back to top

21 rolês que todo mundo da ZL já fez

Porque aqui é ZL, mano!

publicado

1. Atravessar a cidade para ir ao Center Norte.

Via pt.foursquare.com

A relação do jovem da leste com o shopping vem muito antes do rolezinho. Só que no início dos anos 90 só tinha o Center Norte e você tinha que pegar metrô, fazer baldeação, descer na estação Tietê e andar algumas quadras.

2. Almoçar no McDonald's, o acontecimento da semana.

Via pt.foursquare.com

Um dos primeiros na região foi o da Serra de Bragança, no Tatuapé, ponto de encontro certo da molecada depois da aula e nos fins de semana. Ainda hoje, o McDonald's do Shopping Itaquera é o que mais vende em toda a América Latina.

Publicidade

3. Dar uma volta no Coquinho ou no Shoppinho.

Via pt.foursquare.com

O Shopping Alvim e o Silvio Romero só aumentavam o gostinho por um grande shopping na região. Em 2015, o Coquinho completou 15 anos abandonado, e o Shoppinho, hoje, tem a maior parte de seu espaço alugado para uma universidade.

4. Brincar na Playland do Shopping Aricanduva.

Juliana Kataoka/ BuzzFeed Brasil

Foi então que em 1992 o jogo virou com a inauguração do Shopping Aricanduva. Vai ser difícil encontrar alguma criança da ZL que não tenha andado no barco Pirata ou visto seus primeiros filmes no Cinemark do Interlar, um dos primeiros multiplex da Zona Leste.

5. Passar o dia no Ibirapuera da ZL, o Parque do Carmo.

Via pt.foursquare.com

De dia, apreciando a beleza das cerejeiras japonesas em plena São Paulo e, de noite, na maior curiosidade com as garotas de programa que exibiam seus atributos na Afonso de Sampaio e Souza.

6. Visitar o Aquário Itaquera e voltar com um peixinho.

Via aquapeixes.forumeiros.com

O Aquário, que além de peixes até conta com outros animais e barraquinhas com várias opções de comida e brinquedos, era o lugar ideal para você conseguir convencer os seus pais a te arrumarem um bichinho.

7. Andar de patins na Roller Action depois da aula.

Via youtube.com

Os patins foram febre nos anos 90 e a ZL não poderia ficar de fora dessa. Não era muito difícil encontrar jovens que iam na Roller Action todo dia depois da aula, nem que fosse só para ficar olhando quem sabia andar direito.

Publicidade

8. Pular carnaval no Baile do Juventus.

Via juventus.com.br

Uma das matinês mais tradicionais do carnaval paulista, até hoje os bailes do Clube Juventus continuam juntando a galera, não só da ZL, mas também de outras partes da cidade.

12. Passar a tarde jogando flipper no Lord's.

pt.foursquare.com

As máquinas de jogos mais modernas da cidade estavam no Lord's. Os meninos competiam pra mostrar quem era o mais forte na máquina de soco e era muito legal ver o pessoal dançando demais naquelas máquinas tipo Dance Dance Revolution.

Publicidade

16. Fazer balada na Toco ou Overnight.

vejasp.abril.com.br

Ficava na Vila Matilde uma das casas mais modernas voltadas para a música eletrônica da época, a Toco. O lugar era tão forte na cena que recebeu shows internacionais como do Technotronic e Information Society.

17. Ser roqueiro na ZL e frequentar o Fofinho ou a Led Slay.

Via ledslay.com.br

Os metaleiros também tinham vez na ZL. Além do Fofinho Rock Club que continua firme e forte na Celso Garcia, tinha também a Led Slay, que acabou fechando em 2011, com seu famoso palco de três metros onde poucos se aventuravam no stage diving.

18. Ir aos shows das rádios no CERET

Via youtube.com

Os únicos pontos negativos desses eventos antológicos eram a dificuldade de pegar ônibus coberto de lama e o rastro de destruição deixado na vizinhança por esses jovens energizados pelo shows de Raimundos e Charlie Brown Jr. no auge.

20. Tomar os primeiros porres no Pilequinho ou no Cervejazul.

Via pt.foursquare.com

Se você começou a beber na ZL, provavelmente esses dois lugares foram muito importantes para a formação da resistência alcóolica que você tem até hoje.

21. Ir com os pais na CEPAM ou na PANCO.

Via pt.foursquare.com

Mesmo com toda essa agitação, no domingo, você invariavelmente ia com os seus pais buscar pão na CEPAM ou na PANCO. Afinal, você era apenas um jovem crescendo na ZL.

Colaboraram: André Matt, Natália Eiras, Nathália Ferreira e Yule Biseto.

Em parceria com