back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Governo corre para tentar aprovar reforma da Previdência no início de junho

E o balcão de negociações do Planalto está funcionando em sistema de plantão...

publicado

O governo Michel Temer encampou a estratégia de mobilizar sua base na Câmara dos Deputados para votar a reforma da Previdência ainda na primeira semana de junho.

O balcão de negociações está funcionando em sistema de plantão: como a distribuição de cargos e a renegociação de dívidas de empresas, exigências de deputados para reduzir a resistência à proposta.

A pressa do governo tem motivo: devido às festas juninas, a base entende que a primeira semana de junho é o limite para a aprovação da PEC da Previdência.

Isso porque, após a data, o Congresso será esvaziado pelos festejos de junho, em especial pela ausência de deputados do Nordeste, que não podem perder as festas sob pena de serem punidos nas urnas.

Depois disso, o Congresso estará próximo do recesso e, no próximo semestre, com negociações políticas para 2018 sendo feitas, deputados vão querer correr de um tema que hoje é considerado por eles como negativo e potencial redutor de votos.

Apesar do apertado calendário, a estratégia do governo, que envolve a renegociação dívidas de produtores rurais, para prefeituras e estados, juntamente com o atendimento a pedidos de cargos por deputados têm surtido efeitos positivos.

Hoje, ainda não há 308 deputados favoráveis à reforma, mas governistas dizem que conseguiram reverter alguns dos deputados contrários à matéria nos últimos dias.

O problema — além de ainda ter de correr atrás de mais votos — será lidar com as possíveis traições.

Em conversas reservadas com o BuzzFeed Brasil, dois deputados que foram contemplados com cargos disseram que, apesar disso, vão se posicionar contra a matéria quando ela chegar ao plenário.

Dizem estes deputados, que são da base mas acreditam que a matéria será rejeitada, que após a derrubada do texto, o Brasil precisará continuar. Em outras palavras, comentam que seus apaniguados ainda devem ter um bom tempo na máquina antes de serem exonerados após a apreciação da previdência.

Como ainda não possuem os 308 votos, governistas travam agora uma guerra de versões no Congresso.

Para minimizar o impacto das críticas à PEC por integrantes da base, dizem que estão orientando deputados que votarão a favor a fazerem manifestações contrárias à reforma para acalmar seus eleitores e não serem alvo de críticas antes do momento necessário.

Fora tais versões e discursos políticos, o que há de concreto hoje é a não existência dos 308 votos e o governo Michel Temer apostando todo o seu futuro nesta reforma.

No Palácio já se fala abertamente que, caso a PEC não seja aprovada, restará ao governo uma sobrevida até 2018 com um final melancólico.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Got a confidential tip? Submit it here.