back to top

"Êxodo de SP por causa da crise da água é distante da realidade", diz especialista

Mudar de cidade é um dos últimos recursos. Há muitas providências a serem tomadas antes que alguém precise deixar São Paulo.

publicado

Com o agravamento da crise da água em São Paulo, as pessoas compartilharam artigos como este, que falam sobre o êxodo urbano da população. Mas isso provavelmente não vai acontecer. "Mudar de cidade é caro e seria o último recurso", diz especialista.

Stringer/Brazil / Reuters

Ainda que o sistema Cantareira, que abastece de água mais de 8,1 milhões de pessoas, esteja com 5,6% da capacidade, "migrar não valeria a pena", diz Gabriel Kogan, 29, arquiteto formado pela USP e mestre em gerenciamento hídrico no IHE (Institute for Water Education), instituto de pesquisa sobre água da Unesco. O especialista apontou uma série de possíveis soluções para a crise hídrica paulistana em seu perfil no Facebook.

O volume do sistema vem caindo mês após mês, mesmo com chuvas e inundações na capital. O governador Geraldo Alckmin citou, nesta terça-feira, a possibilidade de utilizar a terceira (e última) cota do volume morto das represas.

"O custo de deslocamento é muito alto. É até difícil falar sobre êxodo, precisa ter uma bola de cristal. Mas acredito que é o último recurso, muitas coisas podem ser feitas antes", diz Gabriel.

Nacho Doce / Reuters

Para deixar a Grande SP, os moradores teriam que arcar com despesas diversas e lidar com dificuldades como procurar novos empregos e encontrar um lugar para morar, além de custearem a própria mudança. O problema seria ainda maior no caso de famílias com crianças na escola. A mudança de grandes centros urbanos para o interior ou cidades menores leva em conta outros fatores além da falta de água.

Gabriel cita como exemplo a migração nordestina para o sudeste, intensa nas décadas de 80 e 90, que levou em conta a estagnação econômica da região e a prosperidade econômica do eixo Rio-São Paulo, além das constantes secas.

Se o sistema Cantareira secar mesmo em março, como o presidente da Sabesp disse que pode acontecer, o desabastecimento deve atingir primeiro a população de baixa renda.

Paulo Whitaker / Reuters

A redução de pressão da água, medida tomada pela Sabesp para reduzir a perda nas falhas de tubulação e diminuir o consumo, impacta mais as regiões mais pobres da cidade.

Os moradores que ganham menos de R$ 3.620 por mês têm uma probabilidade duas vezes maior de terem passado por cortes de água do que as pessoas que ganham o dobro desse valor, segundo uma consulta do instituto de pesquisas Datafolha.

"A decisão [de reduzir a pressão] eu considero correta para racionar o consumo; porém as áreas periféricas [e mais pobres] da cidade sofrem com a estratégia da Sabesp. A água fica sem força para chegar a locais distantes, que serão os primeiros a ficar sem água", diz Ivanildo Hespanhol, diretor do Cirra (Centro Internacional de Referência em Reúso de Água) da Universidade de São Paulo.

Publicidade

Os moradores devem ser atendidos, parcialmente, por caminhões-pipa, mesmo se o Cantareira ficar sem água.

Divulgação/Prefeitura de Itu

"Se a população ficar com as torneiras secas, provavelmente serão atendidas, parcialmente, por um serviço público de caminhões pipa", diz o professor Antônio Carlos Zuffo, chefe do departamento de recursos hídricos da Unicamp.

A capacidade seria limitada. "Os veículos poderiam oferecer uma média de 30 litros diários por habitante, sendo que a média é de cerca de 200 litros [em condições normais]", completa.

Uma medida eficaz de curto prazo deveria ser consertar os vazamentos no sistema paulista, segundo Newsha Ajami, da Universidade de Stanford, na Califórnia.

De acordo com a pesquisadora, o Estado perde ao menos 40% de água em falhas na tubulação.

"Pressionado pelo impacto econômico, o poder público deve tomar medidas paliativas para evitar que a cidade não fique completamente desabastecida."

Via redebrasilatual.com.br

O governo tem como atenuantes da crise a interligação dos sistemas de represas, o que aliviaria a situação do Cantareira, e a possibilidade de ampliar a quantidade de esgoto tratado, que é a opção mais plausível para o momento", diz Ivanildo Hespanhol.

Tudo isso custaria menos dinheiro (e tempo) do que arcar com as consequências de um êxodo urbano de empresas e de população.

"A crise aconteceu por uma falta de planejamento do governo. A hora é de planejar o reuso de esgoto, economia de água e ampliação da rede de tratamento. Êxodo urbano ainda é algo muito distante para se pensar", completa Ivanildo.

Há alguns sites que acompanham de perto a crise da água. Um deles é o Boletim da Falta D'Água em SP, com informes semanais sobre a questão.