back to top

Mãe acusa escola de transfobia contra sua filha de 13 anos em Fortaleza

Polícia investiga denúncia de que Escola Educar Sesc negou rematrícula da menina por ser transexual. Com a repercussão, instituição voltou atrás e pediu desculpas.

publicado

Mãe de uma menina transexual de 13 anos, Mara Beatriz acusou a Escola Educar Sesc, de Fortaleza, de transfobia. Em depoimento nas redes sociais nesta terça (21), ela afirmou que a filha, Lara, estuda no colégio desde os dois anos de idade, mas que teve sua rematrícula negada para 2018 e foi orientada a buscar "outra escola, que possa atender 'as necessidades' dela".

Mara Beatriz escreveu que a direção da escola admitiu que a Lara é "uma ótima aluna, com boas notas e comportamento". A mãe classificou o episódio como o "cúmulo da transfobia": "Simplesmente a expulsaram, a enxotaram".

Lara fez sua transição de gênero e, em agosto, ingressou na direção da escola com pedido de retificação dos documentos escolares. Ela e sua família têm sido ajudadas pelo Centro de Referência LGBT Janaína Dutra, de Fortaleza, para a obtenção dos documentos.

De acordo com Tel Cândido, coordenador do centro, a escola ainda não deu respostas formais sobre a documentação. Nesta quarta-feira, depois que Mara Beatriz ingressou com uma queixa na Delegacia de Crimes contra a Exploração de Crianças e Adolescentes (Dececa) e sua denúncia ganhou repercussão nas redes sociais, a escola voltou atrás.

Em nota à imprensa, o grupo Fecomércio de Fortaleza, responsável pela Escola Educar Sesc, afirmou que a matrícula da menina está garantida para 2018.

"O Sistema Fecomércio e a Escola Educar Sesc de Ensino Fundamental, em Fortaleza, repudiam qualquer atitude de preconceito. A Escola está averiguando os fatos e tomando as devidas providências. A premissa básica do Sistema Fecomércio-CE é inclusão e educação. Analisamos o caso e a aluna tem matrícula assegurada em 2018, como todos os veteranos", afirma a nota.

"Voltar atrás não diminui a gravidade do caso. Tudo isso tem de ser investigado. Uma criança foi lesada em seus direitos", disse Tel Cândido. A delegada Juliana Amaral, do Dececa, está investigando o episódio e ouviria ainda nesta quarta-feira a criança.

Em entrevista no mês passado jornal O Povo, Lara contou como foi sua transição de gênero. Escolas e instituições de ensino têm obrigação de retificar documentos com os nomes sociais das pessoas LGBT, de acordo com uma norma de 2015.

Ainda na tarde desta quarta, a Fecomércio divulgou uma segunda nota, desta vez com um pedido de desculpas para a família de Lara e para a menina. Lamentou que "qualquer atitude, fruto de preconceito ou desconhecimento, tenha causado sofrimento à família da Lara" e afirmou que "determinou imediata apuração e tomada de providências para o acolhimento da aluna, bem como a adoção de protocolos para que fatos semelhantes não voltem a acontecer".

Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Em parceria com