back to top

Governo Trump anunciou sobretaxa de 20% para importações do México para bancar muro

Nesta quinta (26), o presidente do México, Enrique Peña Nieto, cancelou viagem que faria a Washington. "Eu lamento e rejeito a decisão dos EUA de continuar construindo um muro que por anos não nos une, mas nos divide", disse.

publicado

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou nesta quinta (26) que os Estados Unidos aplicarão um imposto de 20% sobre importações vindas do México a fim de bancar a construção de um muro na fronteira entre os dois países.

A empreitada foi a principal promessa de campanha de Donald Trump, que disse várias vezes que o México pagaria pela obra.

Mais cedo, o presidente do México, Enrique Peña Nieto, cancelou a viagem oficial que faria a Washington, marcada para a próxima terça (31), após intensa pressão popular no país.

Esta mañana hemos informado a la Casa Blanca que no asistiré a la reunión de trabajo programada para el próximo martes con el @POTUS.

"Esta manhã informamos à Casa Branca que não comparecerei à reunião de trabalho marcada para a próxima terça-feira com @POTUS [Trump]."

Publicidade

Em um pronunciamento, Peña Nieto afirmou que a eventual construção de um muro só trará consequências negativas.

Assista à íntegra, em espanhol.

"Eu lamento e rejeito a decisão dos Estados Unidos de continuar construindo um muro que por anos não nos une, mas nos divide", disse o presidente mexicano. "O México não acredita em muros", afirmou. "Eu disse uma vez e direi de novo: o México não pagará por nenhum muro."

Trump ordenou a construção do muro na quarta-feira (25).

"Estamos falando disso desde o começo", disse Trump enquanto assinava uma ordem executiva para o processo de construção "imediata" do muro entre os dois países.

O construção de um muro de concreto dividindo os dois países, que Trump disse que terá 17m de altura, foi uma das primeiras promessas de campanha do republicano. No mesmo discurso em que anunciou que iria concorrer à Presidência dos Estados Unidos, Trump acusou o México de enviar criminosos e "estupradores" pela fronteira e prometeu deportar milhões de imigrantes sem documentação.

Então, Trump e Peña Nieto entraram em uma rixa no Twitter sobre quem pagaria o projeto colossal — com o americano insistindo repetidamente que o país vizinho deveria arcar com os custos, o que é visto por muitos como uma afronta à dignidade do México.

Depois de seu triunfo eleitoral, Trump modificou sua posição inicial, dizendo que usaria fundos federais para o muro e faria o México reembolsar os Estados Unidos.

A ordem assinada por Trump diz que o governo federal americano "desenvolverá requisitos de financiamento de longo prazo para o muro, incluindo a preparação de pedidos de orçamento congressional para os ano fiscal corrente e os próximos".

Na terça (24), o secretário da Casa Branca, Sean Spicer, disse que o muro "é um primeiro passo para proteger nossa frágil fronteira. Isso vai conter o fluxo de drogas, os crimes e a imigração ilegal para os Estados Unidos."

Peña Nieto tentou melhorar a relação com os EUA por meses.

Primeiro, ele convidou o então candidato republicano para uma visita ao país, em agosto do ano passado, e depois nomeou Luis Videgaray como seu ministro das Relações Exteriores. Acredita-se que Videgaray tenha bons laços com o genro e conselheiro de Trump, Jared Kushner.

Na segunda (23), Peña Nieto traçou 10 objetivos que guiarão as negociações do México com seu vizinho ao norte. Entre eles, está o respeito para com os migrantes mexicanos, deportações feitas de maneira respeitosa e um esforço conjunto para promover o desenvolvimento das nações da América Central, onde o desemprego e a violência leva muitas pessoas a fugir do México para os Estados Unidos.

Pouco após a posse de Trump, a cotação do peso mexicano despencou. A expectativa de que os Estados Unidos abandonem o Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte) foi um fator-chave para a reação do mercado.

Colaborou Sal Hernandez, de Los Angeles.

Este post foi traduzido do inglês.

Karla Zabludovsky is the Mexico bureau chief and Latin America correspondent for BuzzFeed News and is based in Mexico City.

Contact Karla Zabludovsky at karla.zabludovsky@buzzfeed.com.

Got a confidential tip? Submit it here.