back to top

Um trans está prestes a conseguir um novo direito para todos os transexuais do Brasil

Nascido mulher, S.T.C. quer colocar o gênero masculino em sua certidão de nascimento. Ele não fez cirurgia de troca de sexo e o procurador-geral da República está a seu favor.

publicado

S.T.C. nasceu mulher. Mas, ao longo da vida, viu-se como um homem.

Ele mudou de nome, casou-se e vive no Rio Grande do Sul. Agora, briga para que sua identidade de gênero masculina seja reconhecida pela Justiça em seus documentos, mesmo sem fazer a cirurgia transgenital.

Se vencer, todos os transexuais do país poderão ter o mesmo direito.

Miguel Schincariol/AFP / Getty Images

S.T.C. não fez e não quer em fazer a cirurgia de troca de sexo.

Depois de perder no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, ele ingressou com um recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal e recebeu, na semana passada, o parecer favorável do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Dorivan Marinho/SCO/STF


Janot defendeu que uma pessoa transgênero tem o direito de mudar o sexo de sua certidão de nascimento e outros documentos sem ter feito a cirurgia genital.

Lula Marques/Agência PT

Segundo o BuzzFeed Brasil apurou, Janot foi favorável a S.T.C. e defendeu que não haja, nos novos documentos, qualquer menção de que se trata de um transexual.

Rosinei Coutinho/SCO/STF


Alguns transexuais, que mudaram o gênero em seus documentos, só obtiveram o direito porque passaram por cirurgia de mudança de sexo. Segundo a advogada Maria Berenice Dias, que defende S.T.C., o parecer de Janot é "muito significativo" porque reforça a identidade de gênero.


A advogada Maria Berenice Dias.
Divulgação

A advogada Maria Berenice Dias.

O Supremo já decidiu que o caso se trata de um decisão de repercussão geral. Quando isso acontece, geralmente, o resultado se estende a todas as decisões dos juízes de todo o país.

Mario Tama / Getty Images

O relator do recurso extraordinário é o ministro Dias Toffoli. O processo corre em segredo de justiça e o nome do transexual foi preservado.

Ele entrou com o pedido porque o gênero de sua certidão de nascimento causava constrangimentos e problemas no trabalho.

José Cruz/Agência Brasil

"A Justiça não pode obrigar alguém a fazer uma cirurgia para mudar um documento", disse a advogada.

O caso corre desde 2012 no Supremo e, depois do parecer de Janot, deve ir a plenário para ser votado pelos ministros.

Veja mais:

Depois de 8 anos, lei que pune homofobia voltou à estaca zero no Congresso

Por que a criminalização da homofobia no Brasil é importante sim

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.