back to top

Crise leva venezuelanos a fazerem vaquinhas para deixar o país

Nos últimos meses, dezenas de pessoas criaram contas em plataformas de financiamento coletivo para arrecadar dinheiro e fugir da situação que assola o país.

publicado

Nos últimos dias, milhares de venezuelanos foram às ruas para protestar, enquanto grupos de oposição exigem eleições antecipadas.

George Castellanos / AFP / Getty Images

Os protestos fazem parte de um movimento maior que vem crescendo nas últimas semanas na Venezuela. Anos de aumento nos preços do petróleo, inflação e agitação política causaram uma crise na Venezuela. As pessoas enfrentam uma batalha diária para conseguir itens básicos como alimentos e remédios, ea escassez criou um mercado negro muito forte no país.

O BuzzFeed News falou com três pessoas na Venezuela que disseram esperar conseguir doações suficientes para irem embora.

Definitely, Venezuela is the tale of the never ending pit of suffering and repression....

Andrea Gutierrez, 24, de Maracaibo, disse ao BuzzFeed News em um e-mail que perdeu seu emprego devido à piora da situação econômica. Agora, ela está fazendo uma vaquinha no site Generosity para ir para o Equador.

O Generosity é uma ramificação do Indiegogo, fundado em 2015, que permite que as pessoas arrecadem fundos para si mesmas, para suas famílias ou para causas de caridade. Ao contrário do Indiegogo, ele é gratuito. Dessa forma, as pessoas recebem todo o dinheiro doado. (O BuzzFeed News entrou em contato com o Generosity para comentar o assunto, sem sucesso).

"Ainda bem que fiz isso, porque economizar dinheiro no estado atual da Venezuela é simplesmente impossível", disse ela, "e quero ter uma segunda chance para que eu possa viver, trabalhar e ajudar meus pais, que são idosos e possuem uma condição de saúde delicada."

Publicidade

Gutierrez disse ao BuzzFeed News que "sempre teve o sonho de viajar para o exterior para obter uma melhor capacitação na música e nas artes", mas que a piora da situação na Venezuela a impediu até agora.

generosity.com

“Preciso de sua ajuda para economizar dinheiro para:

- Tirar meu passaporte : $25
- Legalizar meu título acadêmico e minha certidão de nascimento para trabalhar fora da Venezuela: $100
- Tirar meu visto de trabalho no Equador: $450
- Uma viagem de avião da Venezuela para o Equador custa em torno de $350
- Pagamento pelo primeiro mês de estadia: $80
- Comida para o primeiro mês: $130

Total de cerca de $1300"

"Meu desejo de viajar acabou mudando para um nível mais sombrio de preocupação e desespero. Minha experiência profissional tem sido ensinar música em escolas", disse ela. "No momento, estou desempregada — desde janeiro — porque a escola em que eu estava trabalhando não conseguia mais pagar meus serviços."

Mesmo quando Gutiérrez era professora, ela disse que seu salário, de menos de um dólar por dia — menor do que o salário mínimo do país —, não era suficiente para protegê-la do aumento do custo de vida. Além disso, o problema da criminalidade crescente tornou sua vida insuportável.

Até o momento, Gutierrez recebeu 170 dólares em doações, sobretudo de desconhecidos. Ela disse que é grata por qualquer coisa que recebe.

"Tenho certeza de que, se as pessoas entenderem a realidade da nossa situação, [elas] me ajudarão doando e compartilhando minha história para que eu consiga minha segunda chance na vida", disse ela.

Na Venezuela, um salário básico no momento é de cerca de 15 dólares por mês. Em média, um venezuelano teria que economizar (sem comer ou gastar com nada) por quase dois anos para cobrir o custo de um passaporte, um visto e uma passagem de avião.

Para algumas pessoas, o financiamento coletivo já ajudou.

generosity.com

Ilias Papanikolaou criou uma página para que seu amigo Giannis Kouzinos e sua família pudessem deixar a Venezuela e ir para a Grécia.

A página já angariou quase 11.000 dólares até o momento, e a família está no processo de renovação de seus passaportes para que possam deixar a Venezuela.

"Agradeço ao homem que organizou a arrecadação de fundos e a todos os amigos e desconhecidos que tornaram isso possível com suas contribuições", disse Kouzinos ao BuzzFeed News.

Publicidade

Para outras pessoas, é mais difícil. Eligreg López, uma escritora de Ciudad Ojeda, na Venezuela, criou sua página de financiamento coletivo quando estava grávida, porque queria garantir que seu bebê recebesse o melhor cuidado possível.

Estoy pelando, trabajaba por internet y se me quemó la laptop, se me acabó la comida y peligra la leche de Elías. G… https://t.co/Ba0P6SIHRG

"Estou morrendo, eu trabalho pela internet e meu computador quebrou, eu fiquei sem comida e o leite do Elias está em perigo. Muito obrigada", escreveu em um tuíte com suas informações do PayPal.

Atualmente, o filho de López tem 13 meses e ela e seu marido esperam arrecadar dinheiro suficiente para deixar a Venezuela.

"Queremos criar nossa família em um ambiente de paz e permitir que nossos pais vivam a velhice na tranquilidade em que merecem", disse ela. "Sabemos que trabalhar on-line é nosso caminho para sair do caos venezuelano. Sabemos que este país não será consertado da noite para o dia."

"Queremos um futuro melhor do que o que vemos aqui na Venezuela", disse López.

generosity.com

López disse que ela e seu marido estão oferecendo trabalhos em troca de doação. Eles esperam que, com apoio suficiente, consigam arrecadar o dinheiro que precisam para sair da Venezuela.

"Eu não estaria fazendo esta campanha se não fosse absolutamente necessário", disse ela.

Este post foi traduzido do inglês.

Rachael Krishna is a reporter for BuzzFeed News and is based in London.

Contact Rachael Krishna at rachael.krishna@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.