back to top

Procuradoria trabalhou no recesso para acelerar novos inquéritos contra políticos

Contando com homologação, Rodrigo Janot já está com quase tudo pronto para apertar o botão do fim do mundo a partir da delação da Odebrecht.

publicado

Apelidada de delação do fim do mundo, os frutos da colaboração da Odebrecht não vão demorar a aparecer.

Contando com a homologação, que acabou sendo feita por Cármen Lúcia nesta segunda-feira, procuradores já vinham trabalhando em cima dos depoimentos dos executivos da maior empreiteira do país.

Rodrigo Janot
Andressa Anholete / AFP / Getty Images

Rodrigo Janot

Por isso, nos próximos dias o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tomará uma série de medidas a partir das delações.

A maior parte do material será enviado a instâncias inferiores para a instauração de novos inquéritos e para instrumentalizar processos já abertos, como aqueles contra Lula, Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff e ex-integrantes do governo do PT, por exemplo.

Outra parte, com foco no PMDB, PP e PSDB, deve seguir no STF, uma vez que os caciques de tais siglas possuem foro privilegiado.

O material será usado tanto para robustecer investigações em andamento quanto para a formulação de novos pedidos de abertura de inquéritos, como acontecerá com o senador Aécio Neves, entre outros políticos.

Segundo procuradores ouvidos pelo BuzzFeed, o trabalho durante o recesso fará com que a formalização de investigações a partir das delações da Odebrecht sejam rápidas.

Aécio Neves
Andressa Anholete / AFP / Getty Images

Aécio Neves

O sigilo do material, no entanto, deve ir na contramão do que muitos esperam (e nesse ‘muitos’ estão o governo e a própria Odebrecht).

Como as delações vão resultar em pedidos de quebras de sigilos e buscas e apreensões, parte do material seguirá por um bom tempo longe dos olhos do público.

A tendência é que trechos das delações venham à tona à medida que novos inquéritos sejam abertos e informações sejam enviadas para investigações em andamento.

Ou seja, de um jeito ou de outro, a revelação das delações – fora vazamentos – será feita paulatinamente, o que apavora o governo.

No Palácio do Planalto, a avaliação é que a divulgação paulatina gera uma espécie de crise permanente, inviabilizando a governabilidade no Congresso (onde muitos são citados) e, consequentemente, a economia.

Devido a isso, tudo o que Michel Temer queria era que as delações viessem à tona de uma vez.

Nesse caso, seria como 'apanhar somente numa ocasião' e, depois disso, fazer substituições e seguir com a administração.

O mesmo raciocínio é usado pela Odebrecht, que não quer ver sua marca semana após semana associada à corrupção, especialmente num momento em que a empresa está prestes a alcançar seu objetivo maior: a conclusão de seu acordo de leniência.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Severino Motta at severino.motta@BuzzFeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Você já tem o app do BuzzFeed Brasil?

Baixe gratuitamente no Android e no iOS para ver todos os nossos testes, vídeos, notícias e muito buzz.