back to top

We’ve updated our privacy notice and cookie policy. Learn more about cookies, including how to disable them, and find out how we collect your personal data and what we use it for.

Uma vítima do pornô de vingança liberou seus próprios nus para voltar a ser dona da sua imagem

"Eles se deliciavam com meu sofrimento", ela disse. O BuzzFeed News falou com a mulher que enfrentou aqueles que não têm respeito pelo consentimento.

publicado

É uma experiência que a ativista dinamarquesa Emma Holten conhece muito bem. Com 17 anos, Holten descobriu que suas fotos nuas privadas haviam sido compartilhadas na internet. Depois de muitos anos, ela escreveu:

Em uma manhã comum de outubro de 2011, eu não conseguia acessar meu email ou meu Facebook. Não pensei em nada estranho naquele momento – eu esqueço minhas senhas toda hora – e simplesmente tentei de novo. Haviam centenas de mensagens e emails esperando por mim.

Mensagens e emails com fotos minhas.

Uma: eu, nua, no quarto escuro do meu ex-namorado. Dezessete anos, um pouco esquisita, ligeiramente curvada para frente: um tentativa inofensiva de parecer sexy.

Outra: dois anos mais tarde, no meu quarto em Uppsala, Suécia. Mais velha, um pouco mais confiante, mas não muito.

Estava claro o que havia acontecido: as fotos agora estavam online.

Holten não sabia quem havia compartilhado suas fotos privadas. Mais tarde, ela descobriu que as fotos foram enviadas para diversos sites e começou a receber mensagens de estranhos:

SEUS PAIS SABEM QUE VOCÊ É UMA VADIA?

VOCÊ FOI DEMITIDA?

QUAL É A HISTÓRIA POR TRÁS DISSO?

QUEM FEZ ISSO COM VOCÊ?

ENVIE-ME MAIS FOTOS NUAS OU EU VOU MANDAR AS QUE EU TENHO PARA O SEU CHEFE.

Publicidade

As mensagens eram de homens de todo o mundo – "adolescentes, universitários, pais de família" – que, conforme ela escreveu, sabiam que as fotos haviam sido compartilhadas contra a sua vontade.

Eles sabiam que era contra a minha vontade e que eu não queria estar nesses sites. A percepção de que a minha humilhação os excitava me fazia sentir que tinha uma corda em volta do meu pescoço. O fato de as fotos terem sido postadas sem meu consentimento era erótico, eles se deliciavam com o meu sofrimento.

Quando suas fotos vazaram, ela culpou seu corpo por sentir a humilhação.

Eu gastei muito tempo pensando sobre como eu poderia parar de odiar meu corpo. Eu o culpei pela minha humilhação. Por que ele fez com que as pessoas me tratassem daquela forma? Algum dia eu vou conseguir olhar para mim mesma e ver um ser humano?

Três anos mais tarde, em uma tentativa de recuperar a autoridade sobre a sua própria imagem, Holten decidiu posar nua em uma tentativa de "reumanizar seu próprio corpo nu e de outras pessoas".

Publicidade

Ela e a fotógrafa Cecilie Bødker decidiram fazer as fotos nuas com a intenção de torná-la um ser sexual, em vez de um objeto.

Ela lançou as fotos juntamente com seu artigo discutindo a ideia, chamado de "Projeto CONSENTIMENTO".

Mas Holten não quer contar apenas sua história pessoal – ela quer dar foco ao assédio, à objetificação e ao abuso que todas as vítimas, como ela própria, vivenciaram.

"O que temos em comum, na verdade, é a mentalidade destrutiva com a qual nos deparamos. O desprezo descarado pelo nosso consentimento e nossa individualidade", ela disse ao BuzzFeed News. "Meu artigo fala sobre isso. Pornô não consensual não é apenas o ato de compartilhar as fotos em si, é a constante falta de respeito pelo consentimento de jovens mulheres. A sexualização do nosso abuso. É sobre isso que o artigo fala".

A resposta ao "Projeto CONSENTIMENTO" teve muita aprovação e também críticas.

Muitas pessoas se sentiram inspiradas e empoderadas com o projeto", ela disse. "Muitos outros chamaram as novas fotos de 'eu fazendo comigo mesma o que já haviam feito a mim' e 'contraintuitivo', controverso. Eu digo: Ativismo político deve ser contraintuitivo!"

Apesar das críticas, Holten disse que ela estava determinada a começar um diálogo sobre o porquê do corpo nu de uma mulher ser visto como algo vergonhoso.

"As pessoas parecem pensar que o pornô de vingança é a pior coisa que você pode fazer porque o corpo nu é vergonhoso, porque associar nudez com ser uma pessoa séria, pensante e merecedora de respeito é algo conflituoso", ela disse.

Ela acrescentou que sente que aqueles que vão atrás das suas fotos – e as de outras vítimas – fazem parte da "desumanização do corpo feminino".

"Fazer isso é esquecer que essas mulheres são pessoas que, ao fazerem poses sexys para uma pessoa, não se tornam objetos sexuais. Fazer isso é o mesmo que esquecer que ninguém é merecedor de ser reduzido a um objeto".

Hoje, Holten quer que os leitores do seu "Projeto CONSENTIMENTO" foquem somente nisso: consentimento.

"Pornô não consensual é um problema sério porque ele ganha força não de uma pessoa que lança uma foto ou vídeo, mas das milhares de pessoas que continuam a negligenciar o direito da vítima ao consentimento", ela disse.

Ela acrescentou que o problema do consentimento online deverá ganhar importância com o tempo.

"Nós precisamos ter essa discussão agora. Ela é urgente. As pessoas estão se matando e sendo excluídas de suas comunidades. Isso não se trata apenas de pornô não consensual, mas do seu direito de discutir anonimamente sua sexualidade, vida pessoal, segredos, afiliação política e tudo o mais, sem medo de ser assediado".

O último recado de Holten sobre o problema? "Respeite as mulheres e não nos trate como objetos sexuais que precisam provar que merecem mais".