na internet, difamadas como "prostitutas", "espiãs da CIA" e muito mais. Elas nunca terão seu tempo de volta.

Ecuadorian government report / Via buzzfeed.com

Quatro fotos do quarto de Julian Assange na Embaixada do Equador em Londres, preparadas para um relatório interno após um incidente em que as autoridades acreditam que Assange derrubou uma estante.

Como termina

Tudo isso é o coquetel de ingredientes que produz a encarnação de 2016 do WikiLeaks. Julian Assange desconfia do governo dos EUA, não gosta de Hillary Clinton e passou anos preso em um pequeno apartamento da embaixada no oeste de Londres, com sua saúde física e psicológica em declínio, monitorado minuto a minuto nos relatórios apresentados por seus cautelosos anfitriões equatorianos.

Assange nunca poderia, na minha opinião, ser conscientemente uma ferramenta do Estado russo: Se Putin lhe desse um conjunto de ordens, elas seriam ignoradas. No entanto, se um grupo anônimo ou sob um pseudônimo oferecesse a Assange vazamentos anti-Clinton, eles teriam encontrado um anfitrião feliz que não faria muitas perguntas embaraçosas.

O poeta Humbert Wolfe escreveu: "Você não pode esperar subornar ou enrolar / (graças a Deus!) o jornalista britânico. / Mas, vendo o que o homem fará / sem ser subornado, não é preciso". Essa é sorte da Rússia com Assange. Se a Rússia está realmente por trás dos vazamentos, como a inteligência dos EUA relatou, Assange não vai precisar de nenhum acordo dissimulado ou motivos para fazer mais ou menos o que eles esperam. Faria isso de livre e espontânea vontade.

A questão é se Assange vai acabar decepcionado. Assange acredita que o WikiLeaks foi o principal condutor da Primavera Árabe, que levou a grandes revoltas em alguns países. Esse é o papel que ele acredita que tem — o de um líder mundial. Por algum tempo, ele foi. Ainda que a importância do WikiLeaks na Primavera Árabe continue sendo uma questão a debater, Assange esteve à frente ao revelar informações importantes. Suas tentativas de chamar os holofotes para si, no entanto, falharam.

O WikiLeaks tem republicado informações públicas como se fossem vazamentos, publicado hacks obtidos pelo Anonymous e pelo Lulzsec apenas por um impacto moderado e lançado caches de e-mail de empresas de inteligência privadas de importância muito menor do que o que costumavam ser. Mesmo a tentativa de Assange de ajudar Edward Snowden foi fracassada, deixando o denunciante preso em um aeroporto de Moscou durante semanas. Nas últimas semanas, Snowden entrou em conflito público com Assange sobre a manipulação do último vazamento do Comitê Nacional Democrata.

@Snowden Opportunism won't earn you a pardon from Clinton & curation is not censorship of ruling party cash flows https://t.co/4FeygfPynk

Snowden: "Democratizar a informação nunca foi tão vital, e o @Wikileaks ajudou nisso. Mas a hostilidade deles para até a mínima curadoria [de quais informações devem ser divulgadas] é um erro."
Wikileaks: "@Snowden Oportunismo não te dará um perdão de Clinton & curadoria é não censurar como funciona o caixa do partido no poder"

A abordagem de Assange transformou o WikiLeaks da força mais poderosa e conectada de uma nova era jornalística para uma operação de fundo de quintal tolerada (ou não) pelo governo do Equador. Essa é a chance de Assange de se recuperar no cenário mundial e de dar o troco em Hillary Clinton ao mesmo tempo.

Assange é um orador talentoso, com talento para chamar a atenção da imprensa, lutando contra sua própria incapacidade de ampliar e profissionalizar sua operação e de aceitar conselhos; um homem cuja missão foi, muitas vezes, deixada em segundo plano em seus esforços para demonizar seus oponentes.

Essas são as características, muitas vezes, atribuídas a Donald Trump, o principal beneficiário das atividades do WikiLeaks e seu atual defensor durante os debates presidenciais. Essas características fizeram de Assange um residente de quatro anos em um quarto simples em uma embaixada de Londres. Resta saber o que elas farão por Donald Trump.


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss