back to top

18 histórias sobre começo de namoro que vão derreter seu coração

"Eu tinha terminado com um ex, resolvi encher a cara e meu namorado atual estava lá com um amigo em comum. Fiquei bem mal, vomitei nele, e pedi chorando pra ele cuidar de mim. Faz três anos que ele continua cuidando".

publicado

Pedimos a nossos leitores do Facebook para que mandassem suas histórias bonitinhas de começo de namoro e o resultado está resumido nesta coletânea muito fofa:

Fritas acompanha?, por Tiffanny Severo

Eu trabalhava num fast-food e o Daniel também. No dia de folga dele (nossas folgas não batiam) ele foi lá no restaurante, pegou uma fila imeeensa e fez seu pedido como qualquer outro cliente. Eu, como boa funcionária, perguntei se ele queria mais alguma coisa e ele disse que sim, tirou a aliança do bolso e me pediu em namoro. Isso já tem 4 anos e 8 meses e ainda estamos juntos.

Publicidade

Meu primeiro amor, por Elisa Berger Marinsek

Eu conheci meu namorado quando tinha seis anos. Ele era colega da minha irmã. Fomos em aniversários um do outro, nossas mães conversavam e etc, mas depois ele pulou uma série e mais tarde trocou de colégio. Um belo dia estava almoçando com conhecidos no RU da minha universidade, eis que um moço senta na nossa mesa e de repente começa a falar: "Elisa, eu não sei se tu lembra de mim, era colega da tua irmã" e blábláblá. Foi uma surpresa! Depois disso começamos a conversar. Nunca imaginei que fosse namorar uma pessoa que conheci quinze anos atrás.

Publicidade

Quando não é preciso dizer, por Saullo Rosa

Depois de dois meses juntos, resolvi questionar meu ficante:

"Qual foi mesmo o dia em que começamos a namorar?"
"Como assim, começamos a namorar?", respondeu.
"É claro que eu quero, mas a gente não começou a namorar, começou? Eu não pedi, você não pediu!"

Depois de um silêncio constrangedor, ele foi na cozinha e voltou com uma aliança improvisada feita de um pedaço de papel alumínio. Ajoelhou e me pediu em namoro. Deixei ele ajoelhado lá e fui na cozinha fabricar um anel de papel alumínio também e, assim, nos pedimos em namoro.

Bendita carona, por André Ibrahim

Eu estava na porta do shopping esperando minha carona com uma amiga, quando vi meu (futuro) namorado de longe. Admirei, fiquei perplexo. Eu não consegui parar de olhar, ele me retribui o olhar, demos umas risadinhas, quando olhei de novo ele estava vindo na minha direção e perguntou se eu namorava. Eu disse que não (todo me tremendo) e ele pediu meu telefone. Nos falamos a madrugada inteira, ficamos uma semana de paquera, levando bilhetinhos pra lá e pra cá (trabalhávamos no mesmo shopping) e, uma semana depois, começamos a namorar, depois de uma longa conversa em um café e em um cinema, com direito a declaração escrita no balde de pipoca!

Amor, mas pode chamar de "porre", por Erica Bittencourt

Eu e meu namorado nos conhecemos na 7ª série, éramos da mesma sala, tínhamos os mesmos amigos, mas nos falávamos bem pouco. Dez anos depois, eu tinha terminado com um ex e resolvi encher a cara depois da faculdade e ele estava lá com um amigo em comum. Fiquei bem mal, vomitei nele e pedi chorando pra ele cuidar de mim. Fazem 3 anos que ele continua cuidando de mim!

Publicidade

Eu estava na biblioteca da escola quando ele entrou. Começamos a nos olhar de canto de olho. O toque de mensagens do meu celular era TARDIS, de Doctor Who. Uma amiga disse que parecia um elefante e eu disse 'não é um elefante, é a TARDIS!'. Ele comemorou que alguém conhecia a série na cidade, o que fez a gente começar a conversar. Eu já sabia que tava gostando dele naquela hora. Menos de um mês depois, começamos a namorar e logo fará dois anos que estamos juntos.

Apaixonei pelo meu melhor amigo, Larissa Madsen da Silva

Meu marido era meu melhor amigo. Ele ficava com uma amiga minha, e eu na época com 15 anos não pegava nem gripe. Até que um dia ele me conta que vai terminar com essa minha amiga porque estava a fim de outra menina. No dia em que ele terminou com ela, ele apareceu na porta da minha casa dizendo que estava apaixonado por mim e me roubando um beijo! Eu fiquei em dúvida, mas ele me conhecia melhor do que ninguém, e sabia direitinho como me conquistar. Resumo da história: onze anos depois ainda estamos aqui juntos. Completamos cinco anos de casados e estamos construindo a nossa família.

Publicidade

O amor bate à sua porta, por Cynthia Pinheiro

Eu tava em casa quando de repente tocaram a campainha. Era o Leandro, que nessa época era engenheiro florestal da prefeitura. Eu estava de pijama ainda e nem era dos bonitinhos, era todo zuado, estilo Mãe Lucinda. Ele falou que a prefeitura estava com um projeto de plantar mais árvores no bairro e que na minha calçada cabia mais uma. Então eu perguntei se podia ser ipê amarelo e ele falou que sim. Eu ainda morava com minha mãe e falei que iria conversar com ela, nisso ele me deu o telefone dele e passamos a trocar mensagens.
Isso foi há quatro anos, agora todo dia 22/03 comemoramos o dia do ipê.

Quando nos conhecemos ele ia em poucos dias pra Oktoberfest, então pedi uma caneca de chopp. Ele voltou e esqueceu do meu presente. Então, foi no quiosque de chopp do shopping que eu trabalhava e bebeu 10 chopps de uma vez pra conseguir ganhar a promoção da caneca de chopp pra mim. Chegou quase caindo de bêbado no meu trabalho, mas me entregou o presente como prometido! Dias depois começamos a namorar!

Publicidade

Fiquei com meu crush, por Melissa de Freitas

Eu conheci o meu namorado no ensino médio. Sempre olhava ele de longe, mas eu tinha certeza de que não tinha chance com ele. Ele era amigo de um amigo meu. Um dia começamos a conversar e eu me apaixonei, mas achei que ele não sentia nada de volta. Foram passando os dias e ficamos amigos, um não desgrudava do outro. Um dia ele se ofereceu pra me levar pra casa e, quando estávamos no meio do caminho, ele me deu um abraço bem apertado, me olhou nos olhos e me beijou. Agora faz 3 anos que estamos juntos e vou pedir ele em casamento no aniversário dele neste fim de semana.

(Esperamos não estragar a surpresa da Melissa!)

Eu (re)conheci meu noivo num evento de anime, ele era amigo da minha melhor amiga. Na época, ele já era um cosplayer muito conhecido, por isso tempos depois do evento pedi ajuda pra fazer umas armas pro meu cosplay, daí acabamos gostando um do outro e começamos a namorar. Durante as conversas descobrimos que nós já nos conhecíamos. Estudávamos na mesma escola, ele no turno da tarde e eu no da manhã, mas minha condução demorava tanto pra chegar que todos os dias eu o via entrar na escola. Sempre queria falar com ele, mas sei lá, tinha medo porque achava que ele ia me esnobar por ser pirralha do fundamental e ele aluno do ensino médio. Este ano vamos fazer 8 anos juntos!

O gato não comeu a língua dele, por Ale Basaglia

Conheci meu namorado na faculdade. Achei ele gatinho, mas ninguém nem sabia o nome dele. Ele mal falava, então apelidaram ele de 'mudinho'. Um dia resolvi entrar na comunidade da faculdade e procurar por ele (tinha mas de 2 mil membros). Fui olhando de foto em foto até achá-lo. Então eu o adicionei e fiz a louca. Começamos a conversar por lá e por MSN. Passávamos a noite toda conversando. Começamos a andar juntos e eu um dia ele falou para sairmos mais cedo da aula. Fomos embora juntos e ficamos a primeira vez no metrô. Já são mais de 7 anos.

A atração do espetáculo, por Ray Gurgel

Meu melhor amigo começou a gostar de mim. Alguns meses depois, o sentimento se tornou recíproco. Porém minha mãe não queria de jeito algum que começássemos a namorar antes do ENEM. No dia seguinte da tal prova, fomos a um show e, durante a música mais romântica, ele ajoelhou, tirou uma caixinha do bolso e me pediu em namoro. As pessoas reparam a movimentação e gritaram loucamente, a cantora viu e nos chamou no palco.

Cara de pau, por Mônica S. Weber

Eu passei uma cantada bem sem vergonha nele (maldito álcool). Estávamos na festa de fim de ano da empresa e ele tem um irmão gêmeo. Eu estava lá de boinha, passa o irmão dele. Depois passa ele. E eis que eu solto "NOOOSSAAA! ESTÃO SE MULTIPLICANDO!" Ele parou e disse "tudo que é bom se multiplica". Conversamos, ficamos e lá se foram quase 11 anos.

Uma grande reviravolta, por Thaynara Gomes

Conheci meu namorado no dia em que ele levou um fora de uma amiga minha. Eu mesma tinha ajudado a ela na resposta que ela daria a ele. Depois do fora, fiquei responsável por desfazer o climão que tinha ficado entre os dois (que eram da mesma turma de amigos) E, depois de um tempo, ficamos amigos no Facebook e começamos a conversar, primeiro sobre animes, depois sobre livros, depois ficamos de ajudar um ao outro a encontrar alguém. Mas o tempo passou e ficamos cada vez mais próximos, os abraços de despedida ficavam mais longos e os olhares também. Até que um dia eu disse que o amava e ele respondeu que sentia o mesmo! Passamos meses esperando pra ver no que daria até que um dia, ele me surpreendeu indo até meus pais e me pedindo em namoro! Estamos juntos há 3 anos e posso dizer que amores de contos de fada podem ser reais! ♡

A mulher do padre, por Paula Dantas

Eu conheci o Augusto em 2010, nos preparativos da Diocese de Mossoró/RN para a JMJ (Jornada Mundial da Juventude) de Madrí. Ele era padre assessor da juventude e eu era representante paroquial. Trabalhamos juntos no setor de juventude, o que fortaleceu nossa amizade. Ele se tornou meu melhor amigo e confessor, tínhamos o mesmo gosto por livros, filmes, séries. Passávamos horas conversando. Até que percebemos que ele era o meu primeiro bom dia e meu último boa noite. Ele foi pra Roma em fevereiro de 2014 fazer mestrado, voltou já afastado do ministério, foi direto para a minha casa pedir permissão aos meus pais para namorar comigo. Estamos juntos desde então e eu sei que esse sentimento que carrego comigo vai durar para sempre. Mainha costumava dizer (faleceu em novembro de 2014) "De tanto que eu pedia a Deus que mandasse alguém para minha filha, que entendesse as coisas que ela fala e gosta. Deus foi bom, tirou um dos dele e deu para ela".

Bêbado de amor, por Suellen Pereira Lima

Ele é amigo do meu irmão, o conheci quando trouxe meu irmão bêbado pra casa. Logo de cara o achei muito lindo. Com o tempo, ele começou a aparecer na minha casa e eu o considerei um amigo. Fui me apegando mais e mais sem saber se era recíproco, enquanto meu irmão fazia muita propaganda dele. Até que um certo dia fomos a um barzinho encontrar uns amigos e por meio do meu irmão ele perguntou se eu queria ficar com ele. Eu aproveitei. Já faremos 5 anos juntos.

Em parceria com