back to top

PF pede mais tempo para investigar repasse de R$ 9 mi a empresa de Lula

Inquérito foca em palestras do ex-presidente pagas por empreiteiras envolvidas nos desvios da Petrobras. Pedido de mais prazo partiu de delegado que deixou a Lava Jato na última sexta.

publicado

A Polícia Federal pediu mais tempo para concluir a investigação sobre os repasses de 9,4 milhões para a empresa de palestras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Yasuyoshi Chiba / AFP / Getty Images

O dinheiro saiu de seis empreiteiras sob investigação por envolvimento no esquema de desvio da Petrobras ou de estatais do setor elétrico: Odebrecht, Camargo Corrêa, UTC, Queiroz Galvão e OAS.

As empreiteiras também realizaram doações para o Instituto Lula.

O ex-presidente nega que os pagamentos tenham sido uma espécie de propina disfarçada em troca de favores no governo federal.

O pedido de mais prazo foi apresentado pelo delegado Eduardo Mauat da Silva, um dos três delegados que deixaram a Lava Jato.

Mauat deixa a investigação do petrolão para voltar ao Rio Grande do Sul.

Em nota, a PF negou que a Lava Jato esteja sendo "desmanchada". Os outros dois delegados que deixam os postos são Luciano Flores, responsável por interrogar Lula durante a coerção coercitiva em março que vai trabalhar nas Olimpíadas, e Duílio

A investigação do dinheiro das palestras foi interrompida em maio, quando este e outros inquéritos que investigam o ex-presidente, foram remetidos ao STF (Supremo Tribunal Federal) por causa das interceptações telefônicas que captaram conversas de Lula com autoridades detentoras de foro, como a então presidente Dilma Rousseff.

Em junho, o ministro Teori Zavascki, relator das ações no STF, invalidou o grampo em que Dilma combinava com Lula a sua nomeação na Casa Civil e devolveu todos os inquéritos para o juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná.

A força-tarefa da Lava Jato mantém outras investigações sobre supostos favores feitos por empreiteiras do petrolão a Lula.

Reprodução/Polícia Federal
  • As obras pagas pela OAS e pela Odebrecht em um sítio de Atibaia (SP) frequentado pelo ex-presidente. A Andrade Gutierrez, controladora da Oi, é suspeita de instalar uma antena de celular nas imediações do imóvel.
  • A reforma e a compra de uma cozinha planejada para um apartamento tríplex que estava reservado ao presidente em um edifício no Guarujá. Os pagamentos foram feitos pela OAS.
  • A OAS também custeou a guarda e conservação do acervo de Lula em depósitos da Granero, em São Paulo.

O que diz a defesa do ex-presidente:

  • A defesa do ex-presidente nega que ele tenha se beneficiado de recursos ilícitos. Lula afirma que nunca foi proprietário do sítio em Atibaia, apenas tendo-o frequentado.
  • No caso do tríplex, a defesa afirma que as cotas do edifício Solaris, iniciado pela Bancoop e concluído pela OAS, não resultaram em negócio. Marisa Letícia, mulher do ex-presidente, desistiu da opção de compra antes da conclusão do edifício.
  • O Instituto Lula afirma que a entidade recebeu doações lícitas, registradas e contabilizadas para cuidar do acervo do ex-presidente, assim como executar projetos de cooperação internacional.
Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.