back to top

Ator do MAM deu endereço de Paris e não deve depor na CPI dos Maus Tratos

CPI é presidida por Magno Malta, que já declarou considerar o Queermuseu “aquela aberração, aquela cristofobia, aquele deboche, aquela anarquia".

publicado

Depois que o ministro do STF Alexandre de Moraes autorizou que agentes da Polícia Federal conduzissem coercitivamente o curador Gaudêncio Fidélis, da exposição Queermuseu, para prestar depoimento na CPI dos Maus Tratos contra Crianças e Adolescentes, o presidente da comissão, senador Magno Malta (PR-ES), entrou em acordo com Fidélis para que a PF saísse de cena.

O depoimento está marcado para esta quinta-feira (23) no Congresso Nacional, mas Fidélis comparecerá sem escolta policial, apenas com a convocação obrigatória da CPI. Outro convocado, o bailarino Wagner Schwartz, que fez uma performance nu no MAM de São Paulo, não deverá comparecer.

Wagner Schwartz em "La Bête".
Caroline Moraes/Divulgação / Via wagnerschwartz.com

Wagner Schwartz em "La Bête".

Segundo a assessoria de Malta, Schwartz forneceu um endereço de Paris, um contrato de locação de imóvel em seu nome na capital francesa, e a CPI ainda não decidiu como será feita a sua audiência. Magno Malta havia pedido a condução coercitiva de Schwartz, o que foi negado pelo ministro Alexandre de Moraes, uma vez que o bailarino ingressou com um habeas corpus.

A alegação do artista é que a convocação inicial da CPI foi pelo endereço do MAM e que Schwartz não tem nenhum vínculo com o museu, onde apenas exibiu sua performance durante uma mostra de arte, em setembro.

A performance "La Bête" gerou polêmica porque, nu, o bailarino foi tocado no pé por uma criança, que estava acompanhada da mãe. Magno Malta convocou a mãe da criança para um depoimento, que ocorreu no mês passado.

"Se aquela cena é feita dentro de um quarto, com um avô deitado com uma criança mandando tocar nele, ele é preso na hora", disse o senador para a mãe, durante o depoimento dela. Na exibição, o bailarino fica inerte, como um objeto articulado.

Sobre a exposição Queermuseu, que foi cancelada em setembro pelo Centro Cultural Santander, em Porto Alegre, e cuja curadoria é de Gaudêncio Fidélis, Magno Malta aproveitou a oitiva da mãe da criança para opinar: “aquela aberração, aquela cristofobia, aquele deboche, aquela anarquia", disse em 24 de outubro.

Gaudêncio Fidélis.
Reprodução

Gaudêncio Fidélis.

"O objetivo do senador desde o princípio é montar um circo. A CPI se transformou em um instrumento para perseguição dos artistas e criminalização das artes", disse o curador Gaudêncio Fidélis ao BuzzFeed News.

Para Fidélis, a condução coercitiva fazia parte do que ele considera "o circo". "É uma atitude muito autoritária, que agride meus direitos como cidadão", disse o curador. Ele havia ingressado com um pedido de habeas corpus para se livrar da coercitiva, assim como o bailarino, mas, no caso dele, Alexandre de Moraes negou. O jeito foi negociar com o próprio Magno Malta.

"Cena de interior II", obra de Adriana Varejão de 1994, que fazia parte da exposição do Santander.
Eduardo Ortega / Acervo Atelier Adriana Varejão / Cortesia Atelier Adriana Varejão

"Cena de interior II", obra de Adriana Varejão de 1994, que fazia parte da exposição do Santander.

O senador, por meio de sua assessoria de imprensa, rebateu a crítica do artista, questionando se Gaudêncio Fidélis queria ofender a CPI ou os artistas circenses ao usar a expressão e afirmou que a CPI cumpre seu papel dentro dos limites legais.

A exposição Queermuseu será retomada no ano que vem, em uma exposição no Parque Lage, no Rio, disse Gaudêncio Fidélis. "A exposição começou a ser gerada em 2010. Foi amadurecendo, depois foram dois anos de planejamento e um ano de trabalho. São 263 obras", contou o curador.


Veja também:

Veja 30 obras da exposição censurada no Santander Cultural (dentro do contexto) e tire suas próprias conclusões


Tatiana Farah é Repórter do BuzzFeed e trabalha em São Paulo. Entre em contato com ela pelo email tatiana.farah@buzzfeed.com.

Contact Tatiana Farah at Tatiana.Farah@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.