back to top

Pedimos que as pessoas ilustrassem sua inadequação de gênero

"Olhar no espelho, nos dias em que tenho coragem o suficiente para isso, pode destruir a construção daquilo que sinto sobre mim."

publicado

O desconforto físico e emocional associado à disforia de gênero pode ser quase impossível de descrever para alguém que nunca o tenha experimentado. Este tipo particular de disforia é frequentemente definido como uma condição em que um indivíduo experimenta desconforto ou sofrimento porque sua identidade de gênero não corresponde ao gênero que lhe foi atribuído no nascimento. Mas como a disforia de gênero realmente é sentida?

Pedimos que as pessoas ilustrassem sua disforia do jeito que elas preferissem. Aqui estão algumas das apresentações de arte que recebemos:

"Para mim, o meu gênero atribuído sempre foi uma caixa em que me colocaram sem a minha permissão."

Cael

"Eu não desenho particularmente bem, então enviei um dos bordados que faço. Acho que é muito mais fácil conseguir o que eu quero usando linhas.

"Para mim, o meu gênero atribuído sempre foi uma caixa em que me colocaram sem a minha permissão. É limitante e sufocante, e na maior parte da minha vida obscureceu completamente quem eu era, como uma nuvem de rosa que esconde as minhas cores internas do mundo. Muitas vezes parece que eu nunca vou conseguir sair da caixa de verdade, então eu faço o meu melhor para mudar suas cores e fazer da caixa um lugar em que eu possa sobreviver.

"Alguns dias são melhores do que os outros, e eu estou ficando cada vez melhor em empurrar o rosa para trás, mas ele está sempre tentando recuperar o terreno perdido. Ainda é tudo que algumas pessoas conseguirão ver quando olham para mim."

—Cael

Publicidade

"Há muitas coisas que meu corpo faz muito bem — ele apenas teve o conjunto errado de blocos de construção quando estava desenvolvendo sua aparência."

Felixkattenvoer.tumblr.com

"'Estar preso no corpo errado' nunca foi uma frase que realmente mexeu comigo, porque eu acho que isso define meu corpo da maneira errada. Há muitas coisas que meu corpo faz muito bem — ele apenas teve o conjunto errado de blocos de construção quando estava desenvolvendo sua aparência.

"Eu simpatizo com o meu corpo, porque não só eu, mas todos ao meu redor, continuam insistindo em alguns erros pequenos que ele cometeu — mesmo que ele tente muito corrigir esses erros. Vamos todos apenas dar uma folga ao meu corpo. Não ajam como se cada um de vocês não tivessem algo em seu corpo que não gostam. Acontece que o meu é um pouco mais contraditório em relação ao que eu sou."

—Felix

"Para mim, a disforia vem principalmente dos olhares e das palavras das pessoas."

Pimeälex / Via yami-pimeartsies.tumblr.com

"Para mim, a disforia vem principalmente dos olhares e das palavras das pessoas. Eles me veem como uma 'menina' e me chamam assim — mesmo do jeito mais inocente — simplesmente porque eles não sabem. Ser chamado assim, por causa da forma do meu corpo, dá a sensação de estar preso em um envelope apertado feito de estereótipos e expectativas de 'menina'. Um 'traje de menina' que está lentamente me sufocando. Quanto mais me chamam de menina, mais o 'traje de menina' assume o controle, cobrindo meu verdadeiro eu, minhas cores reais."

—Pimeälex

"Conforme eu caminho, as pessoas tendem a olhar para mim e eu sinto que estou andando com a bunda de fora em uma calçada andando para lugar nenhum, com olhos de desaprovação me observando e me julgando o caminho todo."

Wriply Bennet

"A disforia não é uma coisa só para mim, é uma combinação de coisas que eu acho estão acontecendo e coisas que realmente estão acontecendo, e elas se acumulam ao longo do dia.

"Eu estaria me preparando para sair de casa para o trabalho ou algum divertimento com amigos, e enquanto me arrumo eu vejo algo errado em meu rosto no meu reflexo e automaticamente imagino o que as pessoas veem conforme eu ando na rua... e eu só quero deitar e beber. Mas eu tenho um compromisso, então eu tenho que sair de casa. Conforme eu caminho, as pessoas tendem a olhar para mim e eu sinto que estou andando com a bunda de fora em uma calçada andando para lugar nenhum, com olhos de desaprovação me observando e me julgando o caminho todo. Isso se acumula até o ponto em que estou tonta e não posso dizer se estou dormindo ou acordada, envolta em uma névoa escura.

"Quando eu chego ao meu destino, seja uma loja, um bar ou uma farmácia, e eles pedem o RG (e meu RG ainda tem meu nome de nascimento e o gênero errado) eu posso ver a mudança em suas expressões, ouvir em suas vozes ou ver a surpresa em seus olhos. Parece que meu RG simplesmente murmura um monte de bobagens masculinas e meu coração cai em meu diafragma, e eu fico tipo...DROGA, DESCOBRIRAM!!!

"É o suficiente para te enlouquecer, mas há pessoas que te trazem de volta e te lembram que você é mais do que sua disforia, e isso também passará."

—Wriply

"Eu não deveria estar usando batom ou delineador tendo pelinhos bonitos no meu queixo e lábios."

caramelofields.tumblr.com

"Ao ver minha disforia correr pelo meu corpo eu faço o meu melhor para me separar do condicionamento social. Eu não deveria estar usando batom ou delineador tendo pelinhos bonitos no meu queixo e lábios. Devo ficar quieto. Devo ser uma femme mágica que faz todo o trabalho emocional. Minha masculinidade e eu só podemos nos encontrar em privacidade.

"Meu trabalho emocional acaba sendo dividido entre o trabalho femme e sobreviver num mundo branco-cis hetero sendo uma pessoa trans não-binária negra. Isso é muito. O binário é muito. Minha masculinidade é tão feminina quanto pode ser. Eu não posso e não me atrevo a separar minha masculinidade da minha feminilidade... É difícil me controlar quando tudo fora de mim eu não posso controlar. A única coisa que eu posso controlar é a maneira como eu me cuido.

"Então, o que eu faço?! Eu agarro um pouco de lavanda que eu gentilmente coloco em minhas mãos. Eu sussurro afirmações e inalo a lavanda. Eu deixo meu corpo sentir as emoções que ele precisa para se sentir melhor, crescer, nutrir. Eu visto minhas emoções ao mesmo tempo que simultaneamente me faço o mais visível possível externamente. Eu não me atrevo a ser invisível enquanto continuo a existir sob estas circunstâncias dolorosas. Vou celebrar minha tristeza chorando mais, me amando mais radicalmente. Eu não me atrevo a deixar ninguém condicionar e normalizar suas fobias e papéis de gênero em mim. Ousarei existir como um mágico Trans femmeboi Não-Binário. Ousarei questionar o binário."

—Car-oh

Publicidade

"Olhar no espelho, nos dias em que tenho coragem o suficiente para isso, pode destruir a construção daquilo que sinto sobre mim."

wileyreading.com

Eu acordo de manhã e passo minhas mãos sobre meu corpo. Ele nunca parece exatamente da maneira que deveria. Olhar no espelho, nos dias em que tenho coragem o suficiente para isso, pode destruir a construção daquilo que sinto sobre mim.

"Minhas roupas nunca são certas. O banho é a parte mais chocante do meu dia — quando eu ensaboo minhas coxas e peito e faço o máximo para manter a imagem mental que tenho de quem eu realmente sou e não a versão flácida, gordinha e macia de mim mesmo que sinto sob o água corrente."

—Wiley Reading

"É quase como se eu tivesse esses balões de água presos em mim e eu não pudesse tirá-los."

chari-artist.tumblr.com

"Normalmente eu sou bastante autoconsciente sobre minha aparência bruta, mas eu tinha um desejo de ilustrar como sinto meu corpo da minha perspectiva interior, e tornou-se um retrato honesto de mim mesmo. Uma mistura de como me pareço e como me sinto. Quando penso no meu peito como ele é atualmente, me sinto incrivelmente estranho. É quase como se eu tivesse esses balões de água presos em mim e eu não pudesse tirá-los. Espero que um dia eu possa resolver isso...mas, até lá, é algo com que eu me encontro lutando de vez em quando. Alguns dias são melhores que outros."

—Anônimo

"Eu ouço o zumbido nos meus ouvidos, minha cabeça não para de zumbir e meu rosto queima de vergonha porque meu rosto é redondo, ou porque sou muito pequeno, ou porque meus quadris são mais largos do que os de um menino."

andromedaichi.tumblr.com

"Disforia para mim é se sentir como um emaranhado. Tudo é enrolado, e eu me sinto nojento na minha pele. Eu ouço o zumbido nos meus ouvidos, minha cabeça não para de zumbir e meu rosto queima de vergonha porque meu rosto é redondo, ou porque sou muito pequeno, ou porque meus quadris são mais largos do que os de um menino. Eu sinto vontade de chorar, e eu me odeio e odeio o corpo em que nasci. Eu continuo me lembrando o quão feminino eu pareço ou como ninguém nunca vai usar meus pronomes preferenciais por causa da minha aparência. Eu gostaria de ter nascido em um corpo diferente. Eu gostaria de não me sentir tão enrolado."

—Anônimo

"Minha disforia é obrigatória todos os dias só para que eu possa me concentrar em minha tarefa escolar porque eu não posso olhar para a minha tarefa sem ver os meus seios."

Provided to BuzzFeed

"Minha disforia não é se sentir como um homem porque as únicas afirmações que recebo são na escola. Minha disforia é obrigatória todos os dias só para que eu possa me concentrar em minha tarefa escolar porque eu não posso olhar para a minha tarefa sem ver os meus seios. Disforia, para mim, é se sentir inválido porque o questionamento nunca vai embora, porque a ideia de que eu não sou um homem é batida em mim diariamente com troca de gênero proposital e agressões verbais."

—Jameson

Publicidade

"Eu não sinto que há uma maneira 'certa' para qualquer corpo ser, e eu valorizo as formas como os corpos são estranhos, indecifráveis e incontroláveis".

"Estes são alguns desenhos que eu fiz perto do ano em que eu estava decidindo, me preparando e me recuperando da cirurgia dos seios. Eu me identifico como não-binário e genderqueer, então para mim, decidir sobre uma intervenção médica para minha disforia não parecia tão simples quanto as narrativas mais comuns que ouvimos de pessoas trans — 'o corpo que eu nasci para ter' ou 'como eu me vejo por dentro' ou qualquer coisa assim. "Eu não sinto que há uma maneira 'certa' para qualquer corpo ser, e eu valorizo as formas como os corpos são estranhos, indecifráveis e incontroláveis". Então isso me ajudou muito a classificar meus sentimentos sem palavras, apenas tentando existir no meu corpo, prestar atenção e fazer um pouco de arte."

—Jesse Harold

"Um autorretrato livre exibindo o meu desejo de me livrar da minha disforia: social, física e mental."

gardenstar.tumblr.com

"Um autorretrato livre exibindo o meu desejo de me livrar da minha disforia: social, física e mental."

—Jay Atlas Alexander

"É paranoia, depressão, ansiedade, inveja, desgosto, raiva; são todas as emoções que ninguém gosta de sentir."

Jonny Caius Rose

"Disforia de gênero é tristeza. É paranoia, depressão, ansiedade, inveja, desgosto, raiva; são todas as emoções que ninguém gosta de sentir. Disforia de gênero é se trocar 10 vezes antes de sair de casa e ainda não se sentir confortável em sua própria pele. Disforia de gênero é não querer sair da cama. Disforia de gênero é se sentir sem esperança e perdido.

"Não há nada bonito na disforia de gênero, é o mais feio e mais triste que já me senti e eu nunca desejaria esses sentimentos nem mesmo para meus inimigos mais odiados."

—Jonny

"Essas peças mostram apenas o quanto de diferença usar uma faixa faz para mim. Deixa-me sentir um pouco menos enjaulado."

"Esta peça mostra alguém preso pelos desejos dos outros, os limites da sociedade e a luta interna e sempre presente para ser feliz. Esta peça tem me ajudado a compartilhar uma das partes mais escondidas de mim mesmo, uma peça que eu tenho mantido enjaulada para ajudar o conforto dos outros. Mas minha felicidade e saúde agora são prioridade e aqui estou. Espero que isso ajude a falar com outras pessoas que se sentem como eu. Meu peito envolve muita disforia para mim, e eu estou tentando encontrar maneiras de estar confortável na minha pele. Essas peças mostram apenas o quanto de diferença usar uma faixa faz para mim. Deixa-me sentir um pouco menos enjaulado."

—Giselle KC-West

Publicidade

"Eu sinto que estou flutuando acima do meu corpo, separado dele."

rosssketches.tumblr.com

"Minha mente lida com a disforia de forma estranha. Eu sou uma pessoa transmasculina, e eu quase sempre me sinto desconectado do meu corpo, como se eu não tivesse um ou como se eu nem estivesse no meu corpo. Porque o meu cérebro não parece reconhecer meu corpo como meu, eu não sinto disforia intensa sobre o que parece 'errado' nele.

"No meu desenho, a nuvem em torno da minha cabeça representa minha alma, ou a minha consciência, flutuando acima do meu corpo. É assim que eu me sinto quase todos os dias; na escola, durante meu tempo livre e mesmo quando estou fazendo as coisas que eu gosto. Eu sinto que estou flutuando acima do meu corpo, separado dele.

"As marcas vermelhas no meu corpo são minha luta com a dermatillomania, ou beliscar a pele. Todos os dias, eu cedo à sensação de que preciso pegar e esfregar minha pele. Através de algumas pesquisas, descobri que esses tipos de distúrbios são frequentemente associados com disforia e dismorfia corporal. As marcas em meu desenho estão nos lugares exatos que estão no meu corpo real. Eu as inclui para mostrar que disforia é muito mais do que apenas se sentir desconfortável — ela pode ter um grande impacto na vida cotidiana de uma pessoa."

—Anônimo

"Eu sinto que a cada dia, a cada minuto, eu tenho que lutar e sinto que todas essas coisas estão me arrastando para baixo, ameaçando minha saúde mental."

lizdrawsgals.tumblr.com

"Tudo que me lembra do meu corpo é como um grande soco no rosto, quer se trate de coisas que eu noto em mim (características do corpo, voz, etc.) ou coisas que eu noto que não tenho, mas mulheres cis têm. Eu sinto que a cada dia, a cada minuto, eu tenho que lutar e sinto que todas essas coisas estão me arrastando para baixo, ameaçando minha saúde mental. No entanto, ao mesmo tempo, eu tenho que colocar uma máscara e fingir que tudo está bem, então ninguém sabe o que está acontecendo sob a superfície."

—Liz