back to top

A discussão sobre esta matéria da Folha mostra MAIS UMA VEZ que precisamos do feminismo

Tabu para quem?

publicado

Hoje a Folha de S. Paulo publicou uma matéria sobre procedimentos estéticos para mudar a aparência da vagina. Mas o título soou BEM estranho para as pessoas.

Reprodução / Via facebook.com

"Superam tabu"?!?!

Dentro da reportagem, opiniões opostas dos médicos estão lado a lado. "Não há tamanho ou cor certa. 'Lábios são como o nariz. Podem ser maiores, menores, de cor amarronzada ou rósea, assimétricos, e mesmo assim normais" é a fala de uma médica.

Já um médico diz "Mulheres sempre se incomodaram com a aparência dos lábios".

Muitas mulheres se incomodaram com a maneira como a reportagem tratou do tema. Uma delas foi a Letícia Bahia, que fez um post viral a respeito no Facebook e printou o título antes que ele fosse editado.

facebook.com

"Eu queria sugerir, Folha, pra de repente você fazer uma reportagem sobre os homens que não superaram o tabu da vagina. Porque a vagina, você sabe, quase sempre precisa passar por uma série de rituais (como aqueles que eu abandonei) pra que um homem possa gostar dela. É difícil achar um homem que goste de uma vagina com cor de vagina, cheiro de vagina, pelo de vagina, gosto de vagina e todas as outras coisas de vagina que as vaginas têm. Então, Folha, a mim me parece que os homens é que têm um tabu com a vagina. Infelizmente, algumas de nós acabam comprando esse tabu. Você mesma, Folha, deu um exemplo nessa reportagem torta!"

Publicidade

Lembraram que se tem uma coisa que NÃO tá faltando na vida das mulheres é tentativa de imposição de padrão.

Reprodução

Magra

Cintura fina

Barriga tanquinho

Peitos grandes

Bunda empinada

Axila branca

VULVA NO PADRÃO

QUE MAIS FALTA ESPERAREM, PLMDDS????!!

E deram especial atenção para a história que ilustra a reportagem, que talvez sem querer foi muito emblemática: uma mulher que estava ótima com a própria vulva, até que o marido fez uma piada meio duvidosa e ela decidiu operar.

Mas foi na postagem da página da Folha, já com o título ajustado depois da reação negativa, que a discussão se mostrou mais necessária que nunca.

Publicidade

E não tardou para aparecer as famosas PROVAS VIVAS da necessidade da treta, ilustrando a crítica principal à matéria: PAREM DE DIZER COMO A VAGINA (ou qualquer outra parte da mulher) TEM QUE SER.