back to top

Revolta no partido e queda nas pesquisas desesperam Trump

Após mulheres o terem acusado de comportamento inadequado, Trump lida com sucessivas crises na reta final da corrida eleitoral.

publicado

OCALA, Flórida (EUA) — Donald Trump estava chegando ao fim de um discurso áspero e furioso em seu comício, na tarde da última quarta-feira (12), quando pausou para fazer uma confissão inesperada.

"Se não ganharmos esta eleição, não sei o que vou fazer", disse Trump, com sua voz rouca de tanto gritar. "Não sei o que vou fazer".

O tom de desespero dissonou da cacofonia de machismo e triunfalismo que define um comício típico de Trump — todavia, estes são tempos de desespero para o candidato do Partido Republicano à Presidência dos Estados Unidos.

Enfrentando um partido em revolta, uma queda livre nas pesquisas de intenção de voto e um frenesi crescente na imprensa após mais de uma dúzia de mulheres o terem acusado de comportamento inadequado, Trump tem cada vez mais recorrido ao seu público fiel para ser reconfortado — e se redimir — nas semanas finais da corrida eleitoral.

Em campanha pelo Estado da Flórida, o candidato tem aparecido visivelmente nervoso nos últimos dias — alternando imprevisivelmente entre broncas furiosas, pedidos carentes por validação e declarações tenebrosas de martírio.

"Vamos esperar que tudo resulte na vitória no dia 8 de novembro — porque, caso contrário, eu perdi meu tempo [e] vocês perderam o tempo de vocês", disse Trump a uma multidão. "Terei gasto mais de 100 milhões de dólares. É muito dinheiro...se eu não ganhar, será simplesmente o maior desperdício de tempo, energia e dinheiro".

Onde quer que vá, Trump compulsivamente lembra seus apoiadores do que ele teve que abrir mão para se candidatar a presidente, como se não estivesse satisfeito com a falta de gratidão do eleitorado. "Pessoal, eu não precisava fazer isso", disse repetidamente a seus apoiadores em Panama City.

"Minha vida era tão simples. Eu tinha uma vida linda e simples", lamentou em Ocala.

Em West Palm Beach, Trump fez o papel de um mártir atormentado por um sistema global sinistro determinado a destruí-lo. Ele negou energicamente as mais recentes denúncias de assédio sexual contra ele, enquadrando as alegações como evidências de uma ampla conspiração política e midiática.

"Eu sabia que iriam jogar todas as mentiras que pudessem contra mim, minha família e meus entes queridos", disse Trump. "Eu sabia que nada iria impedi-los de tentar me parar. Mas eu nunca imaginaria... que seria tão vil, que seria tão maldoso, que seria tão perverso assim".

"Mesmo assim", continuou, "levo todas essas pedradas e flechadas alegremente por vocês. Eu as levo pelo nosso movimento, para que tenhamos nosso país de volta".

Essa atitude não é inteiramente desprovida de uma motivação estratégica. Como um conselheiro sênior da campanha explicou, a meta é reenquadrar a eleição em seu mês final como um embate entre os "nacionalistas populistas" e os "globalistas elitistas" — com Clinton como a "guardiã de um sistema armado...corrupto [e] remoto" e Trump como o "agente da mudança".

A abordagem é, essencialmente, uma simples progressão da ideia de nós-contra-eles que tem estado no centro da candidatura de Trump desde o início.

No entanto, em outros momentos, Trump não parece estar atrelado a qualquer tipo de mensagem de campanha coerente — amargamente atacando repórteres pelo nome, ridicularizando republicanos infiéis e oferecendo críticas detalhadas a qualquer telejornal que o tenha irritado mais recentemente.

Ele já chegou a comparar seus problemas ao dos eleitores da classe operária. "Estão ficando mais velhos, trabalhando mais e ganhando menos", disse. "Aqui está a boa notícia: também estou mais velho, trabalhando mais do que nunca... sei lá, talvez eu esteja perdendo meu tempo".

Ele fez uma pausa. "Estou perdendo meu tempo?"

Ao mesmo tempo, Trump disse a seus fãs na Flórida que ele talvez nunca os perdoe se ele perder naquele Estado. "Criei um monte de empregos na Flórida. Miami, Mar-a-Lago — se vocês não votarem em mim, pessoal, vou ficar muito furioso" (quando essas afirmações apareceram na TV, Trump reclamou que os canais de notícias estavam tirando-as de contexto para que ele parecesse um "babaca").

Claro que o relacionamento intenso de Trump com seu público não é novidade. Há muito que ele se gaba das multidões de admiradores que se reúnem para assistir às suas performances no trajeto da campanha. Assistentes dizem que ele extrai energia desses fãs, deliciando-se com a chance de entretê-los, entusiasmá-los, incitá-los a um frenesi.

No entanto, atualmente, à medida que Trump enfrenta a implosão de sua candidatura e a deserção em grande escala de seus aliados, as multidões parecem oferecer ao candidato mais do que a oportunidade de se vangloriar. Elas representam uma miragem política — uma que oferece consolo, absolvição e uma visão nebulosa de vitória que parece quase ao alcance.

Muitos dos apoiadores de Trump parecem entender o papel que estão desempenhando agora e estão orgulhosos em ajudar a reerguer seu candidato. Elizabeth Breton esperou por horas no asfalto escaldante na Flórida central para ver Trump discursar na última quarta-feira (12). "Quase desmaiei", disse, "mas ainda estou aqui".

Breton disse que a mídia e o Partido Republicano têm maltratado Trump e que ela queria que o candidato soubesse que ela o admirava — mesmo que ele estivesse à beira da derrota. "Tenho orgulho dele por não desistir", disse sobre Trump. "Ele está persistindo".

Colaborou Rosie Gray.

Em parceria com

Every. Tasty. Video. EVER. The new Tasty app is here!

Dismiss