back to top

15 objetos fascinantes que mudarão a forma como você vê o mundo

Eles trazem muito mais informações do que parece à primeira vista.

publicado

De um acervo de mais de 145 milhões de objetos e espécimes, o Museu de História Natural do Instituto Smithsonian (em Washington, nos EUA) selecionou cerca de 1.000 para a exposição "Objects of Wonder: From the Collections of the National Museum of Natural History" ("Objetos de Admiração: Das Coleções do Museu Nacional de História Natural", em tradução livre). A mostra conta como cientistas e intelectuais ampliaram nosso entendimento sobre a vida neste planeta.

1. Crânio de gorila-das-montanhas macho.

James Di Loreto / James Di Loreto

Os esqueletos de gorilas-das-montanhas oferecem aos cientistas uma oportunidade rara de compreender os efeitos dos esforços de conservação sobre a saúde dos gorilas. Biólogos que trabalham em parceria com o governo de Ruanda, veterinários e organizações conservacionistas examinam restos mortais de gorilas para ver o quanto doenças, ferimentos e o stress ficam registrados em seus ossos.

O BuzzFeed News conversou com Mary Jo Arnoldi, cocuradora de "Objects of Wonder" e uma das antropólogas da divisão de etnologia do museu, sobre como essa exposição foi desenvolvida:

"'Objects of Wonder' é uma mostra sobre quem somos e o que fazemos enquanto museu. É sobre a admiração e o deslumbramento ao ver alguns dos objetos incomuns e espetaculares que estão no coração do nosso museu, e é sobre o encantamento e a curiosidade que esses objetos despertam em nós, à medida que fazemos novas perguntas e investigamos sobre o mundo natural e nosso lugar nele.

Essa foi uma exposição especial e um processo especial que envolveu todos os departamentos do museu. Para começar, convocamos toda a equipe de História Natural para participar da seleção de objetos que contam as várias histórias das nossas coleções e o nosso trabalho com esses objetos. A reação foi arrebatadora, e a tarefa da nossa equipe foi trabalhar com essas várias ideias e sugestões de todo o museu para criar os dioramas que os visitantes verão em 'Objects of Wonder'".

2. Lápis-lazúli.

James Di Loreto / James Di Loreto

O lápis-lazúli é uma fonte importante de pigmento azul em muitas culturas. O tom profundo e vívido de azul que os pintores chamam de "ultramarino" era originalmente feito esmagando-se lápis-lazúli e o misturando com aglutinantes. Pesando mais de 113 quilos, este lápis-lazúli com qualidade de gema foi extraído da cordilheira Indocuche no Afeganistão e está entre os maiores exemplares já encontrados. O nome vem da palavra persa "lazhward", que significa "azul".

Publicidade

3. Estatueta tuxtla.

Donald E. Hurlbert

Descoberta por um fazendeiro em Veracruz, no México, no início do século 20, esta estatueta foi o primeiro exemplo encontrado de texto da cultura epiolmeca do México. Os pesquisadores usaram esta estatueta para decifrar o sistema de escrita epiolmeca, que usa símbolos para representar sílabas e palavras. A data entalhada na pedra mostra que essa estatueta foi feita em 162 D.C.. O texto conta uma jornada repleta de rituais, visões e disfarces de animais.

"De todos os objetos, os meus preferidos são a fachada de uma casa tsimshiânica da Costa Noroeste (da América do Norte) e a cera de ouvido de baleia, obviamente por razões distintas. As pinturas na fachada de 38 pés (11,5 metros) são espetaculares e são trazidas à vida maravilhosamente com a narrativa em áudio de David Boxley, um artista e intérprete tsimshiano, que ajuda o visitante a navegar pelas imagens e pela história da fachada da casa.

A cera de ouvido de baleia (uma das centenas coletadas nos últimos 50 anos da nossa coleção) pode primeiro fazer você dizer 'eca', mas o que é fascinante é como a cera de ouvido está sendo analisada atualmente e [revela] uma história mais rica sobre o histórico de vida de cada baleia e a história mais ampla das mudanças no ambiente marinho nos últimos 50 anos.

Sempre tive paixão por objetos e por explorar e entender as várias formas como sabemos o que sabemos sobre eles — essa é a essência dessa exposição. Espero que os visitantes compartilhem de nossa admiração e curiosidade e saiam daqui com uma maior clareza quanto à ciência por trás delas".

4. O esqueleto do naturalista Robert Kennicott.

James Di Loreto / James Di Loreto

Robert Kennicott foi um explorador e um naturalista do Instituto Smithsonian no século 19. Com colegas do Grove National Historical Landmark em Glenview, Illinois (EUA), Douglas Owsley e Kari Bruwelheide abriram o caixão de ferro de Robert Kennicott em 2001 para determinar a causa de sua morte e para documentar seus restos mortais, caixão e vestimenta. Robert Kennicott morreu aos 30 anos às margens do rio Yukon, na América Russa (atualmente, o Alasca), durante uma expedição de instalação de linhas de telégrafo em 1866 (a chamada "Western Union Expedition"). Os descendentes de Kennicott doaram seus restos mortais ao museu.

5. O Livro de Sermões maia.

James Di Loreto / James Di Loreto

Este Livro de Sermões escrito no idioma dos maias, o quiché, foi elaborado pelo padre Francisco Maldonado em 1690. É o manuscrito mais antigo das coleções do Museu Nacional de História Natural e traz aos estudiosos a oportunidade de saber como o idioma era há 300 anos, além de oferecer aos falantes atuais do quiché uma conexão com as raízes de sua linguagem. O livro contém sermões e passagens bíblicas traduzidos para os idiomas maias quiché e caqchiquel durante o século 17. O livro também contém várias páginas com "curas" para picadas de cobra e outras enfermidades.

6. Cera de ouvido de baleia.

James Diloreto / James DiLoreto

Camada por camada, a cera do ouvido de uma baleia acumula-se durante a vida toda do animal em um grande tampão, selando todo tipo de informação na cera, como a idade da baleia, níveis de stress e exposição à poluição. Essas informações ajudam os cientistas a entender melhor os efeitos das atividades humanas sobre esses mamíferos marinhos e seu ambiente.

Publicidade

7. Fóssil de pinípede: Enaliarctos mealsi.

Michael Brett-Surman / Smithsonian Institution

Este fóssil representa um dos membros mais antigos do grupo de animais que atualmente inclui focas, leões-marinhos e morsas. Como seus parentes, este animal tinha nadadeiras e claramente se sentia em casa na água, mas seus ossos ainda retêm características de seus ancestrais terrestres. Portanto, ele nos ajuda a entender essa transição evolutiva da terra para o mar. Ele foi descoberto, lindamente preservado e quase completo, por um paleontólogo amador que o doou para o Museu Nacional de Ciências Naturais.

8. Garrafa de vidro iridescente.

Chip Clark

Quando esta garrafa de vidro romana foi enterrada com seu dono entre 200 A.C. e 100 D.C., fatores climáticos naturais deixaram o vidro opaco e produziram um verniz iridescente. Os vários tons de azul na pátina cintilante vêm das substâncias químicas do vidro original, incluindo ferro.

9. Pombo-passageiro: Ectopistes migratorius.

Donald E. Hurlbert

Martha, um pombo-passageiro, é um dos maiores tesouros do Museu Smithsonian. Em vida, Martha viveu no Zoológico de Cincinnati (EUA). Quando morreu, em 1914, o pombo-passageiro foi declarado extinto. Apenas algumas décadas antes, sua espécie era comum e abundante na América do Norte, antes de passar a ser caçada como alimento.

10. Painéis de uma casa tsimshiâna.

James Di Loreto / James Di Loreto

Esta fachada pintada de uma casa da tribo indígena Tsimshian, do Canadá, é amplamente reconhecida como um dos melhores exemplos de arte em painéis da costa noroeste da América do Norte. Ela conta a história do líder subaquático mítico Nagunaks e sua conexão com o clã que vivia na casa. É uma das únicas fachadas tsimshiânias completas em um museu.

11. Algas Corallinales.

James Di Loreto

Durante o longo período de suas vidas, as algas da ordem Corallinales preservam registros de mil anos de condições ambientais em suas crostas rígidas e calcificadas, já que suas faixas sazonais de crescimento espelham a expansão e a retração do gelo marinho. Walter Adey, botânico do Instituto Smithsonian, descobriu que o crescimento sazonal dessas algas fornece evidências de que o gelo marinho tem declinado rapidamente durante os últimos 150 anos. As algas Corallinales, como este espécime coletado no leito do mar Ártico no Canadá, podem ajudar os cientistas a entenderem as mudanças no clima do planeta.

Publicidade

12. Liopropoma olneyi e sua larva.

Barry Brown / Substation Curacao and Cedric Guigand / University of Miami

Ao se depararem com uma larva de peixe desconcertante coletada no Estreito da Flórida, os cientistas do Instituto Smithsonian recorreram ao sequenciamento genético, que resultou em uma descoberta inesperada — uma correspondência entre o DNA da larva misteriosa de peixe e os adultos de uma nova espécie de robalo descoberta na costa de Curaçao.

13. Coleópteros.

Chip Clark

Este grupo de insetos demonstra a variedade do acervo do departamento de entomologia do Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsonian. Insetos são a forma dominante de vida animal na Terra, com mais de 1 milhão de espécies descritas e, possivelmente, um número 15 vezes maior de espécies desconhecidas, aguardando para serem descobertas. Entre os insetos, os besouros são comprovadamente um dos grupos mais bem-sucedidos, representando 40% de todas as espécies de insetos e 30% de todas as espécies animais. Para ajudar a visualizar isso, imagine que, se todas as espécies de animais fossem colocadas lado a lado, a cada quatro espécies de animais, uma delas seria um besouro.

14. Cerâmica zuni.

James Di Loreto / James Di Loreto

Esta coleção de cerâmica dos Zuni (povo nativo norte-americano) ajuda os antropólogos a compararem diferentes funções e estilos artísticos e a investigarem como os vários motivos comunicam os valores culturais dos Zuni.

15. Osso de baleia e ponta de arpão.

James Diloreto / James DiLoreto

Este fragmento de arpão, anteriormente incrustado no osso de baleia que o acompanha, levanta várias questões sobre os primeiros caçadores de baleias na costa norte do Oregon (EUA) e fornece evidências que sugerem que os primeiros habitantes fabricavam e usavam equipamento para caça de baleias entre 1400 e 1500 anos atrás, muito antes do contato com os europeus. Este espécime vem do sítio arqueológico de Par-tee, um sambaqui próximo a Seaside, Oregon (EUA), contendo mais de 6.300 ferramentas e 100.000 restos mortais de vertebrados.

"Objects of Wonder" ficará em cartaz até 2019.

Este post foi traduzido do inglês.

Em parceria com