24 grandes questões que a ciência ainda tem que responder

Algum dia teremos jetpacks?

publicado

Para celebrar o lançamento da nova publicação Mosaic, a Wellcome Trust (fundação filantrópica global) perguntou a cientistas, jornalistas e pensadores sobre o que eles pensavam ser a maior questão que a ciência ainda não respondeu. Estas são as questões que eles apresentaram.

1. Como o cérebro gera a consciência?

Via missionjill.tumblr.com

Mo Costandi, neurocientista e escritor.

Talvez os cientistas nunca consigam explicar o que é a consciência. Mas, os cientistas já conseguiram um ponto de partida para começar a determinar sua origem através da análise neurológicas de pacientes que tiveram lesões que mudaram a sua consciência. Por exemplo, o dano a algumas estruturas no tronco cerebral deixam as pessoas em coma.

2. Quais são os limites da vida humana e da fisiologia?

NASA / Via en.wikipedia.org

Kevin Fong, especialista em medicina espacial.

Atualmente, os astronautas que sobem à Estação Espacial Internacional estão limitados a passar seis meses no espaço por causa dos efeitos da microgravidade no corpo humano. Mas a partir de março de 2015, o astronauta Scott Kelly vai passar um ano em órbita. E o seu gêmeo, o astronauta Mark Kelly, vai ficar na Terra. A NASA espera que este estudo específico com gêmeos dê alguma dica sobre como podemos neutralizar os efeitos prejudiciais do espaço em nossos corpos.

3. Podemos substituir partes danificadas do cérebro com dispositivos computacionais?

Flickr: thorinside

Vaughan Bell, autor.

Já temos próteses de membros, mas “próteses neurais” para substituir ou evitar tecido cerebral danificado estão um pouco longe de virar realidade porque o cérebro é algo muito complicado.

4. O que acontece quando morremos?

Wellcome Library, London.

Jane Goodall, primatologista, etóloga, antropóloga, e Mensageira da Paz da ONU.

Existem pelo menos dois estágios de morte bem compreendidos: morte clínica, quando uma pessoa deixa de respirar e o seu coração para de bombear sangue, e morte biológica, quando as células começam a degenerar e os órgãos, inclusive o cérebro, se desligam. Mas estamos no escuro sobre o que acontece depois.

5. Quais as curas para os maiores problemas de saúde no mundo, como o câncer, doença cardíaca e demência?

stokkete

Annabel Bentley, especialista em saúde do consumidor.

Sabemos que não existe uma cura simples para o câncer, mas encontrar maneiras para tratar estas doenças é uma grande questão para a ciência e para a medicina hoje em dia.

6. Algum dia vamos reconciliar o debate do inato versus adquirido?

Wellcome Library, London

David Bradley, jornalista científico.

Em outras palavras, até que ponto quem você é se torna influenciado pelos seus genes ou pelos fatores ambientais? Algumas características são quase exclusivamente genéticas, como cor de cabelo e de olho. Mas para outras, como expectativa de vida, o meio ambiente tem um papel importante.

7. O envelhecimento é invevitável?

vimeo.com

Claudia Hammond, autora e apresentadora.

Desde a virada do século 20, a expectativa de vida tem se elevado drasticamente - de 45 para 78 anos, isso nos Estados Unidos. Mas ainda envelhecemos no mesmo ritmo. Há anos os cientistas pensam que o envelhecimento é resultado de danos moleculares ao longo do tempo, mas ainda não compreendemos exatamente como isso acontece em detalhes suficientes para que se possa fazer algo com isso.

8. Algum dia seremos capazes de prever o futuro dos sistemas econômicos, sociais, políticos e outros?

Getty Images

Tim Harford, economista e jornalista.

Alguns economistas previram problemas com partes específicas do sistema financeiro antes da crise. Mas um experimento pelo psicólogo Philip Tetlock demonstrou que os especialistas não são muito bons para prever o que vai acontecer nos sistemas sociais.

10. Como podemos colocar perfeitamente a evidência em prática na medicina, aproveitando todos os dados que temos de nossos pacientes e juntando com todos os dados de pesquisa para criar o melhor atendimento possível?

Jcomp

Ben Goldacre, médico, acadêmico e escritor científico.

Podemos salvar vidas se soubermos como aproveitar os dados de milhões de registros médicos, mas a implementação é crucial – e isto parece ser o que deu errado com o recente projeto de dados de saúde da Inglaterra.

11. Há algum limite para o quão esperto indivíduos e comunidades podem ser?

Getty Images

Imran Khan, chefe-executivo na Associação Britânica para Avanço da Ciência.

O poder do cérebro deveria aumentar se aumentássemos o número de neurônios (células cerebrais) em nossos cérebros e a sua conectividade. Então, fatores físicos podem afetar quão inteligente podemos nos tornar – o nosso cérebro já usa cerca de 20% de nosso oxigênio e calorias, apesar de ser apenas 2% do nosso peso corporal. Se ainda não chegamos lá, podemos ver regressos no desenvolvimento dos nossos cérebros.

12. Quais são as possibilidades para os peixes criados em laboratórios e isto poderia contrapor a nossa superexploração dos oceanos?

Via fisheatingfish.tumblr.com

Ruth Francis, chefe de comunicação na BioMed Central (editora científica de acesso aberto).

A sobrepesca é um problema enorme e conforme a população da Terra vai crescendo parece que apenas vai piorar. No ano passado, o primeiro hambúrguer criado em laboratório foi comido em Londres. Será que peixe criado em laboratório resolve o problema da fome no mundo e a sobrepesca ao mesmo tempo?

13. O que nos faz “humanos” e será que algum dia iremos descobrir?

Wellcome Library, London.

Aleks Krotoski, locutor de rádio e jornalista.

Partilhamos 99% do nosso DNA com os chimpanzés, então será que somos tão diferentes? Alguns poderiam argumentar que somos mais que simples macacos com grandes cérebros e que o fato de que nossas mãos livres nos permitem criar literatura, arte, música, matemática e ciência nos diferencia. Talvez seja a vontade de saber que nos faz diferentes em primeiro lugar.

14. A biologia é universal como a química e a física?

Flickr: birthintobeing / Creative Commons

Ben Miller, comediante, ator, e diretor.

Pelo que sabemos, as leis da física se extendem por todo o universo. A química também parece se aplicar tanto a estrelas distantes como as daqui. Mas e se a vida surgiu em outra parte do cosmos, é baseada nas mesmas moléculas?

15. Como os organismos conseguem se regenerar?

Flickr: birthintobeing / Creative Commons

Mark Miodownik, cientista e engenheiro de materiais, locutor de rádio e escritor.

Sabemos que partes do nosso copro, como os ossos, se regeneram. Quanto mais aprendemos, mais seremos capazes de imitar esses processos na criação de partes do corpo biônico para biomateriais.

16. Como o genoma permite que um cérebro desenvolva talentos inatos e tendências - se nós temos um medo inato de, digamos, cobras, como é que isso se instala num cérebro?

Via allthingsconsideredtwo.tumblr.com

Stephen Pinker, cientista cognitivo.

Em um experimento, bebês de 5 meses de idade passaram uma média de 7 segundos a mais olhando fotos de aranhas do que de outros objetos, o que sugere uma predisposição para vê-las de uma maneira diferente. Mas como essa predisposição acontece ainda não sabemos.

17. Por que os seres humanos desenvolveram a música?

Wellcome Library, London

Alan Rusbridger, editor-chefe do jornal The Guardian.

Alguns pensam que a música evoluiu porque une grupos de pessoas, outros porque ajuda a atrair companheiros. Há ainda a idéia de que isso surgiu por acidente como um efeito colateral de habilidades que se desenvolveram por outros motivos.

18. Estamos sozinhos? Existe vida no espaço, e se sim, como é semelhante ou diferente da vida aqui na Terra?

ESO/M. Kornmesser / Via eso.org

Philip Plait, astrônomo e cientista escritor.

Nós agora sabemos que existem tantos exoplanetas que parece muito provável existir vida em algum outro lugar no universo. No entanto, se vamos conseguir nos comunicar com extraterrestres ou se nunca seremos capazes de encontrá-los é outra questão.

20. Como o cérebro funciona e podemos consertá-lo quando dá algo errado?

James Tanderson, editor assistente de notícias nacionais no jornal The Guardian.

Sabemos bastante sobre o que compõe nossos cérebros, e estamos aprendendo mais o tempo todo, mas ainda há um longo caminho a percorrer.

21. Os humanos podem suportar o estado de suspensão inanimada?

Getty Images

Frank Swain, escritor de ciência.

Muitos animais hibernam, mas, até onde sabemos, um humano nunca o fez. Mas seria útil poder colocar pessoas em estágios de suspensão no tempo, caso um dia a gente faça viagens espaciais extraordinárias. Um problema que podemos encontrar é que animais não parecem dormir quando estão hibernando, então, na verdade, eles têm que ‘acordar’ da hibernação para conseguir dormir um pouco.

22. Podemos olhar para o futuro de forma sustentável, tendo uma população humana estável neste planeta e protegendo a biodiversidade ao mesmo tempo?

Alice Roberts, professora e apresentadora.

A população da terra ultrapassou aproximadamente 7 milhões de habitantes no final de 2011 e ainda que a ONU tenha uma previsão de um declínio constante no crescimento da população, estima-se que a população global chegará a aproximadamente 9,6 bilhões de pessoas em 2050.