back to top

Secretário de Alckmin não tem base científica para ligar estupro à crise

Pesquisadores dizem que estão chocados com entrevista do novo titular da Segurança. Não existe pesquisa que comprove que desemprego pode estimular crimes sexuais.

publicado

A tese do secretário de Segurança Pública de São Paulo relacionando crise econômica com estupro deixou os pesquisadores sobre violência chocados. "Não tem nenhuma base até porque a Secretaria não levanta o estado psicológico do agressor", disse o autor do Mapa da Violência contra a Mulher, Julio Jacobo Waiselfisz.


"Esta é uma apreciação muito particular, uma opinião muito controversa e muito na contramão do que já se sabe sobre o tema", disse Jacobo ao BuzzFeed Brasil. O Mapa da Violência contra a Mulher foi divulgado no ano passado. Segundo o pesquisador, 60% dos crimes de violência sexual são cometidos por pessoas conhecidas pela vítima.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública também desconhece a ligação de uma coisa com a outra. "É possível relacionar alguns tipos de crimes patrimoniais, como roubos e furtos, com os ciclos econômicos. Mas não violência sexual", disse Renato Sérgio de Lima, vice-presidente da entidade.


A representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, afirmou que a violência contra a mulher "independe de poder aquisitivo, crise econômica, emprego ou desemprego" e que acontece em todas as esferas sociais.


Em email ao BuzzFeed, Nadine lembrou que em 2014 e 2015 foram registrados mais de 50 mil estupros no país e considerou esses índices "inaceitáveis em todo o mundo". A ONU Mulheres é a entidade da ONU para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres.

"A violência contra as mulheres é uma forma de dominação, controle e poder sexista que exige respostas o compromisso do poder público com a redução dos índices, prevenção e enfrentamento dos casos", disse a representante da ONU.

"O homem só comete estupro se achar que pode violar o corpo alheio. Quem dá essa concessão a ele é o machismo, não o desemprego", disse Arlene Martinez Ricoldi, pesquisadora sobre gênero da Fundação Carlos Chagas.


"Estupro não decorre do alcoolismo ou do desemprego. E a gente pode até ficar com medo se o secretário for demitido", disse a pesquisadora Camila Nunes Dias, da Universidade do Grande ABC e do Núcleo de Estudos da Violência, da USP.

Veja mais:

Tudo o que uma mulher precisa saber para fazer um aborto depois de um estupro

O secretário de segurança de SP disse que o aumento dos estupros é culpa da crise



Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss