back to top

17 coisas que todas as mulheres grávidas deveriam saber sobre depressão pré-natal

Primeiro de tudo, você não está sozinha.

publicado

Provavelmente já te disseram um milhão de vezes que a gravidez deveria ser uma época feliz e radiante da sua vida — o que pode fazer você se sentir muito mal se essa não for sua experiência.

A questão é que se você não estiver tendo uma gravidez perfeita, você não é anormal — e definitivamente não está sozinha. Você só precisa ter um cuidado especial com si mesma.

Para ajudá-la a entender tudo o que você deveria saber sobre como lidar com a depressão durante a gravidez, o BuzzFeed Health falou com a psiquiatra reprodutiva e de saúde de mulheres Dra. Sonya Rasminsky; psicóloga clínica Shoshana Bennett, Ph.D., coautora de Beyond the Blues: Understanding and Treating Prenatal and Postpartum Depression & Anxiety; e especialista em medicina fetal materna Dra. Wendy White. Aqui está o que elas querem que você tenha em mente.

1. O mais importante antes de mais nada: a depressão pré-natal é uma doença real com a qual muitas mulheres têm de lidar.

Joey Thompson / Via unsplash.com

Não é apenas desconforto ou tristeza de gravidez. A depressão pré-natal — ou antenatal — é uma depressão aguda que ocorre a qualquer momento durante a gravidez e é um problema clínico digno de tratamento, de acordo com Bennett. Ela afeta cerca de 15% das mulheres grávidas.

"Isso não é uma fraqueza, uma falha de personalidade nem nada que você tenha feito de errado durante a gravidez", diz Bennett. "É uma doença muito real que atinge indiscriminadamente."

2. Você pode confundir alguns dos sintomas com simplesmente estar grávida, mas há coisas para ficar atenta.

The CW / Via gifsgallery.com

Fadiga e alterações em seu apetite e horário de sono devem ser esperadas na gravidez, mas elas também são sintomas de depressão — o que pode ser confuso, especialmente no primeiro trimestre, quando você pode estar se sentindo super mal, além de tudo.

"Você precisa ficar atenta para o momento quando não é capaz de ter nenhuma alegria ou prazer em nada", diz Rasminsky. "Se você não está feliz por estar grávida, se sente desconectada do seu feto, ou encontra-se desejando que não estivesse mais grávida, estes são todos sinais de uma depressão pré-natal."

É importante notar também que é extremamente comum a ansiedade coexistir com a depressão pré-natal, diz Bennett, por isso, se seus pensamentos acelerados e preocupações estão te mantendo acordada à noite, não os ignore como se fossem nervosismo normal pré-maternidade.

3. Não tenha medo de procurar seu médico, porque a depressão pré-natal é 100% tratável.

CVS / Via giphy.com

A maioria dos médicos estarão buscando por isso de qualquer maneira, mas se eles não estiverem fazendo as perguntas certas, fale. "Não espere até que você sinta que não pode ir trabalhar ou que não funcione corretamente para iniciar o tratamento", diz Rasminsky. "Seja qual for a abordagem do tratamento que você e seu médico escolherem, pode fazer uma grande diferença logo no início."

Publicidade

4. E, se possível, consultar um especialista como um psiquiatra reprodutivo pode ser super útil.

Charles Schulz / Via instagram.com

Os especialistas estão cada vez mais informados e treinados para lidar com depressões perinatais (pré-natal e pós-parto), mas ainda existem lacunas no conhecimento que poderiam fazer uma consulta com um especialista como um psiquiatra reprodutivo valer a pena.

"Há muita desinformação por aí sobre depressões perinatais, tanto no público em geral quanto entre os médicos e psiquiatras", diz Rasminsky. Por exemplo, eles podem ter preocupações ultrapassadas sobre antidepressivos (nós vamos chegar a isso mais tarde) e impedi-la de conseguir o tratamento certo para você.

Ela sugere usar o Postpartum Support International para encontrar um especialista perto de você.

5. Ninguém está imune, mas existem alguns fatores que podem torná-la mais propensa a desenvolvê-la.

NBC / Via Netflix

De acordo com Bennett, a depressão pré-natal pode acontecer com qualquer pessoa. No entanto, você também pode ter um risco maior se: tem um histórico prévio de depressão, ansiedade ou outros transtornos do humor; tem ou teve problemas de tireoide, como hipotireoidismo; tem uma falta de apoio financeiro ou social; está grávida de múltiplos; ou apresenta alterações de humor negativas com TPM ou controle de natalidade (uma vez que isso pode ser um indicador de como seu corpo responde à alterações hormonais).

Mais uma vez, Bennett adverte para não pirar se você tiver alguns dos fatores de risco: "Essas coisas significam que você certamente vai sofrer? Não. Mas significam que você deve ficar de olho? Com certeza."

6. A depressão não tratada tem sido associada a complicações durante a gravidez e o parto.

The CW / Via jafaeldaily.tumblr.com

Alguns riscos que têm sido associados com (mas não causados por) depressão durante a gravidez incluem baixo peso de nascimento e parto prematuro, assim como complicações na gravidez, como diabetes gestacional e pressão arterial elevada, de acordo com Rasminsky.

"Também há o fato de que se você está deprimida, não será capaz de cuidar de si mesma da maneira que você e seu bebê precisam", diz Rasminsky. "Você não vai buscar assistência pré-natal da mesma maneira. Você não vai comer bem. Você vai perder compromissos. Você pode ser mais propensa a beber ou fumar."

7. Tratar a depressão durante a gravidez também pode diminuir o risco de desenvolver depressão pós-parto.

Pojoslaw / Getty Images / Jenny Chang / BuzzFeed / Via buzzfeed.com

De acordo com Bennett, mulheres que estão deprimidas em seu segundo trimestre têm um risco três vezes maior de ter depressão pós-parto, e estarem deprimidas no final da gravidez aumenta o risco em seis vezes.

"Tratar a depressão durante a gravidez realmente parece reduzir o risco de depressão pós-parto", diz Rasminsky. "As pessoas que chegam com depressão pré-natal e são tratadas geralmente não são as pessoas que desenvolvem depressão pós-parto."

Publicidade

8. Seu médico levará muitas coisas em consideração ao decidir a abordagem de tratamento mais adequada.

Al8er / Getty Images

Existem alguns fatores que podem ajudar a prever se uma medicação ou terapia são adequadas para você. Seu médico analisará seu histórico pessoal e familiar, experiência anterior e sucesso com medicação ou terapia, como o seu sistema de apoio está em casa e com que tipo de estresse você lida em sua vida.

Eles também levarão em conta seus valores pessoais, desejos e crenças. "Algumas mulheres ficam muito nervosas em tomar medicamentos e não querem fazê-lo", diz Rasminsky. "Eles levarão isso em consideração também."

9. E um bom médico nunca a pressionará para um tipo de tratamento — eles estão lá apenas para ajudá-la a tomar a melhor decisão para você.

Al Boardman / Via giphy.com

"Consultar um psiquiatra reprodutivo não significa que alguém vai lhe dizer o que fazer", diz Rasminsky. "Trata-se de ter alguém para ajudá-la a pesar os riscos e benefícios, porque essa decisão pode ser muito desgastante."

10. Os médicos concordam que as pesquisas apontam os antidepressivos sendo geralmente seguros para usar, mas os especialistas não podem garantir que não existem alguns riscos.

Você provavelmente já ouviu falar sobre os estudos que ligam o uso de antidepressivos com anomalias congênitas, tais como cardiopatias congênitas, hipertensão pulmonar persistente e autismo — mas é difícil associá-las definitivamente aos antidepressivos, porque os pesquisadores não podem controlar outros fatores que poderiam ser os culpados, de acordo com White. "Por exemplo, é possível que a exposição a antidepressivos esteja ligada a cardiopatias congênitas, mas isso também poderia ser causado por má nutrição, que está associada com depressão", diz White. "Destrinchar todos esses fatores e separar os riscos de ter depressão durante a gravidez e tomar antidepressivos durante a gravidez é muito, muito difícil."

A esmagadora maioria dos especialistas concordaram que a decisão do risco-benefício é em favor de tomar antidepressivos se você precisar deles, especialmente para a depressão moderada a grave. "Embora possa haver alguns riscos, nós sabemos mais concretamente que a depressão não tratada é provavelmente mais arriscada do que qualquer exposição à droga", diz White.

11. Então, ao decidir se os antidepressivos são adequados para você, é importante colocar as pesquisas atuais em perspectiva.

Flo Perry / BuzzFeed / Via buzzfeed.com

"Uma coisa que sabemos com certeza é que esses medicamentos não são teratogênicos — o que significa que não são coisas que sabemos que causam danos específicos", diz Rasminky. "Enquanto algumas coisas surgiram no que diz respeito à sua associação com malformações congênitas, não houve nenhum padrão claro em muitos, muitos estudos."

Isso inclui estudos relacionados ao risco de autismo. "Há uma grande questão agora para saber se os antidepressivos aumentam o risco de autismo e o entendimento atual é que a resposta provavelmente é não", diz Raminsky. "Mas permanece controverso porque há alguns estudos que mostram uma associação potencial. Mas associação não é o mesmo que causa — o autismo é multifatorial. Nós não sabemos por que acontece, mas há muitos fatores de risco e se os antidepressivos são um, são apenas um menor."

Dito isso, um efeito colateral sobre o qual os médicos não alertam os pacientes é a possibilidade da síndrome de adaptação pós-natal, que essencialmente pode deixar seu bebê mais exigente, agitado ou irritável. Ela geralmente desaparece dentro de poucos dias e é mais algo para estar ciente do que se preocupar, diz Rasminsky, já que não existem consequências a longo prazo.

Publicidade

12. A terapia também provou ser um método de tratamento igualmente eficaz para algumas pessoas.

A medicação não é a única opção. "A terapia pode ser extremamente útil e pode ser suficiente para conduzir uma mulher por uma gravidez", diz Bennett. "Trata-se do que vai funcionar melhor para você."

Isso também poderia incluir trabalhar com seu médico para conceber um esquema envolvendo a terapia leve e suplementos.

13. Tirando o tratamento profissional, também existem coisas que você pode fazer para melhorar os sintomas do dia a dia, como dormir e se exercitar.

Obviamente, isso é mais fácil falar do que fazer quando você está grávida e deprimida, mas ambas as especialistas concordam que essas coisas podem fazer uma enorme diferença. Faça o que puder para ter um sono ininterrupto e fazer qualquer que seja o exercício que você se sinta preparada para fazer, quer seja apenas uma caminhada até o final do quarteirão ou uma aula de ioga pré-natal.

"Essas não são curas, de jeito nenhum, mas são extremamente úteis para aliviar os sintomas da depressão e tornar a vida um pouco mais fácil", diz Bennett.

14. Coma em horário definidos, porque você não pode confiar que seu corpo lhe diga quando comer quando você está deprimida e ansiosa.

E! / Via perezhilton.tumblr.com

Bennett sugere comer seis refeições ao longo do dia, cada uma com uma boa fonte de proteína e um carboidrato complexo, que, essencialmente, ajuda a produzir serotonina que ajudará com os sintomas depressivos. "Ajuste o relógio para tocar seis vezes ao longo do dia", diz Bennett. "Toda vez que ele tocar, mesmo que você não esteja com fome, coloque algo em seu corpo."

15. Estabeleça um sistema de apoio e fale sobre o que você está passando.

The CW / Via ginnysweasley.co.vu

Não há como negar que a estigmatização ainda cerca as doenças mentais, mas é importante lembrar que lidar com a depressão não é nada para se envergonhar — e nada a esconder. Compartilhe o que você está passando com seus entes queridos para que você tenha mais apoio quando precisar de ajuda.

Quem pode lhe fazer comida quando você não pode sair da cama? Quem pode limpar a casa quando você está tendo um dia ruim? Com quem você pode desabafar sobre o que você está passando? "Apoio físico e emocional são importantes", diz Bennett, "então tenha certeza de ter os dois."

16. Se você tem um histórico de depressão, pode ajudar muito estabelecer um plano de ação de saúde mental antes de engravidar.

-hope-for-the-hopeless-.tumblr.com

"É realmente difícil pegar o telefone e pedir ajuda quando você está no auge de uma depressão, então, se você estiver preocupada que isso seja algo com que você possa lidar, fale sobre suas preocupações com seu médico e tenha uma estratégia em prática", diz Rasminsky. "Se você fizer isso, é mais fácil ligar e dizer: 'Você sabe aquela coisa que nós falamos que poderia acontecer? Eu acho que pode estar acontecendo. Posso marcar uma consulta?'"

O mesmo vale se você já lidou com depressões perinatais antes. "Você pode ter um risco maior, mas isso não necessariamente significa que vai acontecer de novo", diz Bennett. "Você pode colocar uma forte estratégia de bem-estar em prática e ter uma experiência completamente diferente durante sua próxima gravidez."

17. No fim das contas, lembre-se que você merece obter ajuda e que existem tratamentos disponíveis para você.

CVS / Via giphy.com

"Sentimos a necessidade de justificar a obtenção de ajuda para a saúde do bebê, mas também é importante que você estará por aí lidando com isso por nove meses", diz Rasminsky. "É muito tempo para ficar deprimida. Isso tem seu preço. Por que você deve sofrer por um período de tempo tão prolongado? Isso, para mim, é o argumento mais poderoso para obter a ajuda que você precisa."