back to top

Eu juro que você não tem que perder peso para ser feliz

Isso é totalmente possível.

publicado

Olá! Meu nome é Kaye e eu fui gorda a minha vida inteira.

Lauren Zaser / BuzzFeed / Via Instagram: @kayetoal

Gorda. Aquela que é conhecida como "gorda-mas-bonita-de-rosto". Gorda com trolls da internet me insultando por causa do meu queixo duplo ou da gordura nos meus braços. Eu sou, na linguagem da comunidade de aceitação da gordura, conhecida como uma "gordelícia" ou uma "gordinha" — eu flutuo entre o 44 e o 46. Então, eu sou basicamente uma mulher americana média.

Publicidade

Pode ser incrivelmente difícil viver como uma mulher gorda nos EUA.

Nós somos estigmatizadas, abusadas, chamadas de inúteis e indesejáveis, estereotipadas como preguiçosas, estúpidas e anti-higiênicas, a assistência médica é inadequada e sem decência humana básica. Apesar dos esforços do bullying físico e virtual, em quase todos os programa de TV e filmes, e a maioria das revistas femininas, eu estou totalmente em paz em ser gorda.

No entanto, chegar a este ponto foi ~uma jornada~. E vou contar como foi essa jornada.

1. Joguei fora minha balança.

Miramax

A ideia de uma balança é bastante estranha, já que tudo que ela faz é medir o seu relacionamento com a força gravitacional do planeta em que você está. Os médicos que insistem que você deve ter uma apenas no caso de você perder muito peso e precisar vir vê-los acreditam que você não notaria se perdesse 10 quilos em uma única semana.

Eu joguei fora a minha balança. Eu não tenho uma há oito anos. Isso é facilmente a melhor coisa que eu já fiz para mim mesma.

2. E eu peço aos médicos para não me dizerem o meu peso.

Instagram: @mariasisci

Quase todos os médicos que eu pedi para não me dizerem o meu peso foram gentis e prestativos. Eu costumo contextualizar o meu pedido com o fato de que estou em recuperação de um transtorno alimentar, mas mesmo quando eu não peço, eles são superlegais. Não é apenas que eu tenha tido sorte — eu intencionalmente procurei médicos bem avaliados por uma variedade de pessoas.

Os médicos geralmente querem saber o meu peso, mas eles me pesam de costas para a balança ou a sua balança tem um transmissão direta para computador e eles simplesmente não me dizem quanto é. Como resultado, não tenho ideia de quanto eu peso. Isso é incrível.

3. Eu me cerco de pessoas que não me fazem sentir uma merda.

Isso foi difícil, porque muitos de nós não percebemos que estamos fazendo outras pessoas se sentirem uma merda, ou estamos fazendo isso porque nos sentimos uma merda e queremos nos sentir menos assim. Eu entendo que todo mundo tem uma luta e um caminho que estão percorrendo, um fardo para carregar e uma vida tão rica, cheia, complicada e dolorosa quanto a minha. E eu nunca mais serei amiga próxima de alguém que pergunta se vou realmente terminar um cupcake.

4. Eu tenho muitos orgasmos.

Endorfinas, amigos. Endorfinas.

Mais importante: eu adquiri o hábito de deixar que me sinta bem, e deixar-me acreditar que eu merecia me sentir bem.

As garotas gordas ouvem que não merecem se sentir bem, porque seus corpos são repugnantes, imorais, símbolos da gula e da preguiça. O conjunto de pressupostos sociais associado com um corpo gordo é basicamente aquele de indulgência ao ponto do pecado, e a única forma de redimir-se disso é através da autopunição e autoflagelação.

Mas veja: você merece se sentir bem. Você merece uma coisa agradável, como um cobertor muito confortável ou um balão em forma de um unicórnio ou uma camisa em que você se sente invencível ou assistir Magic Mike XXL catorze vezes em uma única semana e, sim, um orgasmo. Nenhuma de nós merece viver uma existência diária que seja um castigo. Você merece se sentir bem. Você merece! Permita-se sentir-se bem!

Publicidade

5. Eu nunca transo com alguém que trata o meu corpo como compromisso que ele precisa cumprir.

HBO

Um homem pelo qual eu estava apaixonada uma vez me disse que era uma pena que ele não estivesse atraído por mim, porque ele tinha sentimentos muitos fortes por mim de outra forma. Em vez de colocá-lo em um barril e rolá-lo de uma colina em um rio de lava, eu continuei falando com ele durante vários meses após esse incidente. Não seja como eu!

Cercar-me de pessoas que não me faziam me sentir uma merda incluía cessar todo o contato sexual com pessoas que faziam isso. Se a pessoa com quem você está transando está fazendo você se sentir como se seu corpo não fosse nada menos do que um presente pelo qual ela está ansiando, como uma cesta de presente feita de pizza contendo ainda mais pizza, pare de ter relações sexuais com ela.

Se a pessoa com quem você está transando sempre diz algo sobre a necessidade de você perder peso, ou que ela estaria mais atraída se você fosse mais magra ou de uma forma diferente, pare de ter relações sexuais com ela. Eu garanto que com alguém que realmente queira fazer sexo com você — não "se você fosse mais magra" —, você terá uma transa melhor e se sentirá melhor sobre si mesma.

6. Eu me recuso a participar de Maratonas de Salada.

Comedy Central

As Maratonas de Salada, também conhecida como "Puxa, eu nunca mais poderei comer [comida deliciosa] novamente. Eu me acostumei a comer uma [comida diferente igualmente deliciosa] e apenas essa [comida diferente igualmente deliciosa] e eu me sinto incrível".

Esse comportamento é uma merda! Por que todos nós fazemos isso? Por que todos nós insistimos em fazer um ao outro sentir-se mal sobre o que está comendo, como se ter legumes grelhados como um prato principal quando alguém está comendo frango frito e anéis de cebola fizesse de você uma pessoa melhor? Isso não faz. A comida é moralmente neutra. Às vezes, eu quero comer legumes grelhados; às vezes, eu quero comer quatro fatias de pizza. Comer qualquer uma dessas coisas não altera fundamentalmente quem eu sou como pessoa.

7. Eu me exercito.

Kaye Toal / Via instagram.com

SURPRESA.

Eu me exercito bastante regularmente porque eu tenho um transtorno de ansiedade crônica que é ajudado por (diga isso comigo) endorfinas. Eu não apenas vou para a academia, necessariamente; às vezes, eu danço pelo meu quarto, saio para uma caminhada ou saio do metrô algumas paradas antes e vou a pé para casa. Se o ponto é apenas aumentar o meu ritmo cardíaco, isso pode acontecer, entretanto. Fazer as coisas que eu gosto é muito mais divertido do que caminhar em uma esteira por 30 minutos, rezando para a Terra a se abrir e me engolir para o seu núcleo.

8. Às vezes, eu não me exercito.

Isso é bom também. Nem todos os dias têm que ser uma corrida louca em direção ao Corpo Mais Saudável. Quando a minha vida muda, meus hábitos mudam. Muitas vezes meu corpo muda junto com eles. Eu imagino que esse seja um ciclo que continuará até que minha alma seja liberada deste ciclo e minha carne fertilize uma árvore que eu pedirei para ser plantada sobre o meu cadáver.

Publicidade

10. Eu fiz muita pesquisa sobre ciência e nutrição alimentar para entender como os alimentos realmente funcionam no meu corpo.

Twitter: @fatnutritionist

Eu fortemente recomendo isso! Conhecimento é poder! Dietas da moda são cansativas! Um ótimo lugar para começar é com Michelle, também conhecida como A Nutricionista Gorda, que é um nutricionista registrada e tem uma lista de estudos e artigos em seu site.

11. Eu tento muito ser gentil comigo mesma quando eu penso sobre o meu próprio corpo.

Kaye Toal

Eu nem sempre sou bem-sucedida. Quando eu ativamente não estou conseguindo, eu chego a uma amiga de confiança para ter um apoio e sou honesta com ela sobre o que estou sentindo e que eu preciso ser lembrada de que eu não sou um saco de lixo podre cheio de chorume como se fosse um bolor limoso. Seus amigos te amam e estarão felizes em lembrá-la disso, e isso significa que você também pode fazer isso por eles quando eles estiverem se sentindo para baixo! Vivaaaa!

Eu também tento pegar meus pensamentos negativos sobre mim e contradizê-los. Isso às vezes dá certo, como quando eu me pego pensando "Meu rosto é repugnante", e me contradigo com "Meu rosto não é nada repugnante, eu tenho ótimas sobrancelhas, cílios, lábios e pele". Às vezes, isso dá menos certo, como quando eu me pego pensando "Meu rosto é repugnante", e me contradigo com "Bem, eu o lavei hoje". Contanto que você esteja se afastando desse tipo de pensamento negativo, no entanto, você estará dando passos importantes e deverá estar orgulhosa de si mesma.

12. Eu tento não comparar o meu corpo ao de qualquer outra pessoa.

Sarah Kobos / BuzzFeed / Via Instagram: @kayetoal

Outra pessoa é uma pessoa completamente diferente, afinal, com composição genética completamente diferente, um estilo de vida completamente diferente e metas e prioridades completamente diferentes. Nenhum de nós é melhor do que o outro; somos todos incríveis.

13. Eu encontrei uma comunidade.

NBC

Pessoas como Virgie Tovar, Jes Baker, Lindy West, Marilyn Wann, Gabi Fresh, Ty Alexander, Jaclyn Friedman e Hanne Blank me ajudaram a começar a ter um relacionamento com meu corpo que não fosse puro lixo. Perceber que eu não estava sozinha pareceu um milagre — a ideia de que havia uma maneira de existir na minha própria pele sem essa pele ter que ser uma câmara de tortura parecia impossível, e ela ainda estava lá: não só possível, mas dentro do alcance. Bem ali, esperando por mim.

14. Lembro a mim mesma frequentemente de que isso é um processo.

Kaye Toal / Via Instagram: @kayetoal

A sociedade odeia pessoas gordas e quer que todos nós morramos de fome para emagrecermos, a fim de sermos tratados como se nós tivéssemos algum valor, não importa o quanto sejamos prejudicados no processo (basta olhar para programas como O Grande Perdedor ou a capa de qualquer revista). Então, sim, às vezes resistir a essas crenças é muito mais difícil do que em outros dias. Alguns dias eu não serei capaz de lutar uma boa luta. Mas está tudo bem — o processo é contínuo e pode durar toda a minha vida. Não é tanto uma linha reta como um rabisco para frente e para trás, para cima e para baixo.

Mas tudo bem. Estou bem. Você está bem. Somos todos belas bolas incríveis e ridículas de emoção humana envoltas em um corpo que nos foi dado pelos genes e circunstância. A vida é muito curta para não acreditar sinceramente que você é tão incrível, bela e interessante como todos os outros.

Em parceria com