back to top

Este pai foi expulso do YouTube após fazer vídeos perturbadores de suas filhas

O canal no Youtube de Greg Chism, que mostrava suas filhas gritando de medo, vomitando, fazendo xixi nas calças e tomando banho, tinha mais de 8 milhões de inscritos antes de ser fechado. Aviso: este post contém imagens perturbadoras.

originalmente publicado em
atualizado em

Um pai solteiro ganhou popularidade no Youtube ao criar um canal com vídeos de suas filhas gritando de medo, tomando banho, fingindo ser bebês, vomitando, sendo forçadas a comer e fazendo xixi nas calças.

O canal Toy Freaks, de Greg Chism, chegou a ter mais de 8 milhões de inscritos e foi denunciado por conter vídeos perturbadores que beiravam o "abuso infantil".

Why is Toy Freaks allowed to exist? It's child abuse - ppl have been complaining for years yet @YouTube does nothing https://t.co/K0MIJXrnKj

"Como o Toy Freaks tem autorização para existir? É abuso infantil – as pessoas reclamam do canal há anos e o YouTube não faz nada"

Publicidade

Em uma declaração dada ao BuzzFeed News, um porta-voz do YouTube disse: "Levamos a segurança infantil extremamente a sério e possuímos políticas bem claras contra expor crianças ao risco".

"Recentemente fortalecemos o cumprimento dessas políticas para derrubar conteúdos que mostrem menores", afirmava a declaração. "Nem sempre está claro se a pessoa que fez o vídeo tinha a intenção de violar as regras, mas ainda assim removemos conteúdos para ajudar a proteger os expectadores (...) Fechamos o canal Toy Freaks por violar nossas políticas. Iremos conduzir uma análise mais profunda do conteúdo associado ao canal juntamente com a instituição Trusted Flaggers”.

O BuzzFeed News baixou alguns vídeos desses canais antes que eles fossem removidos da plataforma. Em pelo menos dois deles, Chism entra no banheiro para assustar suas duas filhas, Annabelle e Victoria, enquanto elas estavam tomando banho.

Ele conta que tem uma surpresa e pergunta se elas querem ver.

"Não", responde Annabelle, com dúvida.

Então, conforme o balde se aproxima da água, ela diz de novo, "Não" e sai de perto. "Não, pai, pare!", grita.

Ela continua a gritar, enquanto se mexe na beira da banheira. "Papai, pare!", grita de novo, começando a chorar.

"Ele é um sapo sujo", diz o pai antes de tirar o animal de perto das meninas.

Em um cenário parecido, o pai entra no banheiro com outro animal enquanto as meninas tomam banho. Antes de entrar, ele segura uma lagosta e diz: "Quando as meninas estão brincando na banheira, elas sabem que provavelmente vou colocar algo lá. Mas não é uma cobra ou sapo dessa vez".

Publicidade

Quando o pai se aproxima da porta do banheiro, Annabelle está se escondendo atrás de sua irmã mais velha. "Tira isso daqui! Tira isso daqui!", grita, entrando em pânico.

Muitos dos vídeos de Toy Freaks mostram Chism e suas filhas se fantasiando e fingindo ser bebês – vomitando e urinando.

Em um vídeo, Annabelle tosse após vomitar o que sua irmã mais velha diz ser comida de bebê.

"Acho que preciso de água", diz Victoria, depois de dar a comida na boca da irmã mais nova.

Outro vídeo mostra mais cenas relacionadas às funções corporais. Annabelle novamente cospe as coisas; dessa vez espaguete e giz de cera.

Publicidade

Em uma declaração para o BuzzFeed News, Chism disse que está "trabalhando diretamente" com o YouTube para resolver a situação.

"No dia 16 de novembro, o Youtube atualizou o YouTube Kids e as orientações para a comunidade para permitir normas mais fortes e a possibilidade de pais denunciarem vídeos", disse. "Mais tarde nesse dia, três de nossos vídeos que não sabíamos que estavam no YouTube Kids foram denunciados pela comunidade resultando no fechamento do canal Toy Freaks".

Um porta-voz de Chism disse ao BuzzFeed News que ele próprio havia deletado os outros canais por precaução. Com as preocupações acerca do canal Toy Freaks, [Chism] pensou que seria aconselhável, pelo menos nesse meio tempo, tirar do ar seus outros canais", disse.

Em uma declaração para a "Variety", Chism disse que o Youtube o informou "sobre a preocupação de que meus vídeos estariam atraindo o interesse de membros da audiência que não queriam o melhor para as crianças".

"Victoria, Annabelle e eu queremos agradecer nossos apoiadores, pois minhas filhas tiveram a oportunidade de desenvolver criatividade e autoconfiança nesses últimos anos", disse. "O futuro delas é brilhante. Embora seja perturbador para mim que alguém tenha sentido um prazer inapropriado em nossos vídeos, eu realmente respeito a preocupação do Youtube pela minha família e eu não poderia estar mais feliz por ter tido essa experiência".

Conforme a popularidade da família aumentou, mais vídeos surgiram. Vídeos animados por fãs, com semelhança com a família, ganharam milhares de visualizações na plataforma. Este, que foi enviado em julho por um canal chamado Toy Cartoon, tinha mais de 500.000 visualizações e mostrava Victoria "urinando" em seu pai.

Toy Cartoon / Via youtube.com

Um vídeo similar desse canal tinha mais de 9 milhões de visualizações.

Os dois vídeos estavam no YouTube na segunda, mas foram removidos na terça de manhã. Outros vídeos como esses ainda existem.

Em uma entrevista enviada ao YouTube em janeiro de 2015, Chism descreveu a si mesmo como um pai solteiro de duas meninas, de 4 e 6 anos.

Em outra entrevista do mesmo ano, Chism falou sobre o início de Toy Freaks. Eram apenas vídeos de família. Faço vídeos com minhas filhas que posto no canal e é coisa caseira, sabe, como brincar na sala, com brinquedos e tudo mais", disse.

"Comecei a ver um padrão — alguns vídeos estavam recebendo mais visualizações que outros", explicou. "Então foquei neles, analisei cada vídeo, a descrição, os títulos, os marcadores, tudo que envolvia fazer aquele vídeo e que os fez chamar atenção. Tentei repetir o padrão e tive sorte com isso", afirmou.

Crianças agindo como bebês formam um gênero inteiro do YouTube.

FFS, I watched ONE of those awful 'bad baby' videos and now this is my homepage on @YouTube WTF

Diversos blogs e veículos da imprensa chamaram a atenção nos últimos meses a o que seria um conteúdo infantil "perturbador" dentro do YouTube.

finding out that one of the most popular channels on YouTube (and especially on YouTube Kids) is a child abuse feti… https://t.co/cLoP7NrKhy

"Descobrir que um dos canais mais populares do YouTube (e especialmente no YouTube Kids) é um canal de abuso infantil e fetiche me deixou o dia todo de estômago virado. Espero que as crianças do Toy Freaks sejam resgatadas de seu pai em breve."

Em um post viral do Medium chamado "Algo está errado na internet", publicado no início do mês, o escritor James Bridle mostrou a bizarrice e a vastidão do entretenimento infantil no YouTube.

Ele mencionou especificamente o ToyFreaks por ser um canal que faz conteúdo perturbador dirigido a crianças. "Assim como canções de ninar e aprender a colorir, o ToyFreaks se especializa em situações nojentas, assim como atividades em que muitos, muitos expectadores sentem que beiram o abuso e a exploração, isso se não cruza a linha inteiramente, incluindo vídeos de crianças vomitando e sentindo dor", escreveu.

Pais, preocupados com os vídeos perturbadores no YouTube Kids, também conversaram com o "The New York Times". Eles relataram que alguns vídeos, como as interpretações violentas e perturbadoras de personagens animados, estavam conseguindo burlar os filtros da plataforma.

Contudo, Malik Ducard, chefe global do conteúdo familiar e de aprendizado do YouTube, disse ao jornal que os vídeos inapropriados eram "uma agulha no palheiro". Ele encorajou os pais a denunciarem os vídeos que considerassem inapropriados. "Tornar o aplicativo bom para as famílias é a coisa mais importante para nós", disse.

Atualização [23 de novembro, 15h30]

Atualizamos este post de modo a não identificar as crianças citadas na reportagem.

Este post foi traduzido do inglês.

Remy Smidt is a reporter with BuzzFeed News and is based in New York.

Contact Remy Smidt at remy.smidt@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.

Em parceria com