Updated on 23 de jul de 2018. Posted on 23 de jul de 2018

    10 histórias inspiradoras de pessoas que encontraram forças na sobriedade

    "É uma sensação muito boa poder estar completamente presente para as pessoas e as experiências que eu negligenciei por tanto tempo."

    Se manter sóbrio não é uma escolha fácil, mas para milhões é uma escolha necessária. Conversei com pessoas que estão se recuperando da dependência e pedi a elas que compartilhassem suas experiências. O vício não precisa ser o fim do caminho — pelo contrário, pode ser o começo de uma nova vida.

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    A sobriedade mudou a minha vida. É difícil descrever sem me emocionar. Ela mudou cada pedaço do meu ser, como eu ando e como eu me comunico. A maneira como vivencio as situações, a maneira que eu cultivo meus relacionamentos com as pessoas. A maneira como eu me visto. Mudou tudo para melhor.

    As pessoas veem um cara gay com um cabelão e um monte de anéis e joias chamativas e acham que eu sou extrovertido, sempre para cima e autoconfiante. E eu penso comigo: Isso tudo dá muito trabalho. E isso é resultado de saber que sou vulnerável, e admitir que sou vulnerável. E compreender meus defeitos e seguir em frente mesmo com eles, por que esse é quem eu sou. Esse sou eu de verdade.

    Eu quero mostrar às pessoas que você pode estar lidando com um vício, lutando para se manter sóbrio, e ainda assim fazer parte da sociedade. Isso não faz de você menos "legal" — longe disso. Eu quero mostrar às pessoas um lado diferente dessa luta. É meio que engraçado quando você se vê inteiro! É uma sensação ótima acordar e perceber: Nossa, eu não estou de ressaca!

    Você pode estar sofrendo e ainda assim seguir em frente. Pode ser algo imperfeito, mas ainda assim é lindo com todas as imperfeições. Não precisa ser perfeito. —Curly

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Eu pensava que não havia outra alternativa. Eu não sabia selecionar minhas companhias porque sentia como se estivesse seguindo o fluxo, sem poder determinar a direção. Quando você é um alcoólico e você não está sóbrio, você se sente preso. Era um PT atrás do outro, meus relacionamentos destruídos, ter que pedir desculpas a todo momento. E foi assim por uns 10 anos. Eu olho para trás e me surpreendo com o tempo que permaneci naquela vida sem ter vontade de mudar.

    Meus amigos atuais não aceitariam me ver bebendo. Mas isso também é o resultado de você finalmente aprender a escolher melhor as pessoas com quem você convive, se afastando daquelas que não apoiam sua mudança ou que te incentivam a fazer o contrário. Esse é um processo contínuo que dura sua vida inteira.

    Eu acredito que é importante ter orgulho em ficar sóbrio e compartilhar sua história. Eu gosto de muitas coisas nesse mundo, e ficar sóbrio é uma delas, e eu falo abertamente sobre minha condição. A maioria das pessoas acha que a gente meio que se esconde, que para ficar sóbrio você precisa se desligar do resto do mundo. Eu não quero que as pessoas pensem assim — para mim, isso não é sobriedade, e eu não vivo dessa maneira. Eu me sinto ainda mais conectado comigo mesmo, e com os outros, do que eu jamais imaginei que pudesse ser.

    Para mim, foi um novo começo. Eu vejo as coisas de um jeito totalmente novo. E é uma sensação muito boa poder estar completamente presente para as pessoas e as experiências que eu negligenciei por tanto tempo.—Brett

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Decidi ficar sóbria cerca de dois meses após a repentina morte da minha mãe. Eu passei por muito sofrimento desde que tomei essa decisão, mas não coloquei uma gota de álcool na boca. Acredito que, por algum motivo maluco, me sinto melhor passando por essa experiência sem amortecer os meus sentimentos. E eu agradeço a Deus pelo apoio que tenho e que me mantém a salvo. Eu queria que todos tivessem isso à disposição.

    Desde que fiquei sóbria, choro o tempo todo – é como se eu não tivesse nenhuma proteção emocional. Quando me aborreço, preciso de um momento para processar meus sentimentos e então falar sobre eles. Antes eu simplesmente respondia: foda-se, você é um idiota, para mim chega. Coisas assim.

    Grande parte do processo é encarar a vida de uma maneira diferente. Essa sou eu, como eu sou no meu interior. Estou orgulhosa da minha sobriedade. Minha sobriedade sou eu. Ela me tornou quem eu sou. —Katie

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Antes de ficar sóbrio, achava que quem não bebia era careta. Achava que as pessoas que não bebiam não se divertiam, não faziam nada. Então acho importante que as pessoas saibam que estar sóbrio não significa estar morto. Eu saio, eu continuo sendo eu, e posso fazer tudo o que eu fazia antes, exceto que agora não bebo.

    Umas das coisas que aprendi é que estamos todos conectados. Eu tenho tanto apoio da minha família e das pessoas que conheci que não me sinto sozinho nessa. Essa mudança tornou minha vida muito melhor. Nem tudo são flores o tempo inteiro, tem dias em que eu simplesmente não consigo lidar com as situações – exatamente como o resto do mundo. No entanto, sei que tenho o apoio das pessoas ao meu redor, a quem eu posso recorrer se estiver com problemas. Existe uma comunidade inteira de pessoas que apoiam umas às outras e amam umas às outras como uma família, incondicionalmente. Independente de quem você é, como você é, do que você faz, da cor da sua pele. Não importa. Existe uma maneira melhor de viver. —Sheku

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Para mim, é como uma série de altos e baixos. Eu tenho essa imagem na minha cabeça, em que eu fiquei sóbrio e vivi feliz para sempre. E isso é apenas parte da verdade. Sim, eu estou sóbrio e minha vida melhorou por conta disso, porque antes ela era fria e triste, mas não significa que ficou tudo perfeito. O que eu vejo é que eu agora tenho ferramentas para me tornar um ser humano decente, normal, o que eu não era antes.

    Por isso a sobriedade, para mim, é como uma ponte de volta a uma vida normal, que me levará a me reconectar com as pessoas, com minha família e amigos. Cuidar menos de você mesmo e se preocupar mais em ajudar os outros. Ter algum impacto na vida de outra pessoa.

    Você pode escolher se abrir sobre sua condição ou se fechar e guardar isso para você. E é isso que eu fazia quando bebia: eu sentava sozinho no meu quarto. Mesmo quando eu saia, eu ficava em um canto, sozinho, e bebia para me isolar.

    Guardar isso só para mim não me levou a lugar nenhum além do fundo do poço. Então decidi compartilhar minha experiência, pois há outras pessoas sofrendo com o mesmo problema. Eu faço isso por mim mesmo, porque isso me ajuda a me sentir melhor, mas também para que essas outras pessoas não se sintam sozinhas. —Kyle

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Eu não escondia de ninguém que eu bebia, então por que esconder que agora estou sóbrio e não bebo? Eu acho que essa é uma abordagem interessante. Tipo, se é uma coisa minha, você não tem por que me julgar. Se a sobriedade diz respeito a mim, o que você pensa não me importa.

    Minha avó me mandou um cartão de aniversário que diz: "Para alguém que está presente". Em primeiro lugar, se fosse antes, eu nunca ganharia um cartão de aniversário. E, em segundo lugar, nunca estaria escrito algo assim. Já me disseram que, quando fiquei sóbrio, surgiu uma versão melhorada de mim mesmo. Cada um tem qualidades que não são tão boas, mas agora elas me veem como sou, a melhor versão de mim mesmo, sem aquela carga extra.

    Eu sinto que agora eu sou o amigo que eu queria ser. Eu sinto que agora eu estou perto das pessoas. Agora eu estou presente. Eu pergunto como meus amigos estão e realmente me importo como estão. Eu quero ser um exemplo, para todos. E eu não quero desapontar mais ninguém. —Jordan

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    O alcoolismo é uma doença que afeta os relacionamentos, não apenas a pessoa que sofre com ela. Trata-se de aprender a reconstruir relacionamentos e se preocupar com outras pessoas, incluindo você mesmo.

    Eu percebi que não dou muito crédito a mim mesma. Eu estou sóbria há cinco meses e ainda estou em transição. Eu estou me reaproximando dos meus familiares e me recriando tanto quanto possível. Quando uma pessoa passa por uma transição como essa, é como se nascesse um novo ser humano. Você precisa se reencontrar. Meu relacionamento comigo mesma ficou muito mais profundo.

    Além disso, quanto mais eu levo em consideração o impacto das minhas atitudes sobre as vidas das pessoas, mais fácil fica deixar de tomar decisões ruins. Isso tem me trazido equilíbrio e sobriedade — é a melhor palavra para descrever. Sobriedade significa clareza. Mente limpa, equilibrada, não desordenada.

    Agora que estou livre de substâncias que prejudicam meu julgamento e me vejo como realmente sou, me entristeço às vezes. Mas também me inspiro. Por exemplo, quando me lembro de onde eu estava e aonde posso chegar. Eu sei que posso fazer muito melhor. Eu mereço muito mais. —Andrea Mares

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Não acho que eu gostava tanto assim de beber — eu só achava que beber tornava as coisas mais fáceis. E parecia tornar tudo mais divertido, ainda que só por um tempo. Hoje a bebida não me convém – ela não faz nenhum bem para o meu estado espiritual, meu estado mental e meu estado criativo. Começa por aí, e o fato de que eu não quero me arriscar.

    Eu me sinto mais criativo e autêntico agora. Eu sinto que posso ser mais sincero nas minhas criações e mostrar partes de mim que não me assustam mais. E isso é muito importante para mim. Eu não quero usar meu trabalho para promover a sobriedade... Eu quero usar meu trabalho para promover um modo de vida sincero e autêntico, em que você faça aquilo que você acha certo, independente do que esteja acontecendo ao seu redor. —William

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Às vezes eu me sinto impotente, mas então me lembro que, se eu continuar a agir da mesma forma que antes, nada vai mudar.

    Quando eu decidi ficar sóbria, passei o primeiro ano inteiro enxergando a mim mesma de uma maneira que eu nunca fiz antes. E eu senti um grande alívio quando percebi qual era o meu problema, porque senti que finalmente tinha encontrado a solução. A dor que eu sentia no início, quando eu sabia que tinha um problema, mas não sabia como resolver, era muito ruim. E, afinal, foi essa mesma dor que me fez lutar com unhas e dentes pela minha sobriedade.

    Senti que todas as decisões ruins que eu tomei na vida eram o resultado de eu tentar calar minha alma e abandoná-la. Por isso, mesmo que o meu primeiro ano sóbria tenha sido também o ano mais doloroso da minha vida, finalmente voltei a respirar.

    Cada responsabilidade que eu chamei para mim e cada perdão que eu pedi me ajudou a sentir minha alma novamente. Foi a coisa mais difícil que já fiz na minha vida, mas também foi a mais incrível. —Amy

    Ryan Pattie / BuzzFeed
    Brandon O'Dell / BuzzFeed

    Antes de ficar sóbrio, eu estava meio perdido. Eu não sabia de fato qual era meu propósito. Eu sabia que queria fazer as coisas e começava a fazê-las, mas não havia nenhuma continuidade. Eu entrei na faculdade que eu queria e depois desisti. Eu consegui o emprego que queria e depois fui demitido. Eu não sabia que estava quebrado por dentro. Então, quando fiquei sóbrio, isso me deu autoestima, me despertou a vontade, me trouxe um propósito. Eu não achava que tinha tanto potencial para ajudar as pessoas. No começo era difícil, mas agora isto se tornou minha vida.

    O meu maior medo era que eu ficaria sóbrio e todos os meus amigos e toda a minha diversão acabariam, porque eu via "diversão" quando ia num bar, apagava e acordava em outro lugar. E hoje, eu olho a minha volta e vejo que realmente estou me divertindo. Portanto, posso dizer a qualquer um que eu tive a oportunidade de me encontrar. É isso o que eu diria às pessoas: eu cheguei na melhor versão de mim mesmo. Eu consegui tirar todas as outras coisas da equação que me impediam de ser eu mesmo. - Armando

    Para obter mais informações sobre o alcoolismo ou para ajudar alguém que você ama, não hesite em falar com um médico. Eles podem encaminhar você para programas e centros locais de tratamento.

    Veja também:

    Casagrande chorou ao vivo em sua primeira Copa sóbrio e deu vontade de dar um abraço nele

    A tradução deste post (original em inglês) foi editada por Luísa Pessoa.