back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Janot faz novo pedido de prisão contra Rocha Loures, o ‘homem da mala de propina’

No novo pedido, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, diz que único obstáculo para a prisão era o fato de ele estar na condição de deputado e só poder ser preso em flagrante. Com a volta de Osmar Serraglio para a Câmara, Loures perdeu a cadeira no parlamento e tal impedimento passou a inexistir.

publicado

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou um novo pedido de prisão contra Rocha Loures, o ex-assessor especial de Michel Temer que foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil da JBS.

Na peça enviada ao Supremo, Janot pede que o ministro do STF Edson Fachin reconsidere sua decisão inicial que, na deflagração da operação Patmos, disse que todos os requisitos para o encarceramento provisório de Loures estavam presentes, mas a condição de deputado impedia a detenção.

Naquela ocasião, Loures ocupava uma vaga na Câmara por ser suplente de Osmar Serraglio (PMDB-PR).

No entanto, com a demissão de Serraglio do Ministério da Justiça e sua volta à Câmara, Loures perdeu sua cadeira no parlamento e sua condição de deputado.

No dia da operação Patmos, Fachin disse o seguinte ao negar o primeiro pedido de prisão:

“A envergadura lesiva dos delitos contra a Administração Pública também admite a adoção de medida extrema. De tal modo, a periculosidade social associada a condutas de tal jaez pode configurar risco à ordem pública, descabendo potencializar a ausência de violência como se significasse, necessariamente, ausência de proporcionalidade da medida gravosa.

Tais considerações são suficientes para demonstrar a imprescindibilidade da prisão preventiva do referido parlamentar.”

Após isso, Fachin explicou que só não prendeu Loures devido à sua condição de parlamentar, uma vez que deputados só podem ser presos em flagrante.

O ministro do STF pode agora, a qualquer momento, analisar o pedido e decidir se prende Loures provisoriamente ou o mantém solto.

A possibilidade de prisão assusta o Palácio do Planalto, uma vez que, preso, ampliam-se as chances de Loures fechar um acordo de colaboração premiada.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Filipe Coutinho é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Contact Filipe Coutinho at filipe.coutinho@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.