back to top

Deputado exaltou a família no impeachment, mas viu pai preso por corrupção

Caio Nárcio (PSDB-MG) é o segundo parlamentar que votou pela família na Câmara e teve o parente como pivô de escândalo de corrupção.

publicado

No dia da votação do impeachment de Dilma Rousseff, o deputado Caio Nárcio (PSDB-MG) dedicou seu voto: "Por um Brasil onde meu pai e o meu avô diziam que decência e honestidade não eram possibilidade, eram obrigação".

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com / Via Youtube

Caio Nárcio votou pelo impeachment como toda a bancada de seu partido.

Mas o pai do deputado que exaltou a decência no impeachment foi preso nesta segunda (30) em um caso envolvendo corrupção. Nárcio Rodrigues, o pai, é suspeito de usar uma obra pública de MG para arrecadar recursos ilegais para o PSDB.

PSDB-MG/Divulgação

Nárcio Rodrigues, ex-deputado e ex-presidente do PSDB-MG, teve a prisão temporária decretada pela Justiça por suspeito de usar obra pública para arrecadar para tucanos mineiros.

Nárcio Rodrigues, o pai, também foi deputado federal e chegou a presidir o PSDB em Minas Gerais. Ele foi preso nesta segunda-feira (30) por suspeita de captar recursos ilegais para campanhas tucanas em 2013 e 2014. Trata-se de uma prisão temporária (prazo de 5 dias) para instruir a investigação.

A defesa de Nárcio Rodrigues ainda não havia se manifestado até a publicação desta reportagem. O BuzzFeed Brasil ainda não conseguiu falar com o deputado Caio Nárcio.

A suspeita de corrupção recai sobre a Cidade das Águas, uma vitrine eleitoral do governo Antônio Anastasia (PSDB-MG), que hoje é senador.

Andressa Anholete / AFP / Getty Images

Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi o relator do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado, onde ela perdeu por 55 votos a 22.

A Cidade das Águas é o nome de um centro de educação e pesquisa aplicada em água e fica na cidade mineira de Frutal, base eleitoral da família de Nárcio Rodrigues.

Como senador, Anastasia é um nome importante no rito de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Ele é o relator do processo no Senado. Ele deixou o governo em 2014 para concorrer às eleições.

Em nota, o senador afirmou "não ter conhecimento dos fatos que levaram à operação do Ministério Público do Estado de Minas Gerais ". Segundo sua assessoria, "ele defende que quaisquer denúncias devam ser rigorosamente apuradas pelos órgãos competentes e julgadas na forma da Lei".

Este não é o primeiro caso de deputado que votou pela família e, depois, teve um parente preso por suspeita de corrupção. A deputada Raquel Muniz (PSD) chamou a atenção do Brasil "sim, sim, sim" para o impeachment.

Veja este vídeo no YouTube

youtube.com / Via Youtube

Raquel Muniz votou pelo impeachment como toda a sua bancada.

No voto, ela citou o marido, Ruy Muniz, que é prefeito de Montes Claros, como exemplo de que o "Brasil tem jeito". No dia seguinte ao elogio público, Ruy foi preso por suspeita de fraude em licitação da saúde.

No desabafo pelo Facebook, a deputada voltou a defender o marido, insinuando que ele é perseguido pelos investigadores: "Não há razão jurídica para a prisão preventiva do meu marido, o prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz, por não haver risco a ordem pública, nem perigo de fuga e nem haver qualquer indício de obstrução da justiça. Há, sim, razões de outras ordens, não republicanas, que justificam essa investigação".

Em parceria com

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss