back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Congresso deve ser ouvido em cautelares contra parlamentares, decide STF

Após empate em cinco a cinco, Cármen Lúcia deu voto decisivo e arrefeceu briga entre os Poderes.

publicado

Com voto decisivo da presidente do STF, Cármen Lúcia, o STF disse hoje que a última palavra sobre afastamento cautelares de parlamentares não é do Supremo, mas sim do Congresso.

Com isso, a presidente da corte arrefeceu o clima de crise entre os Poderes e abriu caminho para que o Senado salve o mandato de Aécio Neves (PSDB-MG), que está afastado de suas funções devido ao recebimento de R$ 2 milhões do empresário preso Joesley Batista.

O julgamento, que acontece desde 9h30 da manhã, teve início com o voto do ministro relator, Edson Fachin, que acabou derrotado.

Ele defendeu que o Congresso só deve ser ouvido em casos de prisão em flagrante de parlamentares, sendo permitida aplicação de cautelares.

De acordo com o ministro, o afastamento de mandatos e medidas como recolhimento noturno, para evitar que congressistas cometam crimes ou atrapalhem investigações, deveriam ser permitidas e aplicadas pelo STF sem a necessidade de se ouvir o Parlamento.

Logo depois dele, foi a vez do ministro Alexandre de Moraes votar. Ele abriu a divergência e disse que é preciso se preservar mandatos e o próprio Congresso.

Em sua compreensão, como o Parlamento deve votar prisões em flagrante, também deve fazer o mesmo para autorizar cautelares, uma vez que há prejuízo no exercício do mandato e consequentemente na representação popular.

A maioria formada contou, além de Moraes, com os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e de Cármen Lúcia.

Vencidos, ficaram os ministros Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Celso de Mello.

Severino Motta é repórter do BuzzFeed News, em Brasília

Got a confidential tip? Submit it here.